Não Ficar Para Trás, Dever Nacional

Pois, João Paulo, a nossa fome não é, de facto, um dever constitucional, mas por exemplo o fim das subvenções de ex-políticos, actuais políticos, como Cavaco, Assunção Esteves e Catroga, e futuros políticos, a esta luz, torna-se um dever imediato da legislatura e outros movimentos similares autorreformistas do Sistema tornam-se imperativos precisamente perante a penúria, a fome e a nudez de muitos portugueses apanhados no tsunami deste ajustamento. Não deverias partir do pressuposto de que acato acriticamente a papa regurgitada pelo Governo Passos Coelho II ou papo com cara de tolo todas as desculpas para o agravamento da factura social para suster a factura do défice: também eu fui posto a pão e água pela Troyka e por Passos e se me rebelo, rebelo-me, sim, cumulativamente contra o passado culpado e contra a covardia e incompetência que são as do Governo, mas também em larguíssima medida da Oposição liderada pelo Partido Chupcialista.

Não deverias cavar a trincheira das nossas distintas razões por finalidades comuns colocando-me no lado sádico da questão e ficando tu com o lado monopolista do bom senso e da sensibilidade e do sentido social. A Esquerda farta-se de estigmatizar outros redutos desapossando-os de humanidade e de boas intenções, pelo menos tão boas quanto as dela: concordarás comigo que se o Aparelho de Estado foi colonizado pelos partidos com camadas e camadas de clientes, há-de ser uma magna tarefa desparasitá-lo e é por isso que Soares reincide em apelar ao motim, à balbúrdia, à queda fragorosa de todos os esforços por mudar o paradigma parasitário segregado no pós-Abril. Há limites, João, para esse absolutismo da razão e para a superioridade moral das Esquerdas, chão que deu uvas, sobretudo muito dinheirinho a ganhar aos que na Oposição se couraçam de Esquerda até aos dentes mas depois, uma vez Governos Chupcialistas, seguem os trilhos e as linhas previamente cerzidas do Capitalismo interno e externo, servindo exclusivamente os senhores do Dinheiro. Menos, João Paulo. Menos fervor, por favor…

Olho para quinze de Outubro de 2014, dia da Apresentação do OE 2014, como, afinal, a data da verdade. Não se pode discordar dos que, como tu, baptizam este Orçamento de criminoso. Claro que é criminoso. Mas trata-se de um crime que visa salvar, que opera segundo o princípio do mal o menos. Um crime o qual, à luz do que se sabe acerca das lógicas insensíveis dos credores, mitigará males intoleravelmente maiores às suas mãos. As linhas de força do OE para 2014 mostram claramente que primeiro e acima de qualquer outro desígnio impera a procura dos mais adequados sinais internos que conduzam à baixa das taxas de juro para a dívida pública nos diversos prazos. A única estratégia parece ser essa, a de gerar imediata confiança nos credores para que sosseguem o preço incomportável do dinheiro com que o Estado Português poderá, já em Julho, financiar-se normalmente.

O Governo pode ser acusado de tudo o que é tipicamente português, pode passar por calculista, temeroso, erróneo, na temporização e no gizar das medidas, mas o certo é que nenhum outro teve por sistema tão más e tão duras notícias para nos dar, arriscando queimar-se como nenhum outro. Porquê? Porque a mentira foi quem mais ordenou bem como as necessidades eleitorais. Andaram a mentir-nos, só pode. E a chamar nomes feios a Medina Carreira.

Quem ouvisse qualquer outro Governo em qualquer outro ponto temporal, diria que tudo andava pelo máximo dos melhores mundos possíveis. Hoje, o nosso fado é o da fadiga, apesar de haver um recobrar de forças na iniciativa privada e aquele tipo de sinais positivos que só pecam pela fragilidade e a escala ainda incipiente. O défice para 2014 é o nosso Cabo Tormentoso. Défice representa dívida. Menos défice representa menos necessidade de financiamento do Estado Português para atacar antes de mais o stock acumulado dela. Estamos no âmbito do Euro e no âmbito dos Credores Externos, impedidos de contrair mais e a meta dos 4% é tudo quanto de draconiano devemos entestar.

