Gaspar e Portas – o etíope, o alemão e o careca

Miguel Sousa Tavares, com quem discordo e concordo, foi traído nesta fotografia:

o etíope, o alemão e o careca

Nos artigos que publica, descreve sempre a ‘troika’ segundo esta sequência: ‘o etíope, o careca e o alemão’. Sucede que o fotógrafo, impotente para impor a ordem dos fotografados, captou o famigerado trio de forma diferente: ‘o etíope, o alemão e o careca’. A alteração, porém, é mera questão de formato, porque, no conteúdo, as três figuras estão em sintonia: lixar o povo português.

O crucial à volta da ‘troika’ e desta 7.ª avaliação não se centra na ordem de descrição ou desfile das três funestas figuras. O dramatismo do problema centra-se nas divergências da coligação governamental acerca do tempo – prazo – para execução do corte dos 4 mil milhões na despesa pública.

Segundo o ‘Público’, sabe-se:

Paulo Portas, apresentou à ‘troika’ o guião para suavizar os cortes na despesa do Estado, mas que ainda não foi alcançado um acordo nesse sentido, já que Portugal quer três anos para poder aplicar o corte de quatro mil milhões de euros e pretende definir anualmente as áreas afectadas, de acordo com a evolução económica do país. [Read more…]

Octaphraudócrates

«… é objectivamente mais grave prejudicar o interesse público, em nome de interesses particulares adoptados por influência de amigalhaços do que prejudicar interesses particulares por influências particulares.» josé

Pois é, josé. Segue-se que, curiosamente, não se passa nada num País de merda.

Em Março, a aprender como o Presidente actua

Cavaco 832013

Segundo o senhor presidente da República, no próximo dia 9 de Março (isto é, amanhã), será divulgado o prefácio do livro Roteiros VII,  através do qual saberemos como “deve actuar um Presidente da República em tempos de grave crise económica e financeira”. Amanhã, obviamente, irei consultar a página oficial do senhor presidente, para ler o prefácio e aprender como actua um presidente da República em tempos de crise económica e financeira e ainda por cima grave. Repare-se que o senhor presidente da República escreveu “Março” e “actua”, não escreveu nem março, nem atua. Provavelmente, o prefácio de amanhã trar-nos-á *marços , *atuas e outras disortografias. Mas já sabemos que, apesar de ser um dos primeiros e principais responsáveis pelo desastre ortográfico de 1990, Cavaco Silva não se mete nessas aventuras.  

Ministério da Educação: como despedir trabalhadores necessários

pblico 1set2012A notícia já tem alguns dias, mas vale a pena, ainda, comentá-la: desde 2009, o concelho do Barreiro perdeu 222 professores, enquanto o número de alunos tem aumentado.

As causas para este facto são apontadas na mesma notícia: os mega-agrupamentos, o aumento do número de alunos por turma, a redução da carga horária de algumas disciplinas e a redução de pessoas nas direcções.

Se se tivesse a certeza de que alguma dessas medidas serviria para melhorar as condições de trabalho das escolas, ainda poderia concluir-se que havia professores a mais. A verdade é que são prejudiciais para aquilo que é essencial: as aprendizagens dos alunos.

Pelo meio, esta situação torna ainda mais risível a propaganda que aponta a baixa de natalidade como causa para a dispensa de milhares de professores: mesmo admitindo que na maioria dos concelhos o número de alunos possa ter diminuído, ao contrário do que acontece no Barreiro, a diminuição de nascimentos está muito longe de justificar o despedimento maciço dos últimos anos.

A repartição do Ministério das Finanças a que chamam Ministério da Educação soube inventar maneiras de despedir trabalhadores fundamentais, prejudicando, desse modo, o país. Com uma opinião pública desinteressada, qualquer declaração vaga sobre natalidade ou rácios constituem bacalhau bastante.

Dia Internacional da Mulher

dia mulher

Hoje é Dia Internacional da Mulher.
Por cá, há quem use dar uma flor ou um «miminho» às mulheres da sua vida ou como campanha de promoção de alguma coisa.
E ficamos por aí. Mulheres felizes porque receberam alguma coisa, homens felizes porque deram provas de ser grandes e atenciosos para com as mulheres. Assunto encerrado.

Eu não recebo nada no Dia da Mulher. Não preciso. Recebo todos os dias aquilo que muitas mulheres nem no Dia da Mulher recebem. Tenho a sorte de ser tratada como todas as mulheres merecem ser tratadas. Mas eu pertenço a uma minoria.

Neste dia, tal como em muitos outros, mas admito que no 8 de Março particularmente, penso na infelicidade que ainda é ser-se mulher em muitos cantos do mundo, até mesmo em Portugal. [Read more…]

Croniquetas de Maputo: Toponímias

     O Nuno lançou-me um repto que eu queria concretizar: fotografar a sua antiga casa em Maputo, numa rua que tivera nome de princesa e agora ostenta nome de presidente/poeta.

A Av. Salvador Allende, tinham-me dito, era perpendicular ao Hospital Central, o qual ficava entre as avenidas Eduardo Mondlane e Agostinho Neto. Estando eu na popular Rua do Bagamoyo, e sendo ainda um esticão até à avenida do  chileno, convinha-me decidir como lá chegar.

Podia ir a pé pela Karl Marx acima, cruzar a 24 de Julho, a Ahmed Sekou-Touré e apanhar a Eduardo Mondlane bem junto ao cemitério hindu. Mas também podia subir a Av. Samora Machel, seguir a Ho Chi Min, virar na Amilcar Cabral e continuar pela Agostinho Neto ou, até mesmo, pela Mao Tsé Tung, sem no entanto chegar à Kim Il Sung,  e entrar na Salvador Allende pelo seu início.

Também podia ir de taxi, é claro, negociar o preço antes de entrar, ter o dinheiro mais ou menos contado, passar pela Vladimir Lenine,  [Read more…]

Os dias são nossos. Todos os dias são nossos.

Não sei bem qual delas admiro mais: se a minha avó Maria, que pariu 13 filhos sozinha e ainda ajudou a nascer meia aldeia; se a minha avó Leontina, que pariu apenas 10, 8 dos quais ao lado da minha mãe, numa esteira, no chão (“mandava-me ir chamar a tia Amélia e eu já sabia para que era”), que percorria os 20 km que separam Antões de Pombal com um cesto de laranjas à cabeça, para vender nos tempos de fome; se a avó do meu homem (que também foi muito minha, nos anos em que convivemos), que ficou viúva aos 32 anos, com cinco filhos e sem qualquer ajuda; ou a minha mãe, uma muralha à prova de tudo. [Read more…]

A Arundhati Roy e às mulheres jamais esquecidas de o ser

É Dia Internacional da Mulher. Cumpro o ritual, homenageando sentidamente as mulheres.

Respeito a efeméride em memória das mulheres emanantes das saudades mais longas da minha vida – as minhas quatro bisavós; conheci-as todas. Jamais se evaporarão da memória. Elas e todas as outras com quem urdi diferentes laços familiares ou de amizade. Pesam, sobretudo, os afectos naturais da família, essa célula social elástica. Ora se contrai, ora se dilata, cadenciada pelo ritmo de quem parte e de quem chega.

Às mulheres da minha vida, mas também a todas as outras jamais esquecidas de o ser – algumas, senhoras de poderes de obscena tirania, constituem um terceiro e abjecto grupo que me repugna – presto a minha homenagem através da combatente antiglobalização, Arundhati Roy. Uma mulher de elevado estatuto intelectual e ético. Nascida na Índia, país onde são correntes ignominiosas acções de violência e segregação de mulheres, a luta de Arundhati por um mundo justo adquire maior significado quanto à coragem de combater em meio adverso e que os homens dominam. Eis um trecho do seu livro ‘O Fim da Imaginação’:

