Clubes do governo

Emídio Guerreiro chega e os espanhóis de Guimarães ganham com o fisco. Por estas e outras, na final da Taça serei do Benfica.

Comments

  1. Pedro Mendes says:

    Fala aquele do clube que durante anos mamou na teta da Câmara Municipal de Braga e que ainda hoje joga no estádio municipal de Braga?


    • Braga sempre foi pró-Portugal, e o seu arcebispo teve um papel importante na Fundação. Já Guimarães, a aldeia onde estacionava o partido galego, não pode dizer o mesmo.

      • Pedro Mendes says:

        Faltou o seguinte: “O seu arcebispo teve um papel mais importante na fundação de Portugal que D. Afonso Henriques.”
        Caríssimo, não vamos brincar aos livros de História, caso contrário terei de o lembrar que El – Rei D. Afonso I de Portugal lutou contra sua mãe, que essa sim, apoiava o partido dos Travas, tendo batido as forças de ambos na famosa batalha de S.Mamede, a 24 de Junho de 1128.

        Agora o futebol. Como bom bracarense que assumo que seja, claro que vai apoiar o Benfica. Apoiam sempre. Não fosse Braga o clássico palco do ” Cachecol do Benfica e Bandeira do Braga”


        • Mais não teve, nem menos, tal como faltaria aqui Santa Cruz de Coimbra. Mas é um papel de igual relevo, alguém teve de tratar da diplomacia internacional. Basta ler a recente biografia de Afonso Henriques para perceber que o papel de Guimarães nesse processo se limita a uma tarde, precisamente a do dia de S. João de 1128. O resto é obra do António Ferro.
          Quanto a futebol, não me parece que Braga continue a ser essa cidade, e fretes do Vitória ao Benfica nos últimos anos abundam.


          • Uma chalaça, a contrapor ao bairrismo do “berço de Portugal”, não passa de uma chalaça.
            Há coisas mais sérias: não me esqueço do caso Ndinga, nem de que Emídio Guerreiro é quem é porque foi presidente da Académica. Para o Jamor chega-me perfeitamente.

  2. nightwishpt says:

    Pelo 5lb, só quando se tornarem um clube respeitável.
    E ainda devem faltar umas décadas até lá.

  3. palavrossavrvs says:

    Nem a brincar me digas isso, John!

  4. Pedro Mendes says:

    Então concede que, pelo menos, em Guimarães não somos nem mais nem menos Portugueses que em Braga. Menos mal. Quanto ao futebol, a história dar-me-à razão. Basta um pequeno declínio do Braga e o benfiquismo voltará ao de cima. Certamente sabe tão bem como eu que o Braga(Clube) não tem base social de apoio, e que aquela que ganhou nos últimos 10 anos não está suficientemente cimentada para resistir a um declínio desportivo, essencialmente porque ainda não existe uma geração que tenha nascido Braguista. Lembrar-se-à tão bem como eu de ver apenas o Espanhol e seu filho a acompanhar o Braga fora de casa. Quanto à final da taça, nós já temos Vitorianos que cheguem para encher o Jamor!


  5. Não há clubes do governo, o futebol é do governo. Ficam todos contentes quando vêem que há imensos parolos a gastar dias e dias a discutir e a ver a porcaria da bola.


  6. Isto escrito por alguém cujo clube usa na sua promoção a imagem de um exército opressor! Pelo menos o Vitória tem no seu símbolo o primeiro Rei de Portugal!

    Estranho e a carecer de explicação é o facto de sempre que os “espanhóis” tentavam reprimir a nossa independência, atacavam Guimarães e não a importante terriola de Braga com o seu Bispo.


    • Se isso é comigo não estou a ver a “a imagem de um exército opressor”.
      Já agora, Guimarães foi atacada quando?


      • O nome Egas Moniz, o aio, não o cirurgião … diz alguma coisa? Ficou famoso porquê? Pelo cerco de Braga?

        Quanto ao exército, Roma, apesar de tudo não deixou de ser um exército opressor que só consegui dominar os lusitanos graças à traição. Ou seja, os mesmos que usam a imagem de legionários para se promoverem acusam outros – que têm como símbolo principal o primeiro Rei de Portugal – de serem estrangeiros.

        • Pedro Mendes says:

          Ainda há relativamente pouco tempo, o levantamento da cidade contra o invasor Francês em 1808, só a título de exemplo…


        • Haja pachorra: Egas Moniz foi governador de Lamego, um homem do Douro e não do Minho. A lenda do baraço em Toledo vale tanto como o milagre de Ourique.
          Guimarães tem uma tarde na História da Fundação de Portugal e um mito desenvolvido creio que pelo António Ferro, pura treta nacionalista. Tal como o dos lusitanos, Viriato até terá existido, mas olhando para as fronteiras de hoje seria espanhol.
          Resistência aos invasores franceses houve-a em toda a parte.

          • Pedro Mendes says:

            Resistência ás invasões surpresas houve-a em todo o lado, menos em Braga. Pelo menos é o que me dizem os meus livros de história.


