Bilhete-postal da Terra

O monstruoso e metálico robô Curiosity já mandou para a Terra alguns bilhetes-postais da paisagem marciana. Ainda a preto e branco, vemos a cratera onde ele pousou…
O robô não levou nenhum bilhete-postal para Marte, pois neste planeta não há vida inteligente, nem anfitrião para receber qualquer presente que fosse oferecido com a melhor das boas intenções e em missão de paz do nosso planeta.

Mas numa coisa os dois planetas são parecidos: ambos têm crateras.
Não me quero referir às crateras naturais, que a Terra as tem em grande número e são belas, por sinal. Estou a pensar nas crateras provocadas por sucessivos bombardeamentos a mando do regime de Assad sobre Alepo, uma terra mártir… Só em dois dias já morreram 322 sírios.
Aqui na Terra, o planeta do Homem, onde há vida (muito) inteligente, há, contudo, desumanidade e maldade: aqui os homens são capazes de abater de animais abandonados pelos donos (Taiwan); aqui na Terra, ainda se amputam mãos aos homens que roubam e ainda se mata por apedrejamento homens e mulheres por sexo fora do casamento (Mali).

Aqui na Terra, ainda há brutamontes e homens rudes tal como na Pré-História.
Mas atenção! Na Terra, ainda há muito para descobrir. Tanto ou mais que no espaço! Pouco me importa o que há em Marte. Muito me importa o que se gastou com Marte. Muito me importa o que há a fazer aqui na Terra pelas pessoas… (isso é assunto para outro post, adiante).

Não é que se encontraram, mesmo cá, no minúsculo Portugal (visto de um qualquer satélite), na Herdade do Perdigões (Alentejo), 20 esculturas em miniatura feitas em marfim com 4500 anos? Diz-se que foi uma «descoberta única» em Portugal. Não é que as figurinhas têm “pormenores delicados” que surpreenderam os arqueólogos? Delicadeza…
Isto vem mostrar, não sou eu que o digo, que o homem pré-histórico não era assim tão rude e brutamontes como o cinema o quis pintar. As pequenas esculturas reforçam a ideia de “um grande grau de sofisticação e grande qualidade estética e de execução”.
Repito: as estatuetas descobertas no nosso Alentejo têm 4500 anos.
Apetece-me dizer: a fotografia evoluiu do preto e branco para a foto a cores; o Homem é dotado para as tecnologias e robôs e máquinas e afins; mas esse mesmo homem continua, em muitas situações, em demasiado número, a ser a mesma besta pré-histórica.

Parece que, muitas vezes, o coração do homem se perde numa cratera da Idade da Pedra…

Comments

  1. Maquiavel says:

    O que vale é que as crateras dos fundamentalistas islämicos que começaram a guerra civil na Síria näo se vêem do espaço…

  2. maria celeste ramos says:

    Aqui na terra ainda há homens que matam orogotangos do Congo, os mais belos animais da floresta, para lhe cortar aos mãos e as usar como amuletos – são animais sociávies e pela primeira vez vistos e estudados por uma bióloga que avabou por morrer à mão desses “animais” e que pela 1ª vez os estudou e publicou reportagem no Geographic magazine – matar os cães no canil ou usá-los drogados e martirizados para o circo coo leões e elefantes metidos em gaiolas, ou fazer toiradas sanguinárias ou caçar qualquer pássaro de migração para satisfação da sua bestialidade, é de homem

  3. maria celeste ramos says:

    E quando não têm mais nada para matar matam filhos e a mulher que lhos deu

  4. maria celeste ramos says:

    Ou escondem durante anos crianças em subterrâneo sem nunca ter visto a luz do sol e fazemlhe filhos e foi descoberto este mês nos países evoluídos da UE – hoens da tribu Sick

  5. maria celeste ramos says:

    Tribu Sick – em 2012 – ou rapazes que matam colegas e professores na universidade no país “pregoeiro” dos Direitos Humanos – qualquer animal não faz o que faz o Homem – ou dizima baleias e outros grandes mamíferos do mar como os japoneses que tanto são admirados – ou os nórdicos que fazem matança anual para FESTA de iniciação dos “rapazes” e chamam PIGs aos portugueses

  6. norma7 says:

    Há vida imteligente na Terra? Há controversias….
    Boa Sorte!
    Bjo Norma

Deixar uma resposta

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.