Os jovens trocistas e esganiçados que derrubaram o Babri Masjid são os mesmos cujas fotografias apareceram nos jornais nos dias que se seguiram aos testes nucleares. Estavam nas ruas, a celebrar a bomba nuclear indiana ao mesmo tempo que “condenavam a Cultura Ocidental” esvaziando grades de ‘Coca-Cola’ e ‘Pepsi’ nas sarjetas. A sua lógica deixa-me algo perplexa: a ‘Coca-Cola’ é Cultura Ocidental mas a bomba nuclear é uma velha tradição indiana?    [Read more…]

Prometo Um Pénis de Ouro Para Todas as Mulheres

Pé MessianoAgora que já capturei alguma atenção, mais a sério. Não venho propor um novo princípio constitucional que garanta uma espécie de Pénis-Magalhães de Ouro a cada portuguesa, vibrátil, na linha dos direitos inefáveis, tendências democratizadoras e aspirações furadas que a Constituição consagra, deveria garantir, mas cujo chulé na verdade nem sequer cheiramos. Também não se está aqui a pensar em roubar aquele caralho de mel que parece estar na boca de Filipe Pinhal quando fala, ó ânsias de falo!, para dá-lo liberalmente a quem de direito carece da mais elementar glucose em suporte rígido. Pudessem todas as mulheres oprimidas e mal-pagas deste Portugal ousar chorar despudoradamente como ele, após anos de capitalização, offshores e mais valias. Não. Venho somente com a minha lenga-lenga beata do costume. Se há uma herança e um testemunho que desejo passar à mulher em geral e especialmente à mulher portuguesa não é de todo que todas passem a ter um áureo pénis só seu, realístico, áspero, nervurado e evocador, claramente artificial e artístico, como o Pé de Ouro engendrado a partir de um molde de silicone com Messi dentro. [Read more…]

Se não fosse 8 de Março

Se não fosse 8 de Março, eu saberia escrever sobre ti. Quem?

Tu, a que partiu? A que ficou? A que sorri? A que sofre? A forte, que nada parece afectar? A frágil, que mesmo assim é o meu castelo? A que é a minha vida? As que foram? A que me deixou? A mãe, as mães que tive? As madrinhas dos meus sonhos? Tu, o sol das minhas noites, o luar dos meus dias? Tu, a de uma noite, de muitos dias, de sempre? Tu, a recordação de outro tempo? Tu, a perene, o exemplo, a genica e o ânimo?

Se não fosse 8 de Março, eu saberia escrever sobre ti. Não importa quem. [Read more…]

Insulto às mulheres

Hoje lembrei-me desta publicidade.

Porque é Dia Internacional da Mulher e porque, embora as mulheres sejam cada vez mais numerosas e mais presentes em praticamente todos os sectores da sociedade moderna dos países desenvolvidos, há ainda um longo caminho a percorrer.
Porque, apesar de todas as qualificações e de todos os esforços, uma mulher profissional é frequentemente preterida quando compete com um concorrente homem.
Porque, mau-grado toda a evolução na sociedade e as provas dadas por muitas mulheres em lugares de chefia, elas continuam a ser muito minoritárias nesses postos de trabalho.
Porque eu sou mulher e já me senti assim insultada quando um colega (tão incompetente que foi a única pessoa despedida naquela empresa) ganhava mais do que eu, trabalhando muito menos e muito menos eficazmente.
Porque, mesmo antiga e com fraca qualidade, continua a representar aquilo que diariamente se faz a muitas mulheres.

Pelo menos no Aventar ganhamos todos o mesmo, homens ou mulheres.

Então vamos lá baixar os salários

Começando pelos de topo, para variar. Menos 12% para políticos e nomeações políticas.

Te doy mis ojos – Dou-te os meus olhos

Filme Espanhol sobre a violência doméstica. Tem a particularidade de abordar ambos os lados: agressor e vítima.
Exclusivamente em Castelhano, podendo activar-se as legendas naquele idioma para melhor acompanhamento.
Ficha IMDb aqui

%d bloggers like this: