Novamente os ajustes directos: uma boa notícia

O assessor que assina com o nome fictício mas pretensamente real Miguel Abrantes (ó “Miguel”, quando é que deixa de aprovar só os comentários que lhe interessa?) foi exímio a bramar aos céus por achar que o jornal do “amigo Oliveira” tinha sido injusto na forma como a questão dos ajustes directos foi colocada. A coisa não é assim tão linear, mas adiante.

Acontece que hoje há uma boa notícia. O ataque reforçado às obrinhas eleitorais não irá para a frente pela simples razão de, segundo Bernardino Soares, «o decreto de lei que aumenta os limites para autorização de despesas do Estado [ser] “ilegal” porque está baseado numa autorização jurídica do Orçamento que caducou no final de 2010» (ionline).

Fui confirmar e faz sentido. No novo decreto consta:

image

e a Lei n.º 3 -B/2010, de 28 de Abril é nada mais nada menos do que:

image

 

Espera-se pronta reacção por parte desse que assina por Miguel Abrantes.

 

Leituras: os textos sobre este assunto:

 

Trackbacks


  1. […] muito giro quando esses que assinam com nome fictício apresentam gráficos muito bonitos mas sem indicarem a fonte dos dados. É que a curva apresentada […]

Deixar uma resposta

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.