          • Não sei o que se passou em Braga. Sou de Coimbra, a cidade onde se fundou Portugal, demos porrada nos franceses com fartura (os corpos foram descobertos há pouco tempo) e a minha Académica não tem nenhum legionário na sua simbologia. Aliás Aeminium era uma pequena cidade romana, ao contrário de Bracara Augusta, que teve nesse período o seu apogeu.

          • Pedro Mendes says:

            Dizer que Guimarães teve uma tarde na história da fundação de Portugal é simplesmente…azia… Pensei que era de Braga JJC, tendo em conta a tão fervorosa defesa da cidade. Mas se é de Coimbra já se-vos entendem as maleitas.


          • A trafulhice Ndinga é coisa menor. Mas estou disposto a admitir que no dia 25 de Junho Afonso Henriques ainda tomou o pequeno-almoço em Guimarães, antes de tomar caminho para onde tinha muito que fazer.

          • Pedro Mendes says:

            Isso é só mesmo azia. Basta cumprir os mínimos para saber que Guimarães teve um papel fundamental na fundação do então reino. Antes e depois. Só à medida que as conquistas foram rumando a sul é que a cidade foi perdendo importância, mas até chegar à mouraria, Guimarães era relevante.


          • Relevante? Coimbra já era fronteira sul do Condado Portucalense (mas foi reconquistada definitivamente muito antes, por Fernando Magno). Daqui até Guimarães eram uns bons dias de jornada.
            Mas esse nem é o aspecto mais importante: o Mosteiro de Santa Cruz nem foi fundado por acaso, e muito menos por acaso Afonso Henriques o escolheu para seu túmulo, e todas as rainhas da 1ª dinastia (menos uma) aqui vieram parir os futuros reis. É que nós não temos uma estátua: temos o túmulo.


          • Coimbra, Braga, Porto … tudo terriolas importantes sem duvida. Mas vá se lá saber porquê os castelhanos quando pretendiam acabar com as nossa iniciais veleidades independentistas insistiam em dirigirem-se para Guimarães!


  7. Obrigado Pedro por me ter respondido a algo que não tinha questionado e relativo a um facto 7 séculos depois do ocorrido em Guimarães e a um acontecimento que apenas colocou em perigo a nossa soberania e não a nossa independência. E ainda por cima referente a uma … derrota!!!

    • Pedro Mendes says:

      Caro MF eu não lhe respondi a si.


      • Desde já o meu pedido de desculpas Pedro, mas como a sua resposta estava indentada na minha parti do principio de que me era dirigida. Aparentemente, e pelo que pode ler em todos os comentários … não era dirigida mesmo a ninguém 🙂

        • Pedro Mendes says:

          Era só mais uma acha para a enorme fogueira que foi este post, que é ele próprio em última análise reflexo da enorme fogueira que é a rivalidade Vimarano-Bracarense. Mas é uma acha pertinente, uma vez que é reveladora do histórico patriotismo vimaranense, contrariamente àquilo que o nosso anfitrião quer demonstrar.


          • Estamos à beira de ficarmos sem estado social, sem empresas, sem país, sem pessoas, e vocês estão-me a discutir Pintelhices?! Mas vocês estão doidos? Ou o que é que andaram a beber? E o José que tem partilhado coisas interessantes, devia ter mais juízinho.

  8. Ricardo Santos Pinto says:

    Um portista não prefere a vitoria do Benfica, sejam quais forem as circunstancias.


    • Tens uma lata. Tu, que saíste do BiTri porque se escrevia muito sobre o 5LB

      • Pedro Mendes says:

        Afinal ai a minha Académica e coisa e tal e o JJC é Portista? Clássico de adepto de clube pequeno 🙂


        • O meu pequeno clube tem duas Taças de Portugal em futebol, úma final que ficou para a História de Portugal, títulos que nunca mais acabam em tudo o que é desporto.
          E sim, sou bígamo, algo contra?

          • Pedro Mendes says:

            Nada contra. Mas se fosses do meu Vitória simplesmente não concebias bigamia futebolística. Só isso. Já agora, se nenhum deles ganhar, és por quem a seguir?? Ou não és polígamo? Quanto ao teu pequeno clube, é isso mesmo, pequeno. Não merece muito mais comentário. Mas já chega de futebóis. Guimarães e o Vitória não precisam que eu venha aqui defendê-los. A história fala por eles. Um abraço.


          • Abraço correspondido. É sempre um prazer trocar uns bitaites sobre coisas sem importância, sobretudo quando alguém se queixa por isso.

          • Pedro Mendes says:

            Hell Yeah 😉

Trackbacks


  1. […] Actualização (minutos depois dos assuntos verdadeiramente importantes): Amanhã, durante o pontapé de saída, estarei num comboio, a caminho do Grão-Ducado. Esperemos que seja um glorioso dia (por falar em ‘glorioso dia’, lembremo-nos do ‘Glorioso Escritor’). Desejo as maiores felicidades ao João José Cardoso. […]

Deixar uma resposta

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.