Para Que Serve este Senhor?

As Sondagens Valem O Que Valem (E às vezes valem bastante)

O Presidente desta nossa Repúlica, senhor Cavaco Silva, teve agora uma queda significativa no agrado do Portugueses. O senhor chefe deste Estado recebeu por parte dos portugueses uma nota negativa (6,4%) e as suas declarações sobre o valor das suas pensões não chegar para pagar as despesas terá sido uma das razões que explicam este acontecimento. O homem abriu a boca sem ter ninguém por perto que o acalmasse e … estragou a pintura.

Sobre este assunto, diz-se o senhor Medeiros Ferreira  “muito preocupado, porque o Presidente é essencial para regular o normal funcionamento das instituições”(não sei muito bem o que isto quererá dizer), acrescentando ainda que o Presidente da República tem “falta de sentido político e estratégico”(isto já sei o que quer dizer e é totalmente verdade).

Há quem considere a situação “perigosa” dado que “pela primeira vez na história democrática deste país, temos um governo completamente à solta”(também não sei o que isto quer dizer, nem sei como o PR o prenderia, mas isto são palavras de um comentador político).

A sondagem, mostra ainda que o PS e o PSD estão cada vez mais próximos um do outro e que, se as próximas eleições legislativas fossem hoje, o PSD voltaria a vencer com 37,5% das intenções de voto. Mais de sete pontos acima do segundo classificado, logo com alguma vantagem que eu diria até, confortável.
Mas no fundo, para que serve um Presidente da República?
Este não regula (o funcionamento das instituições), não prende (o governo, já que este, dizem que está à solta), não tem solidariedade para com o povo (recebe mais de dez mil euros e entende que é pouco, comparando o que recebe com o comum dos mortais do seu País), não nos defende (em tempos o seu povo foi insultado numa cerimónia oficial de um País europeu, e estando presente, não se manifestou) e às vezes parece que não sabe o que diz, ou como o dizer.
Renovo a pergunta, para que serve um Presidente da República? Serve para decorar o nosso País? A ser assim, há maneiras bem mais baratas de o fazer e que duram uma vida inteira, principalmente nesta altura de forte crise social, moral, económica e financeira.
Procedamos então!

Comments

  1. ainda penso says:

    Nem para decorar. O Sr. PR é feio que se farta, poupem-nos. Aquilo assusta.


  2. Neste momento complexo da vida do País, o Presidente da República será a única entidade que nos poderá vale em caso de necessidade séria. Não tem possibilidades de prender Passos Coelho, nem sequer o Relvas, não nos defende como deveria, diz coisas inconvenientes e não fica bem numa estante – tudo verdade, dou-lhe razão.

    Mas se Portugal vier a passar pela aflição que a Grécia está agora a passar e se o País precisar de alguém que lhe valha, que seja interlocutor interno ou externo, que possa decidir se demite este governo ou não – enfim, quando precisar de um Presidente em exercício, é com Cavaco Silva que se terá que contar.

    Por isso, mesmo que me custe (não votei nele), acho que deveremos dar-lhe tréguas e esperar que mantenha a respeitabilidade da função e que consiga agir lucidamente se for caso disso.

    É a minha opinião.

  3. chatice_tuga says:

    http://diariodigital.sapo.pt/news.asp?id_news=558026

    A Comissão Europeia equaciona normalizar a cura com químicos (fosfatos).
    Cabrões!!!

  4. Falcão says:

    Caro José Magalhães,

    Se for ESTE presidente da república, concordo que não serve para nada.

    Se for O presidente da república… bem, deve estar a par do que fez o presidente da Islândia quando o FMI quis intervir como de costume com a fórmula já usual.

    Essa é a diferença fundamental… ter espinha dorsal para ser presidente de um Povo.

    É a minha opinião.

  5. marai celeste ramos says:

