A batalha de Tânger


Postal antigo do porto de Tânger

Desde que fora conquistada em 1415, Ceuta era um “sumidouro de dinheiro”. Com o bloqueio terrestre imposto pelos marroquinos e abandonada pela sua população, “Ceuta tornou-se pouco mais do que uma grande e vazia cidade-fortaleza varrida pelo vento, com uma dispendiosa guarnição portuguesa que tinha que ser abastecida continuamente através do mar”. (LOPES, 1989, obra citada)

Ao crescente número de vozes que defendiam o seu abandono por Portugal, o Infante D. Henrique, principal defensor da política expansionista portuguesa, contrapunha a ideia da conquista de outras praças no Norte de Marrocos, nomeadamente de Tânger, para criar um enclave de maiores dimensões e prosseguir a expansão além-mar.

A possibilidade de Castela tomar Tânger precipitou os acontecimentos. Mas contrariamente ao que se passara com Ceuta, o ataque a Tânger foi deficientemente planeado e foi descorado o necessário secretismo a uma operação dessa envergadura. Para além disso, não existia uma motivação geral pela expedição, a qual implicava a impopular cobrança de mais impostos no Reino para o seu financiamento e o recrutamento forçado de soldados. O próprio transporte do exército foi resolvido com recurso ao frete de embarcações de carga a Castela e Aragão, não dispondo o país de uma armada preparada para apoiar eficientemente as tropas na batalha. No final, armada que saiu de Portugal era constituída por apenas 8.000 homens, número muito reduzido, tendo em conta que se estimava inicialmente que seriam precisos cerca de 14.000 para a expedição.

A descrição que se segue narra os acontecimentos ocorridos desde a saída das forças portuguesas da praça de Ceuta no dia 27 de Agosto de 1437 até ao seu resgate na praia de Tânger no dia 19 de Outubro do mesmo ano.

Gravura de Tanger

Gravura de Tânger no séc. XVI da autoria de Braun and Hogenberg

A falta de secretismo que rodeou a expedição permitiu ao governador da cidade, Salah Ben Salah, e ao sultão de Fez, Abu Zakarya Yahya al-Wattasi, a quem os portugueses chamavam Lazeraque, a organização das suas defesas. “As fortificações foram melhoradas, as guarnições reforçadas e as passagens nas montanhas em volta de Ceuta seladas” (LOPES, 1989, obra citada). Tânger possuía uma guarnição de 7.000 homens, aos quais se juntaram cerca de 600 besteiros Andalusinos enviados pelo Reino de Granada. Para além destes, há notícia de uma grande mobilização de voluntários por todo o Reino, que afluíam a Fez com determinação de combater o invasor português.

Para evitar que a partir do Sul se organizasse um qualquer ataque contra as forças portuguesas, D. Pedro de Menezes, governador de Ceuta, mandou o seu filho Duarte de Meneses fazer um raid preventivo contra a cidade de Tetuan, o qual parece não ter afectado significativamente as forças marroquinas.

Caminho

Percurso das forças portuguesas entre Ceuta e Tânger

Inicialmente o plano de D. Henrique era extremamente ambicioso, senão completamente irrealista, já que previa fazer o percurso entre Ceuta e Tânger pela costa, conquistando no caminho Alcácer Ceguer. Mas quando a armada portuguesa chega a Ceuta no dia 26 de Agosto os mouros sabem logo da sua presença e preparam a defesa do acesso a Alcácer Ceguer. No dia 27 as forças portuguesas iniciam o seu trajecto, com um destacamento avançado de 1.000 homens comandado por João Pereira, fidalgo da casa de D. Pedro, e os restantes soldados na retaguarda sob as ordens do infante D. Henrique. Junto ao local de Almarca dá-se um primeiro confronto e verifica-se que o caminho do litoral se encontra fortemente defendido, o que obriga os portugueses a voltar para trás.

As tropas permanecem nos arredores de Ceuta até à manhã do dia 9 de Setembro. Durante este tempo é decidido que o infante D. Fernando partiria com a armada juntamente com 2.000 homens, enquanto D. Henrique seguiria por terra, fazendo o caminho por Tetuan, num total de cerca de 110 quilómetros, levando consigo o exército, composto por 2.000 cavaleiros, 1.000 besteiros e 3.000 peões. Nesta força incluíam-se os 300 ginetes de Rui de Sousa, alcaide-mor do castelo da Vila de Marvão, e seu filho Gonçalo Rodrigues, uma espécie de tropa de elite de intervenção rápida, com grande mobilidade. “… Consistia numa cavalaria ligeira cuja mobilidade se adequava à função de batedor e à prática da “guerra guerreada”, ou seja, o raid militar feito no território inimigo com o objectivo de roubar bens e animais, destruir culturas e emboscar tropas rivais em movimentação”. (MONTEIRO, 2003, obra citada)

Tânger vista aérea

Vista aérea da cidade de Tânger, sendo visível, ao fundo, a cidade de Ceuta

Na segunda-feira dia 9 o exército põe-se em marcha, levando na sua dianteira os 300 ginetes de Rui de Sousa. A vanguarda é comandada por D. Fernando, conde de Arraiolos. D. Fernando de Castro, alcaide-mor da Covilhã, comanda a ala direita e o seu homónimo alcunhado de “o Cegonho”, vedor da casa do infante D. Henrique, comanda a ala esquerda. D. Henrique comanda o centro das forças. No dia seguinte o arraial português é montado junto às muralhas de Tetuan e no dia 11 na Atalaia do Leão, no chamado Vale de Angra. No dia 12 as tropas chegam a uma zona muito povoada e rica, onde os portugueses saquearam uma aldeia chamada Fonte dos Adais, matando alguns dos seus habitantes e fazendo outros cativos.

Desembarque

Localização do arraial português na cidade de Tânger

No dia 13 de Setembro chegam finalmente a Tânger, onde a armada já os aguardava, estabelecendo o arraial numa colina situada a Poente da cidade, em situação elevada em relação à mesma, onde hoje se localiza um bairro denominado Marshan. Isto apesar de D. Duarte ter aconselhado D. Henrique a montar o arraial junto ao mar, para que as forças pudessem beneficiar do apoio da armada ancorada na praia. Entre o dia 13 e o dia 19 os portugueses ocuparam o seu tempo a montar o arraial, a garantir o controlo de poços circundantes e a transportar abastecimentos e equipamento militar, nomeadamente artilharia, a partir dos barcos. O arraial era de forma circular, rodeado por um fosso, estacaria e uma paliçada de madeira com cerca de 2 metros de altura, reforçada exteriormente por paveses, ou escudos metálicos.

Mas assim que os portugueses chegaram a Tânger a contra-informação dos mouros começa a funcionar, espalhando o boato de que os habitantes da cidade estariam a fugir com medo. “Esta falsa notícia, espalhada pelos mouros, tinha como objectivo enfraquecer e dispersar as forças portuguesas, forçando um grupo delas a combater. Os mouros atraíam os portugueses para ciladas por eles preparadas, e os portugueses iam atrás deles e atacavam. Neste combate morreram alguns cristãos, ficando feridos outros, como foi o caso do Conde de Arraiolos e o Capitão Álvaro Vaz de Almada, feridos em uma das pernas e um dos braços, respectivamente”. (MOREIRA, 2009, pág. 72-73)

Assalto

Principais ataques portugueses para tomar a cidade

O primeiro ataque à cidade deu-se no dia 20 de Setembro, durou 5 horas, e foi um fracasso, já que não se conseguiram escalar os seus muros pelo facto de 3 das 4 escadas utilizadas não terem altura suficiente, o que demonstra a falta de cuidado no planeamento da operação. As forças são divididas em 5 grupos, 4 dos quais atacam as muralhas do lado Poente, com recurso às referidas escadas e a artilharia. São comandados pelo infante D. Fernando, pelo conde de Arraiolos, pelo bispo de Évora, D. Álvaro de Abreu, e pelo marechal do reino e da expedição, Vasco Fernandes Coutinho, conde de Marialva. O 5º grupo, comandado por D. Henrique, atacou a Porta da Alcáçova, do lado Norte, com recurso a duas mantas, presume-se que para tentar queimar a porta. “Uma arma de grande utilidade para os soldados que se aproximavam da muralha era a manta. Esta peça era formada por tabuados de madeira grossa, com pegas interiores para facilitar o seu transporte, que garantiam um resguardo seguro dos ataques da muralha aos soldados”. (DUARTE, 2003, obra citada)