Onde houver dinheiro, o Governo está aí para extorqui-lo. Apanham os aposentados da Função Pública. Apanham os reformados da Segurança Social. Não se sabe se pensionistas futuros poderão aspirar a qualquer coisa, quaisquer direitos, ao nível do que hoje vigora. A colecta é dura, mas é o que é. Funcionários públicos constatam que nenhuma zona de conformo se mostra mais desconfortável que a sua e a confrontação que se pondera, já pondera os prós e contras para avançar: parar o País e obter o quê, inverter que coisa? A mera substituição de uns cobradores amanuenses secos e duros por outros cobradores amanuenses simpáticos, sensíveis e melífluos, atados de pés e mãos? É essa a tua falácia, enquanto militante, presumo, do Partido Chupcialista: querem mudar tudo para que tudo fique ainda pior, na perda de tempo e no fingimento de alternativas.

Nós, os talentosos desperdiçados, os despojos da dívida, da crise e do ajustamente, nós, os desempregados, vemos bem a negrura do túnel sem lâmpada ou luz final e é mais natural pensar em sair o mais rápido possível para lavar latrinas na Europa sem Falências por Corrupção de Estado, do que permanecer encostados às cordas da desesperação e da miséria mais que certa. Por exemplo, a Lei n.º 51/2013, de 24 de Julho aplicará uma taxa de 6% ao meu subsídio já penhorado pelo BES fazendo-me receber duzentos e oitenta e poucos euros para me alimentar a mim, à mulher e a duas filhas, com cobrança retroactiva de 83,12 euros relativa aos meses de Setembro, Agosto e Julho. É a barbárie, concedo. Estou, estamos cercados de não-emprego e do convite ao suicídio por nos falhar, neste mínimo, o Estado. Não consigo conceber pior tragédia.

E no entanto, não posso penalizar em exclusivo este Executivo. Se se sufoca, há uma lógica sem sentimentos por detrás que pode mais que a nossa dor e as nossas queixas. Para cumprir um défice, temos razia social e mais doses cavalares de privações, depressões, recessões pessoais e familiares. Mas uma das coisas mais promissoras e que mais me repletou de confiança e de esperança em 2013 foi ver a quantidade avassaladora de turistas que procuraram o nosso País. No Porto e em Gaia. Nas cidades do Minho que deliciosamente visitei, Braga, Guimarães, Viana do Castelo, Ponte de Lima. Nem nos meus sonhos mais loucos de intensa mobilidade interna europeia, de um turismo geriátrico europeu, sonhei ser possível na maior parte dos meses do ano, não somente em dias de sol e temperatura amena, um tal volume de consumidores efectivos em trânsito pelo nosso País. Isso e haver quem, na Europa e no Mundo, nos compre mais e solicite mais o que temos.

Não há outro caminho senão, do fundo deste espezinhamento do Portugal devedor endividado, do Portugal evadido fiscal, e abissalmente cindido entre os que têm e os que nada têm, senão que qualquer coisa de bom possa emergir. Apesar de tudo. Cumprir o Motim Onanista do Dr. Soares é criar entropia nos sinais de esperança e é afugentar públicos, consumidores, amantes estrangeiros de Portugal.  É preciso lutar, mas com nenhuma arma mesquinha que passe por turbulência paralisadora do País.

Temos de acreditar. Preciso de acreditar antes de me fazer a uma Índia e a um Oriente onde me esconda, esquecendo finalmente a grande e fragorosa Queda de Portugal, entre o azar de melindrar o Regime Angolano, aliás “exemplar” no concerto do Mundo, e não ter ninguém verdadeiramente por nós que nos colocámos nesta situação. Tirando o caso islandês, se a falência dos Países é um fenómeno mais ou menos associado à Corrupção de Estado, a falência de Portugal por três vezes em quarenta anos democratóides foi certamente um caso de Corrupção de Estado mas repleto de requinte e abrangendo um vasto leque de responsáveis, entre políticos venais, jornalismo e opinião encartada venais, elites sôfregas, e anos com uma riqueza assimetricamente distribuída.

