O soberbo e incapaz Gaspar

Vítor Gaspar já demonstrou à exaustão ser um Ministro das Finanças incapaz – os consecutivos orçamentos rectificativos, os sucessivos desvios orçamentais e outros objectivos incumpridos preencheriam uma longa lista de falhas, a maioria das quais próprias de um incompetente.

Todavia, em complemento da incapacidade, e como é natural em incompetentes, o nosso ministro, sobretudo no ECOFIN e em outros areópagos que adora frequentar, não evita ser soberbo e ufano no discurso.

Um exemplo actual: o Ministro das Finanças irlandês, no final da reunião do ECOFIN, mostrou-se favorável a que fosse concedido a Portugal e à Irlanda um prazo de reembolso adicional de 15 anos. Gaspar replicou que tal prazo seria “inconcebível”, defendendo solução “mais modesta” em termos de tempo. Não citou valores, baseando-se apenas em conceitos “filosófico-demagógicos”, sem focar montantes e prazos – no subconsciente, ainda subsiste o desejo recalcado de “não precisamos de mais dinheiro, nem de mais tempo”.

O homólogo irlandês, Michael Noonan, em linguagem simples e aberta, não hesitou em afirmar:

Os ministros das finanças da UE deram luz verde para a Irlanda dilatar o prazo de reembolso à UE/FMI/BCE os 40 mil milhões de euros dos empréstimos do resgate.

Há, de facto, um problema de comunicação entre o governo português e nós, os (des)governados. Todavia, entendo não se tratar apenas de  entropia comunicacional fortuita. É, isso sim, uma entropia artificial e propositada, com o objectivo de nos omitirem aquilo que é relevante para a vida dos cidadãos; ou quando, como e aquilo que o governo entende fazer. De resto, a despeitosa recusa de traduzir para português documentos do FMI, e outros de interesse público, é parte indissociável da estratégia.

O Sr. Gaspar é, por formação académica e profissional, um financeiro puro. Ignora a economia, o que explica grande parte das falhas monumentais das receitas fiscais, do PIB, da dívida pública externa, do défice e do desemprego (17,6% em Janeiro de 2013).

A Irlanda, a despeito do programa de ajustamento com maior valor de resgate e ainda que tenha uma dimensão populacional que é menos de metade da nossa, atingiu indicadores mais favoráveis do que Portugal (p.e., em 2012 estima-se um crescimento do PIB de +,07%, comparável à queda esperada de – 3,2% do PIB português no mesmo período).

Em termos de Economia, Portugal está a funcionar com duas brechas de onde saem caudais de asneira de grande volume: por um lado, o ministro da área que é incapaz; pelo outro, o ministro Gaspar que, além de incapaz, é soberbo e, para ele, a economia nada conta, mesmo com o consumo privado e o investimento a caírem a pique, as insolvências a subir em flecha e as exportações a desacelerarem – grande ou pequeno, o desemprego não entra nas contas do Ministério das Finanças, a não ser ‘à posteriori’ nas reduções de IRS e de quotizações e contribuições para a Segurança Social, bem como no aumento de prestações sociais. E é em tudo isto e em outras asneiras que as contas saem furadas na execução orçamental.

(Este ‘post’ foi redigido com base em dados do EUROSTAT e AMECO). 

Comments

  1. eduardo soares says:

    Claro que essa bolha de incompetência que corre ao nome de gaspar está a desempenhar o seu papel EXACTAMENTE como os senhores da europa querem. Quem dizia que era bom ter o zé manel a comandar ( ? ou enconicar ? ) a ue por ser português estava a ver estrelas no fundo do poço !!! Agora são uma bolha e um faz de conta e tudo sobre rodas na política europeia que é ver o que acontece, dar lucros aos que sempre os têm ( 8 em crise e fora dela ) … fazer raciocínios muito eleborados àcerca da bolha não será perda de tempo ? O homem ( ou lá o que ele seja ) é um tratante absolutamente artificial sempre atrás do aspecto de competente, coisa que não é ..
    Claro que essa bolha de incompetência que corre ao nome de gaspar, … é mais uma no meio da burocracia que em bruxelas chupa a europa na pessoas dos seus cidadãos …Enquanto andar ao frete serve, como servia se fosse um decapitado, portanto acéfalo,
    mas com discurso tecnocrático que seguramente só 0,00005 % do eleitorado do ppd entende. Chega.


    • Chega, claro. Todavia, o tema central do ‘post’ é a colocar em confronto as posições de Gaspar, tecnocrático inflexível e incompetente, e de Michael Noon, seu homólogo irlandês. Este é defensor de um prazo de 15 anos para reembolso do resgate que, recorde-se, foi de valor muito superior ao do financiamento da ‘troika’ a Portugal. Com a agravante da economia portuguesa registar, em 2012, uma evolução do PIB estimada, pelo menos, em -3,2% contra um crescimento de + 0,7% da Irlanda, um país de 4,7 milhões de habitantes.
      A crise é europeia e de grande incidência sobre os países do periféricos, mas as soluções para a ultrapassar, no que depende de cada país, são fruto da qualidade dos políticos que o governa. E nós temos quem temos…

  2. eduardo soares says:

    Tem toda a razão. Eu é que não gosto do homem nem pintado e vá de carregar.
    Ao menos tive oportunidade de lhe chamar bolha que é, como sabe, a porcaria dos mercados quando começa a crescer e a cheirar mal !
    Outra, em cima do tipo que corre ao nome gaspar …

Deixar uma resposta

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.