55

As muralhas de Tânger vistas do seu lado Poente

Após mandar retirar os 5 grupos, D. Henrique ordenou a Álvaro Vaz de Almada, capitão-mor da frota real, que fizesse fogo de artilharia, o qual se mostrou pouco eficaz, já que os projécteis de granito utilizados não provocavam danos na alvenaria das muralhas. Para além disso, os besteiros Andalusinos ao serviço de Salah Ben Salah acabaram por afastar os artilheiros portugueses do local. No final do ataque tinham morrido 20 portugueses e 500 ficaram feridos.

No seguimento deste fracasso D. Henrique encarrega D. Duarte de Menezes de voltar a Ceuta, onde seu pai D. Pedro de Menezes se encontrava às portas da morte, e trazer “escadas e bombardas grossas” (MOREIRA, 2009, pág. 75). Durante os 10 dias que se seguiram ocorreram diversas escaramuças entre cavaleiros portugueses e mouros nos campos circundantes da cidade, com vários mortos e feridos de ambos os lados.

No dia 30 de Setembro chegam os primeiros reforços enviados pelo sultão de Fez. De acordo com a cronica de Rui Pina eram constituídos por 10.000 cavaleiros e 90.000 peões, número considerado muito exagerado e destinado a exaltar a coragem dos portugueses face ao inimigo. D. Henrique envia os 300 ginetes de Rui de Sousa ao seu encontro e 50 são de imediato aniquilados, tendo os restantes regressado a muito custo, o que provocou grande consternação nas hostes portuguesas.

Tânger vista do Marshan

Tânger vista da colina do Marshan, arraial das tropas portuguesas

Os reforços marroquinos instalam-se num cabeço que os cronistas denominam “cabeço da serra” e nesse mesmo dia 30 de Setembro D. Henrique envia uma força de 4.300 homens, constituída por 1.500 cavaleiros, 800 besteiros e 2.000 peões, para os combater, mas os mouros permanecem no seu local elevado, levando os portugueses a recuar desanimados. No dia seguinte os portugueses voltam a atacar, sob o comando do infante D. Fernando, sem grandes resultados práticos.

No dia 3 de Outubro são os mouros que atacam. As forças portuguesas conseguem deter a investida e contra-atacam com o seu flanco esquerdo comandado por Álvaro Vaz de Almada e Duarte de Menezes, levando os mouros a iniciar uma retirada. Nessa altura sai um destacamento muçulmano das muralhas, que se dirige ao arraial português, procurando forçar os lusitanos a recuar. Mas o arraial resiste sob o comando de Diogo Lopes de Sousa, mordomo-mor e conselheiro do Rei, e os mouros retiram para dentro das muralhas. Esta vitória acalenta os ânimos dos portugueses, que irão tentar de novo o assalto à cidade.

Tânger vista de Nascente

Tânger vista do lado Nascente

O assalto dá-se no Sábado dia 5 de Outubro do lado Nascente das muralhas, com recurso a escadas e uma bastida, referida na crónica como “castelo de madeira”. Na bastida, pré-fabricada e montada no local, revestida com peles de animais para evitar que fosse queimada, foram colocados besteiros e arcabuzeiros que tentavam provocar o máximo de danos nos defensores colocados no topo das muralhas. D. Henrique comandou pessoalmente o assalto às muralhas, encarregando o infante D. Fernando, o bispo de Évora e D. Fernando, conde de Arraiolos, de proteger os seus flancos dos ataques provenientes de surtidas da cidade e de tropas estacionadas fora de muros. O assalto volta a ser um fracasso, tendo as forças portuguesas sido afastadas através de forte fogo de artilharia e de alcatrão e linho a arder, que destruiu o próprio “castelo de madeira”. É dada ordem de retirada para o arraial.

