Insulto às mulheres

Hoje lembrei-me desta publicidade.

Porque é Dia Internacional da Mulher e porque, embora as mulheres sejam cada vez mais numerosas e mais presentes em praticamente todos os sectores da sociedade moderna dos países desenvolvidos, há ainda um longo caminho a percorrer.
Porque, apesar de todas as qualificações e de todos os esforços, uma mulher profissional é frequentemente preterida quando compete com um concorrente homem.
Porque, mau-grado toda a evolução na sociedade e as provas dadas por muitas mulheres em lugares de chefia, elas continuam a ser muito minoritárias nesses postos de trabalho.
Porque eu sou mulher e já me senti assim insultada quando um colega (tão incompetente que foi a única pessoa despedida naquela empresa) ganhava mais do que eu, trabalhando muito menos e muito menos eficazmente.
Porque, mesmo antiga e com fraca qualidade, continua a representar aquilo que diariamente se faz a muitas mulheres.

Pelo menos no Aventar ganhamos todos o mesmo, homens ou mulheres.

Comments

  1. e eu acho que enquanto for preciso um dia da mulher é porqueainda é preciso falar em desigualdade.

  2. E a liberdade de uma empresa como fica?
    As pessoas não podem fazer com o seu dinheiro o que querem?
    Se uma empresa quiser pagar mais a uma mulher que a um homem pode, se quiser fazer o contrário também pode.
    Será que as pessoas altas também têm salários mais altos? É preciso estudar isso… e será que os carecas ganham menos que os cabeludos? também descriminação por descobrir, tanta lei por fazer.

  3. Konigvs says:

    Eu também já me senti descriminado mas foi por não ter uma rata. Tendo uma rata não é preciso produzir-se como os outros, os que têm pilas. Pode-se chegar ao trabalho e estar a falar da vida de casa, de como o marido é um pau mandado, de como a filha é muito mais esperta que os outros bebés da mesma idade. Pode-se chegar ao posto de trabalho, ligar o computador e em vez de começar a produzir, não, demora-se uma hora a ver todos os emails pessoais e reencaminham-se dezenas deles, e pelo meio levantam-se e fazem-se uns quantos telefonemas pessoais nem que seja só para mostrar as novas extensões do cabelo ou uma nova micro saia com vista privilegiada. Depois dessa árdua tarefa vai-se ao café e demora-se pelo menos meia hora para ir e vir porque pelo caminho conversa-se com toda a gente que se encontra e arranja-se sempre tema nem que seja falar-se da vida dos outros, volta-se, e começa-se a fazer de conta que se trabalha e passado um bocado chama-se o chefe e ficam-se ali a galar. Produz-se menos de metade dos outros, os tais tristes das pilas, mas consegue-se ganhar mais, mesmo tendo entrado para a empresa há bem menos tempo, e fazendo extamente o mesmo trabalho, e tudo isto porque para quem tem uma rata, abre-se as pernas e é um admirável mundo novo de oportunidades.
    Viva o dia mundial das ratas!

    • Só agora li o seu comentário, Konigvs.Achei um pouco estranho ninguém responder.Apesar de não gostar muito das expressões, mas por mais que doa existem muitos casos desses, mas não hà regra sem excepção. Infelizmente é uma realidade que só quem é sério a pode enfrentar! Nunca deleguei em ninguém e tenho muito orgulho nisso, as minhas funções como funcionária, mãe, esposa e dona de casa, mas também acho que em certas situações a mulher é insubstituível e tem uma grande missão a cumprir, que é a de ser mãe.

Deixar uma resposta

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.