Movimento Revolução Branca: a recuperação do cravo

O Movimento Revolução Branca assume-se como porta-voz de alguma revolta e de muitas preocupações e pretende passar à acção, nomeadamente através da Apresentação da Participação crime contra titulares de cargos políticos. É obrigatório, no mínimo, ler e reflectir.

Comments

  1. Eurocéptico says:

    Concordo na generalidade com os documentos e com a filosofia dos mesmos. Mas há uma coisa que eu não percebo. Porque balizarem-se os factos só entre 1998 e 17 de Maio de 2011?

    • Eurocéptico says:

      Não me respondem, porquê?

      • jorge fliscorno says:

        Então, mas isso terão que ser os promotores a responder.

        • Eurocéptico says:

          Exactamente.

          • António Fernando Nabais says:

            Eurocéptico, se os responsáveis resolverem passar aqui pela caixa de comentários, poderão responder-lhe. De qualquer modo, penso que a resposta a essa sua questão está nos materiais disponibilizados no “site”.

  2. Amadeu says:

    Concordo com 80% do que li, mas as coisas brancas como a cor da pele, produzem-me anticorpos, por defeito.
    Sendo tudo feito dentro do estado de direito … que revolução será esta afinal ?

  3. Isabel G says:

    Para mim, a coisa já começa mal… quando aparece, no meio de coisas que até parecem lógicas e nobres, a palavra donativo, já estragaram tudo!

    É por causa do dinheiro que a coisa está como está. Se continuarmos a resolver problemas com o mesmo meio que serviu para nos metermos neles, mesmo que haja muito boas intenções, estamos a gerar mais do mesmo!

  4. Eurocéptico says:

    Acho estranho que depois de já ter passado mais de uma hora, os autores ainda não tivessem dado qualquer resposta às questões colocadas pelos dois primeiros intervenientes. Aliás, se querem adesões, os assuntos devem ser bem esclarecidos, como pessoas de boa fé.

  5. maria celeste ramos says:

    Começar é preciso mas não demorar tempo demais – já bastam os tribunais – e divulgar e mobilizar –


  6. Esclarecimento sobre balizas temporais do coiso, ver aqui:
    http://www.mrb.pt/RESPOSTASperguntasFREQUENTESate_15.07.2012.pdf

  7. José Mário Cachada says:

    Boa noite! Compreendo os comentários mas de uma coisa podem estar certos o que nos move são bons sentimentos, já que somos pessoas de bem, gente que trabalha e que tem família, gente que vive o dia-a-dia com consideração e respeito por todas as pessoas humanas e que, como muitos portugueses, está cansada do estado das coisas em Portugal. Peço-vos, portanto, que não leiam nas entrelinhas porque, na verdade, nada lá está escrito. Assumimos, com coragem, esta “luta”. Dando a cara nos tribunais e numa conferência de imprensa, aberta a todos os que quiseram e/ou puderam participar. Sem reservas, tudo foi explicado, incluindo a questão das datas, que, como foi dito pelo António, poderá ser entendido pela leitura dos documentos insertos na “página” do movimento…

  8. chatice says:

    O termo “Governança” destrói automaticamente a validade da proposta, especialmente porque admite a perda de soberania em si mesma. Isto só pode ser uma brincadeira branca!!!

  9. chatice says:

    Olhe que não, olhe que não!!!

    A Nova Esquerda (marxismo cultural)

Trackbacks


  1. […] de responsabilização directa.  Outra frente, como escreve o Fernando, é ler e reflectir sobre o Movimento Revolução Branca. Duas ideias que poderão não ser muito mas é preciso começar por algum lado. Filed Under: […]

Deixar uma resposta

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.