Nos dias 6 e 7 chegam reforços de Ceuta, compostos por munições e novos engenhos de madeira, que são desembarcados na praia e posicionados frente às muralhas para se preparar um novo ataque à cidade. Mas esse ataque não se viria a realizar.

A partir do dia 8 instala-se o caos nas hostes portuguesas. Chega a notícia de que o sultão de Fez Abu Zakarya al-Wattasi, o Lazeraque, está prestes a chegar com novos reforços, que incluíam tropas dos reis de Marraquexe, Sijilmassa e mais 5 reinos, num total de 60.000 cavaleiros e um número indeterminado de peões, número esse que os historiadores voltam a considerar como muito exagerado, ou os portugueses nem sequer poderiam esboçar a mínima resistência.

Retirada

Ataques mouros e retirada portuguesa

As tropas portuguesas retiram para o arraial e para os navios, ficando apenas junto às muralhas a cavalaria comandada por D. Henrique, acompanhado do marechal da expedição, Vasco Fernandes Coutinho e do capitão Álvaro Vaz de Almada, que protegiam a artilharia.

No dia 9 o exército do sultão ataca, vindo de todas as direcções. Os mouros apoderam-se de todas as peças de artilharia e demais engenhos de madeira e obrigam à fuga da cavalaria para o arraial, que é cercado. Os ataques ao arraial intensificam-se, provocando a debandada geral das linhas defensivas portuguesas, que se refugiam no palanque, construído próximo da praia poucos dias antes, trazido em peças pré-fabricadas. “Um palanque é um castelo de madeira, móvel, onde se reuniram os soldados para resistir melhor aos muçulmanos em Tânger. Normalmente era uma estrutura muito alta, e composta por soldados das mais diferentes categorias. Podia haver besteiros, artilheiros, lanceiros. Era uma estrutura defensiva”. (MOREIRA, 2009, pág. 78-79)

O Cerco de Arzila 2

O palanque de Arzila nas Tapeçarias de Pastrana

A mudança das defesas portuguesas do arraial para o palanque tem a vantagem de as colocar mais próximo da praia e reduzir a área a defender, mas trás outros problemas consigo, um dos quais é o da falta de abastecimento de água, já que o arraial tinha um poço no seu interior. O moral das tropas é nesta altura muito baixo e “muitos já tinham desistido de lutar”. (MOREIRA, 2009, pág. 80)

Na quinta-feira 10 de Outubro os mouros iniciam o seu primeiro ataque ao palanque. “O Infante D. Henrique constata que não tem força militar suficiente para combater e entra em desespero, começando a rezar e a chorar.” (MOREIRA, 2009, pág. 80) O ataque dura 4 horas e os portugueses resistem. No dia 11 acabam os mantimentos. No dia 12 Salah Ben Salah oferece aos portugueses a possibilidade de saírem em segurança mediante a entrega de Ceuta e o abandono de todas as armas no local. Do lado português as negociações são realizadas por Rui Gomes da Silva, alcaide-mor de Campo Maior, que não chega a acordo. Perante a recusa dos portugueses, o palanque é atacado com lenha e alcatrão a arder. Após resistirem 7 horas ao ataque, sob o comando de D. Fernando de Castro, “O Velho”, fidalgo da casa do Rei, os portugueses voltam a reparar o palanque. “No meio do combate, o Bispo de Ceuta animava as tropas com sermões, elogios e absolvição”. (MOREIRA, 2009, pág. 81)

11

A medina de Tânger

No dia seguinte, Domingo 13 de Outubro, os mouros apoderam-se dos poços que os portugueses utilizavam nas redondezas e envenenam-nos, mas felizmente chove e todos bebem a água da chuva. Os soldados começam a matar os seus cavalos para se alimentarem. A rendição estava próxima.

