Palavras cheias de vento

Por incrível que pareça, existe a possibilidade de uma palavra não significar coisa nenhuma, o que é, evidentemente, uma contradição, porque significar faz parte da natureza da palavra.

Isso acontece porque, muitas vezes, as pessoas prescindem de pensar, acto que deveria preceder o de falar.

Assim, há palavras que ganham, por assim dizer, mais significado do que aquele que efectivamente deveriam ter, do mesmo modo que algumas pessoas são respeitadas sem o merecerem.

Esta notícia a propósito das irregularidades nas contratações a nível de escola não é uma novidade e não é inesperada e é a confirmação de que autonomia e descentralização não são, só por si, virtudes, do mesmo modo que a centralização não é, automaticamente, um defeito. Num país tão dado ao nepotismo, e mesmo correndo o risco de ser acusado de paternalista, vejo muitos perigos em descentralizar. Também por sermos um país em que a justiça não só tarda como não chega, a descentralização não me deixa descansado.

Os comentários dos representantes das associações de directores de escolas resumem-se, também, a produzir palavreado vazio, a fazer lembrar o pior de Maria de Lurdes Rodrigues: o facto de os casos serem “pontuais” perde importância se forem “graves” Por este andar, ainda acabamos a desvalorizar um homicídio só porque as pessoas não se dedicam mais à nobre tarefa de eliminar o próximo.

Comments

  1. rui esteves says:

    Um dos grandes problemas do nosso país é precisamente o nepotismo. Quantos incompetentes estão bem empregados porque militam no partido (seja ele qual for, que isto é tranversal a todos clâs políticos)?; porque são protegidos do senhor bispo?; porque numa loja qualquer os homens do avental assim decidiram?
    A descentralização e autonomia têm já uma boa expressão nas autarquias locais — só entra quem eles querem. Chegam a colocar nos requisitos, depois do óbvio (habilitações, experiência,etc), a naturalidade do candidato. Eu já vi um anúncio desses publicado no Diário da República. Uma Câmara Municipal do Alto Douro a seleccionar um engenheiro e no final lá vinha aquele “inocente” item da naturalidade. Como o candidato já estava escolhido e só havia um engenheiro com aquele perfil no concelho — pronto, foi ele o selecionado.

  2. Carlos says:

    A questão da descentralização não pode ser posta assim, ou tudo ou nada. Normalmente é bom descentralizar a execução, mas é sempre mau descentralizar o controle.
    Enquanto não percebermos que, nestas coisas, a melhor solução nunca será encontrada apenas entre o sim ou não, nunca chegaremos a lado nenhum.

Deixar uma resposta

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.