25 poemas de Abril (IV)

 

As colunas partiam de madrugada

 As colunas partiam de madrugada

Para o norte partiam para a morte

Partiam de Luanda flor pisada

Levavam morte de Luanda para o norte.

 

De Luanda partiam flor pisada

Colunas que levavam.

Luanda para o norte para a morte

De Luanda partiam madrugada.

 

 De Luanda madrugada para o norte

As colunas partiam

Levavam de Luanda a flor pisada

Para a morte do norte para a morte.

 

Partiam de Luanda madrugada

Colunas para o norte

Levavam morte de Luanda

Para o norte da morte flor pisada.

 

 De Luanda partiam as colunas

Para o norte partiam flor pisada

De Luanda levavam para o norte

A morte de madrugada.

 

 Partiam as colunas de Luanda

Levavam para a morte

A madrugada: flor pisada

Ao norte.

 

Manuel Alegre

Comments


  1. Sem rota, sem sul e sem norte,
    sem rumo, sem casa, sem ideais,
    caminhavam de noite para a morte,
    em nome da pátria e seus sinais.

  2. maria celeste ramos says:

    Tenho em casa muitas fotografias iguais a esta dete artigo – de 1961-1963 – iguais – devia dá-las a algum lugar que as estimasse para arquivo de interesse nacional – mas não sei aonde


  3. Reblogged this on Beto Bertagna a 24 quadros.

Deixar uma resposta

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.