    Depois da conversa de pé d’orelha ontem de um senhor ministro de quem tanto se esperava mas se duvida, depois deste PR ter sido maltratado por um sr que governa os açores há décadas e nunca mais sai porque aquele tacho dá direito a querer ser candidato a PR, como consta, mesmo que não se goste deste PR, todos tem obrigação de saber que, oficialmente, não poderia nem deveria fazer o que fez deante das TV. E se o PR não soube impor os seus direitos pois não é só para ele que se olha, mas oara o representante do país, é certo, depois de ter sido, mais uma vez, enxovalhado pelo presidente de um paiseco europeu qualquer, porque até novas eleições é ele que nos representa (por muito mal que seja), deixemo-lo, já que tantos “gajos” que o rodeiam por direito (??) , nem um só lhe “diz ao ouvido” como comportar-se (ou não) em certas ocasiões protocolares (para que servem os conselheiros todos é só tacho pró curriculo ??) – deixemos o senhor em paz – façamos todas as caricaturas desenhadas como se fizeram sempre (Bordalos ainda há muitos) mas nem a nós fica bem fazê-lo em público de forma imprópria já que até aquela fotografia a comer bolo rei era mais eloquente do que palavras. Não é aguentar bico calado e amochar, é claro, mas não perder, também, o “norte”. Há tanta gente a escrever tão bem, neste aventar, que se percebe tão bem onde quer fazer entender o quê, há quem desenhe e fotografe tão bem, porquê então não subir o tom de crítica acérrima cmom a de ontem com aquela composição fotográfica de ontem, e não ofender as própriaas palavras que se usam ?? Até em programas de futebol se faz isso, de muito interessantes cartoons, e não creio que alguém ganhe, para si própro, nada até porque vai ter de aturar quem é quem e está onde está e que, pelos vistos, não pode ser desalojado nem pelos inquéritos de popularidade, e muito menos “avacalhando” o sujeito. MAs quem baixa de nível??? e Merkel e o sr dos $$ de bruxelas e o sr que fala de pé a cir em cima do outro a concencê-lo de não sei quê ?? – temos tantos exemplos a caricaturar – não batam (assim) no ceguinho. Porque não “caracterizar” os transeuntes que se manifestam quando inquiridos, quando dizem coisas tão sentidas e inteligentes e simples, mas escondendo o seu rosto, e inventando outro, deixando, as respostas ? Já vos vi publicar caricaturas assim. Não iríamos todos perceber sem usar formas tão baixotas de o fazer ??? Não serão certos “grafiteiros” mais interessantes ao pintar parêdes ? O PR xateia-me de morte desde 1986 e tenho boas razões para isso, mas não seria eu capaz de formas que acho impróprias – Não somos gregos embora tenha adorado a Grécia e só copmpete aos gregos ser o que puderem. Acabei de ver mais uma vez reportagem BBC sobre aqule ano da Syria e a degradaçao a que chegou após um ano de querer agaram o que já conquistámos desde 1974 – Brandos costumes ?? NÂO NÂO, mas educados ?? SIM SIM – ordinários NÂO NÂO ??? Hoje fui, depois das 21 H, a uma Assembleia de Junta de Freguesia como reunião preparatória para se discutir como intervir depois a outros níveis, sobre o problema de alteração das “rendas de casa” – é de facto um emaranhado de situações directas e subterrâneas, de lixar os “cá de baixo” mas incluindo alguns senhorios que, como os locatários, têm problemas complicados e já há muito pouco tempo na TV houve frente a frente senhorio-locatário – a dada altura, até disse um palavrão (de pêso médio) mas com boa cára e voz bem colocada e raiva q.b. , até os presentes se riram, o que adorei é claro. Se calhar desta vez “acertei” mesmo que tenha sido, nestas circunstãncias, a 1ª vez que o fiz – está feito e embora de forma imprópria, bateu na mouche, Ninguém interessa ninguém nem ouxa para seu lado onde a “forma” de o fazer pode ter sinal contrário

  6. Zé Carioca says:

    Quando abre a boca aparecem sempre muitos senhores a fazerem o favor de nos explicar o que é que ele afinal queria dizer, logo Portugal não tem um Presidente tem sim um ORÁCULO.

  7. MAGRIÇO says:

    Em alturas de crise aparece sempre quem suspire pela monarquia. A monarquia não é solução para coisa alguma: não passa de entretenimento para aspirantes a fidalgos que não perceberam que a mancha azul na camisa não era sangue mas tinta da caneta.
    A República não é o problema: são os maus republicanos. Mas, ao menos,
    podemos escolher melhores. Na monarquia, o problema é-nos imposto sem direito a devolução do material estrado. E os indefectíveis defensores da monarquia ainda não perceberam que o defeito não está no sistema mas em quem o representa. Passos Coelho
    não seria diferente se tivesse sido eleito numa monarquia, nem Cavaco Silva teria um desempenho melhor se fosse rei em vez de presidente. O bom senso é uma boa coisa e todos deveriam ter um pouco…

  8. MAGRIÇO says:

    Leia-se “material estragado”.

Deixar uma resposta

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.