 “De domingo até quarta-feira, tratou-se dos termos do acordo que se fez para deixar Tânger, que são os seguintes: Os mouros deixavam ir livremente os portugueses, apenas com a roupa que traziam vestida; Todo o material militar, assim como os cavalos e todo o equipamento militar que estavam no arraial eram dados aos mouros; A cidade de Ceuta tinha de ser entregue aos mouros, assim como todos os mouros que aí estivessem cativos; D. Duarte teria que estabelecer com eles, por mar e por terra, paz definitiva, assim como com todos os mouros da Berberia; Salah Ben Salah dá seu filho como garantia de segurança de embarque dos cristãos, sem que haja confrontos; Como garantia da segurança do filho ficam reféns Pedro de Ataíde, João Gomes de Avelar, Rui Gomes da Silva e Aires da Cunha; Como garantia da entrega de Ceuta, assim como todos os seus cativos, ficou refém o Infante D. Fernando.” (MOREIRA, 2009, pág. 82-83)

47

Porta da Casbah de Tânger

Acordados os termos da rendição, no dia 19 de Outubro o palanque foi deslocado para junto da praia e o arraial finalmente estendido até ao mar. “Por ordem do Infante D. Henrique, os soldados começam a embarcar, ficando somente aqueles que protegeram o atalho que dava para o palanque. Quem ficou responsável por este combate defensivo foi o capitão Álvaro Vaz de Almada e o marechal da expedição. Juntamente com eles foram «huma copia de besteiros»”. (MOREIRA, 2009, pág. 83)

No entanto, o embarque das tropas foi conturbado porque “muitos portugueses cobraram dinheiro aos outros soldados para que estes pudessem entrar nos navios” (MOREIRA, 2009, pág. 83), e alguns mouros atacaram os portugueses que embarcavam, por transportarem consigo as suas armas, o que motivou momentos de pânico, com soldados portugueses a atirarem-se à água para tentar chegar aos navios. No Domingo dia 20 de Outubro todos os soldados tinham sido resgatados.

26

O Baluarte do Caranguejo em Tânger

Dois aspectos merecem uma referência, pelo facto de não serem claros nos vários textos consultados:

O primeiro aspecto é que a referência às baixas sofridas por Portugal é contraditória nas crónicas de Rui Pina e de Frei João Álvares. Enquanto para o primeiro os portugueses sofreram 500 mortos e 1.000 feridos, para o segundo o número de portugueses que se refugiou no palanque a partir do dia 9 de Outubro não ultrapassava os 3.000, o que significa que cerca de 5.000 teriam sido mortos, desertado ou eventualmente sido retirados feridos durante a batalha.

O outro aspecto prende-se com a localização precisa do palanque, a qual não é estabelecida em concreto nas fontes, mas que pensamos terá ocorrido mais próximo da praia do que a do arraial. É um facto evidente nas crónicas que o arraial foi abandonado a partir de 9 de Outubro, refugiando-se as tropas no palanque. Nos textos não existem referências ao palanque antes dessa data e a partir dela o termo arraial passa a ser referido apenas de forma esporádica. Para além disso existe uma menção a que nessa altura a base dos portugueses “foi deslocada e a sua área reduzida”.

Outros factos corroboram esta teoria _ O facto de a colina de Marshan se localizar a cerca de 2 quilómetros da praia, o facto de o palanque ter sido montado no dia 6 de Outubro com recurso a peças desembarcadas na praia, a própria menção de que o embarque das tropas foi protegido ao longo do atalho que ligava o palanque aos navios e a referência a que o palanque foi deslocado para junto da praia no dia 19 de Outubro, “estendendo-se o arraial até aos navios” pressupõe que de facto a localização do palanque não coincidiu de forma alguma com a localização original do arraial, mas sim junto à praia.

Tangier1a2

A Praia de Tânger pintada por David Mynett

Como balanço da Batalha de Tânger refira-se que, à deficiente preparação da expedição correspondeu uma deficiente organização e coordenação das operações militares por parte de D. Henrique, que não tinha uma estratégia delineada para o assalto à cidade, levando a cabo acções casuísticas sem resultados eficazes no terreno. Refira-se também que, mesmo após ter consciência de que a conquista da cidade era irrealizável, D. Henrique insistiu na continuação da operação, com evidentes custos desnecessários para os portugueses, facto que o próprio cronista Rui Pina refere.

