Chega de Relvas!

Os acontecimentos no ISCTE, escola onde me licenciei, geraram alargada polémica; nomeadamente quanto ao conceito de ‘liberdade de expressão’.

Tudo gravitou à volta de um ministro, Miguel Relvas, cujo falseado curriculum estudantil e o comportamento de governante e cidadão justificariam, há muito, o afastamento do governo – Passos Coelho, por força da mobilização do PSD de Norte a Sul (Seguro segue idêntica via), como diz o povo “tem o rabo preso” e consequentemente falta de coragem de o demitir.

A “democracia portuguesa”, no PS e PSD em especial, é prisioneira das ‘jotas’; tendo como complemento a ortodoxia do PCP e os sinuosos percursos de Portas. É o regime político que nos coube em sorte, não muito distinto de outros a vigorar na Velha Europa, onde coesão e solidariedade são referências rejeitadas. Reflicta-se no que é exposto neste site’ do Reino Unido, de que reproduzimos a tradução do 1.º parágrafo:

“Desde a década de 1980 os dramáticos diferenciais pagamentos salariais têm-se desenvolvido no Reino Unido. Até recentemente, sociedade tornou-se bastante confortável com isso como um resultado inevitável de nosso sistema económico. A introdução do salário mínimo reconheceu que o mercado nem sempre foi o melhor árbitro de salários. Apesar disso, as desigualdades continuam a levantar-se, com 1% do ‘top’ tendo um cada vez maior quota na partilha dos lucros do crescimento económico.”

É neste cenário devastador, e por falta de perspectivas futuras, que se desenvolvem acções de legítima contestação do sistema e de personalidades espúrias que o sustentam, chegando ao ‘arco de governação’ à custa de golpes de falsas licenciaturas e de negociatas sob acção por parte do DCIAP – resta saber se Joana Marques Vidal demonstrará o empenho e a neutralidade que a função de PGR lhe exige. Duvido.

Quem pode garantir se, entre os que calaram Relvas no ISCTE, não estariam uns quantos lesados pelo “negócio” da sua licenciatura na Lusófona? – alunos do privado, que com um, dois, três, quatro anos de curso vêem desacreditados os estudos em que os pais ou eles próprios investiram.

Liberdade de expressão é, de facto, um direito inalienável da Democracia. Todavia, em períodos conturbados e de disfunções sociais próprias de um regime de abjecções lançadas a jovens e idosos, qualquer amanuense, secretário de Estado ou ministro que dele se alimentam corre o risco de condenação à contestação e ao silêncio. O que têm para dizer é falso.

Augusto Santos Silva, Paulo Pedroso e Francisco Assis, tão sensíveis à dor de Relvas, melhor fariam se ficassem calados, em vez de optarem pelo disparate. Há mais de 1.200.000 de portugueses desempregados. Pensem na incontinência verbal que usariam se estivessem entre muitos desses desesperados. Avaliar uma sociedade enferma e em colapso, segundo critérios de uma democracia funcional e em estado normal é, no mínimo, estúpido. Assumam, ao menos, o raciocínio dos custos da crise, embora estes lhes passem ao lado.

E por mim chega de Relvas!

Comments

  1. Jorge says:

    OH Fonseca! és um bocado anticomunista nao? Nao sei que o Relvas, e tas a ver o PCP , e nao seimque mais…

    Fonseca ! Concentra-te e atina

  2. Jorge,
    Estou ciente de que os partidos fundadores da democracia pós-25 de Abril têm responsabilidades na vida que sofremos. O PCP e o BE, se vistas as coisas com isenção e objectividade, deram contributo importante para a subida da coligação PSD+CDS ao poder. O Relvas está no poder graças portanto à opção parlamentar do PC em 2011.
    Não estou endeusado a qualquer partido. Sou de esquerda, mas se tiver de criticar os partidos dessa área, faço-o sem hesitação. Sou livre.
    Ainda no Sábado passado, estive presente na manifestação da CGTP, encontrando e convivendo com a mulher do Jerónimo de Sousa que foi minha camarada de trabalho e me conhece há muitos anos…Ah!, e sabe o que eu penso.
    Em Portugal, não ser do PS, PSD, CDS, PCP ou do FCP, Benfica ou Sporting, ou ainda Maçon ou Opus Dei é uma merda. Mas eu não mudo.
    Como dizia um amigo meu, é um azar do caraças ter nascido e viver aqui desde os tempos de Salazar até hoje!

Deixar uma resposta

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.