Saluto al Duce…

Já não existe qualquer dúvida. Sem o querer, os “mercados” alternam a compra das dívidas públicas e o abaixar dos ratings, com uma inconsciente aposta no fascismo.  Se a actual componente demo-liberal do ocidente acabar por ser responsabilizada – já está a sê-lo – por aquilo a que normalmente se chama de opinião pública, decerto subirão de tom, as vozes que clamam por uma solução forte que ponha cobro ás situações que quotidianamente são vividas pela outrora próspera Europa.

Ontem foi a vez da Alemanha ter sido desfeiteada na sua tentativa de venda de títulos, pois à usura não interessam lucros “marginais” de 1,98%. A avidez tem destas originalidades, preferindo-se espremer aquilo que já está seco, ao invés do jogo numa economia forte que ainda produz e é capaz de preencher os mais importantes mercados. De facto, a Alemanha está a sofrer uma evolução que já aponta para a futura prevalência daquilo que se designa por serviços, declinando o peso de uma indústria que fez a sua fortuna e a bem dizer, a sua desgraça no século XX.

Hoje vocifera-se abertamente contra a plutocracia, um termo retintamente fascista que  Mário Soares não hesita em utilizar. Não contem com paradas, uniformes, hinos e evocações de Césares. Não teremos um Hitler ou um Mussolini, mas sim um novo tipo de fascismo aceitável e que salva as aparências. Querem um nome?: Putin.

Comments


  1. Excelente análise prospectiva. Um dia alguém terá que dobrar os “mercados” e salvar as Nações. No limite, se a Europa persistir na deriva neotonta, aparecerá um Putin que o fará. É pena.

Deixar uma resposta

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.