os técnicos informáticos

…para Bruno Sousa, que me assiste todo senhor… como ele é e Ricardo Santos Pinto também

um ténico informática que me assiste

Há apenas duas palavras que definem um técnico informático: são de utilidade pública!

Há muitos saberes, há muito ciência que podem existir na nossa cabeça, incluindo o famoso multiplicador de investimentos, criado pelo meu colega de Cambridge, Sir John Maynard Keynes. Fórmula difícil de entender, apenas ele sabia a chave para o investimento, incluído ao meu amigo, o seu discípulo Lord Kaldor. Quem ao entender: Y C cY I G A = + + +

Resolvendo a equação acima para Y encontra-se:
cY CA I G−+ +  = 1, aplicara a sua fórmula várias vezes e ficou tão rico com os investimentos, que fez crescer o PIB da Nação, o Reino Unido. Mais tarde Rose Marie e Milton Friedman, descobririam outras fórmulas económicas para optar por um u outro bem que ajudara a nação, os EUA, a ser a mais rica do mundo. Ou a descoberta da formação do capital de Kart Marx: M-D-M, onde M é mercadoria e D dinheiro. Cada produtor toma sua mercadoria e vende-a por dinheiro para comprar uma outra mercadoria de outro produtor. O dinheiro é apenas o intermediário na transacção.
Onde as relações de produção capitalistas prevalecem, todavia, a circulação de mercadorias toma uma outra forma, mais complexa: D-M-D + D-M-D1. Dinheiro é investido para produzir mercadorias que são, então, trocadas por mais dinheiro. Esta actividade é a fórmula da mais-valia ou a formação do lucro do qual se apropria o dono dos meios de produção, recebendo o criador da obra apenas um salário mínimo, que o capitalista sabe converter em capital. Fórmula sintética do lucro e da mais-valia, Marx a resume no seu livro I do Capital: O valor igual a c + v, passa agora a c + (v + x), o mesmo que (c + v) + x; ou seja, a soma original de dinheiro, a magnitude de valor, expandiu-se, revelou-se valor que ao mesmo tempo se conserva e acresce, sendo c capital; v, valor do trabalho, que com a invenção da maquinaria, dos sindicatos e as revoltas contra os proprietários do capital, passa a ser capital (c) com valor acrescentado pelos salários e o investimento, é dizer: c+ (v+x)
Fórmulas todas aprendidas por mim na minha época de estudante, aplicadas para financiar a minha vida e a da minha família.
Estamos repletos de fórmulas para viver a vida. Uma outra, foi criada pelo meu companheiro de mesa para o almoço, Steven Hawkigns, para descobrir os denominados buracos negros e a sua utilidade na dança das estrelas do firmamento.
A par e passo, estas fórmulas são criadas, aplicadas e estabelecidas para o lucro do capital, que devia pertencer à Nação e não apenas aos proprietários dos meios de produção. Fórmulas não aplicadas pelo nosso governo, por ser de origem marxista, é dizer, porque requer suprimir a propriedade privada e sermos todos iguais. Mas, o próprio Karl Heinrich Pembroke Marx repara que não era possível e comenta nos seus Manuscritos Filosóficos de 1848, a falta de coragem e o temor que o proprietário causa entre os proletários que possuem apenas a família e a sua mão-de-obra para ganhar a vida, dia após dia: não há meio de poupar para amaçar lucro e criar mais-valia, por serem as entradas de um grupo domésticos tão baixas, que os tostões que entram (devia dizer cêntimos) o se juntam entre todos para a sua subsistência, especialmente para os membros desempregados ou inválidos, que hoje em dia há muitos pela apropriação do valor sustentado do trabalho, o valor das mercadorias, passam a ser dos bancos e do seus proprietários. Ou dos proprietários das indústrias e da maquinaria que lhes permite produzir. Um proletário, a maior parte da população, era economicamente incapaz de criar c+ (v+x), por falta de meios e de segurança social que os países mais ricos outorgam aos seus cidadãos, caso não tiverem meios para criar bens.
Todo isto é sabido por mim, bem como os danos mentais que causa a pobreza e a quantidade de impostos que devemos pagar por qualquer estipêndio que entre à nossa contabilidade.
Entender isto, é fácil. Mas entender informática, é apenas para os reis da ciência. Eis porque afirmava antes que um técnico informático é um valor de utilidade pública e não um capital variável, como o proletariado.
Eu não saberia o que fazer sem o saber informático que os que o sabem, me emprestam: sistema informático:  conjunto formado por um computador e diversos elementos que lhe estão ligados.
Não sou homem de fé, mas atrevo-me a dizer graças a deus pelo saber de esta ciência e pela amabilidade da sua assistência….quando a precisamos. Usamos o computador como máquina de escrever, sem saber ou entender o que acontece dentro da máquina. Essa tarefa é dos técnicos que me assistem, especialmente os de uma empresa da que sou cliente faz mais de seis anos, e dos seus técnicos que estão alertas dia e noite, como me consta.
Agradeço a PcMédic, aos do Aventar e aos do Estrolabio, todas as assistência que me tem emprestado. Faz-me lembrar essa frase de Marx: a cada uno conforme as suas necessidades, de cada um, conforme as suas capacidades
Obrigado!
Prof. Doutor Raúl Iturra
Catedrático do ISCTE-IUL, do Collège de France, membro do Senado da U de Cambridge, UK e outras tantas academias que não permitem que eu não assista a um convite ou a um júri….
Os técnicos informáticos são a nossa bênção…

Deixar uma resposta

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.