Bibliografia:

CRUZ, Abel dos Santos . “A Nobreza Portuguesa em Marrocos no Século XV (1415-1464)” . Faculdade de Letras da Universidade do Porto, 1995

DUARTE, Luís Miguel . “África” . Nova História Militar de Portugal . Circulo de Leitores . Lisboa, 2003

LOPES, David. “A Expansão em Marrocos”. Editorial Teorema, Lisboa, 1989 (Publicação original BAIÃO, António, CIDADE, Hernâni e MURIAS, Manuel . “História da Expansão Portuguesa no Mundo, 3 vols. Editorial Ática. Lisboa, 1937)

MONTEIRO, João Gouveia . “Estratégias e Tácticas Militares”Nova História Militar de Portugal . Circulo de Leitores . Lisboa, 2003

MOREIRA, Hugo Daniel da Silva Rocha Gomes . “A Campanha Militar de Tânger (1433-1437)” . Faculdade de Letras da Universidade do Porto, 2009

MYKITATA . “1437 – Um desaire no Magreb” . Les Enfants Terribles, 4 de Junho de 2011

PINA, Ruy de . “Chronica d’el Rey D. Duarte” . Gabriel Pereira, editor, Lisboa, 1901

Comments

  1. Gostei muito. Será que isso vai cair no ENEM ein? Tô querendo ler tudo de história. AMEEEEEI. Me visita e comenta? Se seguir, eu sigo de volta🙂

  2. maria celeste ramos says:

    visitei marrocos de carro entrando por Tanger até casablanca e voltei para trás até Marraqueche + a 3ª cidade Imperial de FEZ – atravessei o atlas e a garganta do Todra e segui pelo flanco oeste passando por Tetouan e Quekaouan + ceuta (ZEBTA) onde vi na esquina de uma rua uma placa toponímica em azulejo português arteNova escrito Rua Luis de Camões – visitel Marrakeche a a praça D’Ja ElçFna e os encantadores de Serpentes e a quinquilharia fantástica e creio que nesta praça há 3/4 anos deitaram bambas e destruiram locais onde estive – visitei AlcácerQuibir o local da Batalha que estava como no tempo dela – sem nada – só espaço histórico
    Adorei a gastronomia fantástica e a construção árabe que lembrava em parte o nsso alentejo e algarfe, adorei os souks de camelos e os djelabah e trouxe cerâmica linda de safi, coisas de latão trabalhado e um cobertor de pêlo de camelo natural lindo e quente – adorei tudo e fui sempre bem tratada quando me prguntaram e respondi que era potgusa – e visitei Mulai Idriss (árabe) replicada pelos romanos com Volubilis vendo-se uma cidade da outra – lindo – ambas situadas em pequenas elevações – nunca destruiram nada de portugal nem espanha nem frança – e dorei os rios sêcos (oued) + etc – cheirei PORTUGAl em muitos lugares – é bom viajar e saber o mínimo de história dos lugares a visitar e mais uma vez digo que o que o nosso olhar vê está em função do que sabemos (aprendemos cognitivamente) e sentimos com uma dimensão psiquica e espiritual 8se a tivermos) – adorei Marrocos os cheiroe e as cores e o barro e a areia e o deserto e os camelos e os burrinhos que por caso os árabes aqui introduziram pois que, português, só lindo e grande burrinho de Barrancos que tendo estado em vias de extinsão é finalmente protegido e usado com crianças com deficiências mentais (como se usa o calalo também) – A muralha de Fez que abraça toda a Cidade é lindíssima e branca de cal e ao pôr do sol fica toda de oiro – visitei a Medina é claro e ao lado da bosta do burro havia no chão as maravilhosas laranjas – e comi o que tinha a comer e nada me sucedeu (talvez por acaso) – adorei o mundo árabe do norte de áfrica que não temnada a ver com Cordova e Granada e Alhambra e Generalife – o génio árabe e a riqueza deslumbrante – de árabe ?’ vi Istanbul e adorei – é Lisboa do oriente e etc

  3. Amadeu says:

    Hoje as guerras fazem-se no dito mercado de capitais. Bem mais difícil distinguir quem é quem.

Trackbacks

  1. […] a decisão de manter Ceuta como domínio luso, em 1416 D. Henrique recebeu os cargos de vedor e superintendente dos negócios […]

Deixar um comentário

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s