Sobre narrativas, é de lembrar que a realidade às vezes é coisa que não lhes assiste


Fonte dos dados: Direcção-Geral do Tesouro e Finanças, Relatório PPP, Julho 2010

Parte de um post publicado a 2011/05/16 onde se percebe que a narrativa sobre o tipo que deixou menos encargos com as PPP do que aqueles que encontrou à chegada é mesmo pinóquice.

El País e os ‘paraísos fiscais’: um texto pedagógico

FABER-Fiscal-paradiseVamos destruir os paraísos fiscais!

Sob este título, o ‘site’ Presseurop divulga um artigo, publicado no ‘El País’, por Xavier Vidal-Foch, cujo preâmbulo é o seguinte:

A crise cipriota pôs a nu o estatuto fiscal especial da ilha no interior da zona euro. Mas esse estatuto não é muito diferente do de outros países europeus, como o Luxemburgo ou das ilhas do Canal da Mancha: aberrações a que seria preciso pura e simplesmente pôr termo.

Recomendo a leitura do artigo. Sempre ficamos a saber que Chipre não é modelo recomendável, mas também ganhamos a consciência de que não está só nesse oceano imenso, onde outros territórios – alguns muito prestigiados – florescem na imoralidade de fortunas espúrias, seguindo, a rigor, as regras dos perversos ‘paraísos fiscais’ dominadores do mundo sujo e podre que habitamos.

Ocorre-me citar uma frase de Fernando Pessoa:

 Porque eu sou do tamanho do que vejo
E não, do tamanho da minha altura…

Para desgraça da humanidade, aqui e no resto do universo, o domínio das grandes fortunas, das obscenas indiferenças de milionários e políticos perante a miséria, a fome e a  sofrida morte de milhões de crianças assumem, de facto, o tamanho do que vejo e ainda do que não logro fitar, sem que escapem, porém, ao sofrimento do que penso e sinto à minha volta. Daqui até aos antípodas deste local.

 

Resumo do dia

O meu mentiroso é melhor que o teu.

Coelho pressiona Tribunal Constitucional

Nas décadas vividas de democracia, não me lembro de ter havido um  primeiro-ministro a  pressionar, aberta ou dissimuladamente, o Tribunal Constitucional, no sentido de obter a rejeição das inconstitucionalidades no Orçamento Geral do Estado (2013, no caso) em favor do seu governo – três tópicos: eliminação de subsídios, contribuição extraordinária de solidariedade e sobretaxa de 3,5% em matéria de IRS foram remetidos ao TC pelo aliado de Belém, em decisão “pérfida” de Cavaco que Coelho perdoa, por devota e confessada amizade.

Não esqueço a submissão do País ao ‘memorando de entendimento’ da ‘troika’, assim como estou consciente de que a retirada dos subsídios não constava do programa e o limite mínimo para aplicação da CES era de 1.500,00 euros (ponto 1.11, página 3, do memorando); para cúmulo o lançamento da sobretaxa de 3,5% de IRS constitui uma medida do lado da receita, em vez da opção por corte de despesas preconizado pela ‘troika’. [Read more…]

Lavadeiras do Mondego

lavadeiras mondego
Sem data, autor desconhecido

Humor de desempregado

Uma estória que é um luxo.

Megafone Para um Serial Killer

Não tive pachorra para assistir totalmente à encenação de ontem. Todo aquele arrazoado histérico, de tão previsível e robótico, mói qualquer paciência bem intencionada acabadinha de chegar à Terra. Sócrates desejou ardentemente o palco estéril da TV para pomposa defesa de si mesmo e da sua indefensável corrupção de processos, de tom, de modo, com que contaminou a Governação, enquanto a exerceu. Desejou defender o pequeno quadrado do seu desejo de exclusividade e fechamento do Poder: Portugal e os Portugueses existem, aliás, apenas para servir de cenário à magnífica pessoa do sr. Sócrates e assim preencher a cova de um dente do sr. Sócrates, enquanto gemem e gerem sofredoramente os problemas que ele causou.

O que me opõe desde o princípio a Sócrates é o que me opõe à devastação gratuita da vida de milhões de portugueses como eu. É o que me opõe à traição pelos políticos de todas as nossas aspirações legítimas de paz, prosperidade e confiança, coisas a que um sueco, hoje, tem direito e eu e milhões de portugueses não. O que me opõe a Sócrates é o que me opõe a todos os políticos, e ele foi e é o pior deles, que se deitaram sem rebuço, na cama dos banqueiros e me condenaram, e a milhões, à vergonha de ver o meu País intervencionado. [Read more…]

Balcanização? Não, obrigado! Sim à ruptura.

Imagem

O movimento olímpico português não cedeu à tentação de se deixar balcanizar, espectro que pairou, durante algum tempo, com o discurso de intenções de pré-candidatura de dirigentes que não passaram disso: putativos pré-candidatos.

Ao não se deixar enredar nessa tentação, o olimpismo distribuiu os apoios e as intenções de sufrágio por dois candidatos: Marques da Silva, um homem do aparelho (era o secretário-geral) e delfim de Vicente de Moura, ambos ligados à marinha, e José Manuel Constantino, antigo Presidente da Confederação do Desporto (CDP) e do Instituto do Desporto (IDP) e actual Presidente do Conselho de Administração da empresa municipal Oeiras Viva EEM, responsável pela gestão do imenso e complexo parque cultural, desportivo e de lazer daquele município. [Read more…]

As ratas humedecidas da blogosfera portuguesa

Parece que foi da narrativa de ontem à noite…

Sente a retórica inflamada?

Tome Cavaco, o novo anti-inflamatório.

E o Óscar vai para…

a Imprensa Falsa, melhor comentário narrativo à entrevista do regressado:

Sócrates ter-se-á apaixonado pela narrativa em Paris

José Sócrates não conseguiu esconder, esta noite, em entrevista à RTP, o seu amor pela “narrativa”. O ex-primeiro-ministro só falava na narrativa. Narrativa para aqui, narrativa para ali. Os jornalistas ainda tentaram puxar alguns assuntos, mas Sócrates só queria falar da narrativa.

 Segundo o Imprensa Falsa conseguiu apurar, o amor entre Sócrates e a narrativa aconteceu em Paris, cidade conhecida pelo seu imenso romantismo. Dizem os mais próximos que foi amor à primeira palavra.

«Sim, ele conheceu a narrativa em Paris, ligou-me um dia muito feliz e só disse “estou apaixonado”», afirma um amigo próximo, que já conheceu a narrativa e que ficou com a melhor impressão dela: «Foi muito simpática comigo e penso que está a fazer bem ao Zé.»

O regresso

antero38

%d bloggers like this: