Povo que ainda lavas no rio

Raras vezes vejo televisão e mais difícil ainda é sentar-me, muito atenta, a ouvir e a ver alguma notícia.
A SIC apresentou ontem uma reportagem intitulada  “A Espuma dos Dias”, mostrando que em Portugal ainda há povo que lava no rio ou no lavadouro público, em troca de escassos euros à medida do comprimento de tapetes e edredons.
Este país ainda existe. Gente que todos os dias luta para sobreviver. Conhecemos a Maria do Céu (77 anos), a Olívia (89 anos), a Lurdes (62 anos que disse que a vida tem mais coisas más que boas…e que a gente não quer riquezas) e outras mulheres que metem mãos e pés na àgua fria, faça frio ou calor. Uma delas disse que adorava lavar no rio (a roupa ficava melhor),  mas que dava cabo dela… Vimos que lavam em pedras talvez centenárias, que ainda se encontram colocadas no meio da corrente.
Elas são de Ovar (Ribeira das Luzes), Vila Franca de Xira, Lisboa e outros lugares onde a SIC não esteve.
Mesmo na minha vila (concelho de Santa Maria da Feira) eu encontro mulheres que lavam, não no rio onde pensei que já não o fizessem em lado nenhum, mas no lavadouro público, há pouco tempo melhorado.
Num tempo em que, não obstante quase todos temos máquina de lavar a roupa, não estranha que se continue a lavar no lavadouro ou no rio: até “o sabão está caro”.
Esperemos que estas sejam as últimas mulheres a fazê-lo…
Povo que lavas no rio, o fado cantado por Amália Rodrigues com letra de Pedro Homem de Mello e música de Joaquim Campos:
Povo que lavas no rio
Que talhas com o teu machado
As tábuas do meu caixão.
Pode haver quem te defenda
Quem compre o teu chão sagrado
Mas a tua vida não.
(…)

O nosso fado: a sobrevivência.

Comments

  1. Amadeu says:

    Vi a reportagem e fiquei triste e abismado como quando era miudo e via rapazes da minha idade descalços e aparentemente com fome, a pedirem de mão estendida, no mercado em frente à minha casa.

    Para aliviar, aqui vai a paródia da Hermínia Silva ao dito poema:
    Povo que lavas no rio
    Que talhas com o teu machado
    As tábuas do meu caixão.
    Mas que grande confusão,
    meu Deus,
    Que grande tormento.
    Como é que as lavadeiras são carpinteiras ao mesmo tempo ?

  2. Povo que lavas no rio,
    que talhas com teu machado
    as tábuas do meu caixão…

    Mas que grande confusão:
    Como é que as lavadeiras
    podem, ao mesmo tempo,
    ser carpinteiras?

    Excerto (de memória) de uma rábula da, já falecida, Hermínia Silva.

  3. ca pedra meu meu says:

    as pedras têm todas milhões de anos…excepto nos açores se sairem de um vulcão..

Deixar uma resposta

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.