2013 passou quase. Venha esse calvário de 2014. Não há-de ser nada.

Comments


  1. Esta patética apologia de Passos Coelho, bem sei que traz à mistura algumas “críticas” que nem chegam a sê-lo, esquece o essencial.
    E o Essencial é que esta dívida para além de ser usurária e nada ter a ver com o povo para além da justa posição de não a pagar e organizar forças para o seu repúdio pelos portugueses é IMPAGÁVEL.
    Não me refiro “só” aos 25 mil milhões ( só de juros) que nos roubarão este ano sob este pretexto enquanto a dívida em si mesma continuará a crescer,
    Refiro-me sobretudo aos 40 mil milhões (novamente só de juros) que os defensores desta dívida ODIOSA terão de inventar para pagar entre Outubro de 2014 e Outubro de 2015 e igual “receita” entre Outubro de 2016 e Outubro de 2017.
    Tem razão num aspecto.
    O PS é TÃO CULPADO COMO O PSD porque foi ele que assinou o tratado de rendição à CEE, que por sua vez impôs a Cavaco Silva que destruisse tudo o que nos desse dinheiro desde os estaleiros navais às pescas, á agricultura , ás minas etc
    E, como consequência directa, porque depois de realizar TODAS AS MEGALOMANIAS e erros que os “fundos estruturais” da UE impuseram, depolis de ter CONTINUADO, na senda iniciada pelo PSD, das criminosas PPP chegando AMBOS mais tarde aos Swaps, após tudo isto FOI O PS QUEM CHAMOU OS ABUTRES da troyka.
    E o que este governo está a fazer é obedecer aos seus amos estrangeiros ( a troyka serve acima de tudo os interesses do imperialismo alemão) e ESTÀ A ACELERAR A DESTRUIÇÃO DO PAÍS a cada medida que toma, a cada orçamento que apresenta.
    Para aqueles que amam o seu país e querem lutar por ele (os patriotas), para que ele seja um país próspero só vejo pois uma saída que passa NECESSÁRIAMENTE pelo derrube deste governo de traidores à pátria, PELA REJEIÇÃO DO PAGAMENTO DA DÍVIDA e por unir o máximo possível (o ideal seria todos mas será indispensável que seja a grande maioria) de DEMOCRATAS E PATRIOTAS para que um governo dessas pesoas posa levantar Portugal.
    Finalizo com uma pergunta
    Alguém de bom senso pode acreditar que estes números e esta impossibilidade real de pagar a dívida soberana não é conhecida pelos nossos governantes e ACIMA DE TUDO pelos interesses que nele mandam?
    Se pensarmos na razia nos salários (públicos e privados) e no atropelo sistemático de direitos parece-me que estaremos a entrar no caminho certo para perceber o porquê de o governo e os seus amos estrangeiros persistirem nesta destruição do nosso país.
    Haverá depoi

    • sinaizdefumo says:

      Pois, se calhar não haverá depoi 🙁
      Mas ó sr. João Paz tem que ser um extremo ou outro? Brutalizar o povo e pagar tudo já que já devia ter sido ou não pagamos e pronto, porreiro, fica tudo bem, não há consequências?

    • joshua says:

      Tem aqui, meu caro João Paz, um texto que permite reflectir adicionalmente sobre a questão que comprime os portugueses neste momento.

      • nightwishpt says:

        É extraordinário como coloca todos os males em soluções alternativas, mas defende uma que vai seguramente resultar no incumprimento regresso dos nacionalismos. Brilhante.

        • joshua says:

          É o que temos: como escreve Guerreiro, tudo pelos mercados, para os mercados, com os mercados. Nada para as pessoas.

          • nightwishpt says:

            Mas como é do teu clube, não interessa que não acerta uma, o que interessa é rejuvenescer através do sofrimento até que os alemães sintam pena de nós porque os não acreditam que mais nada possível.
            É triste que a direita não é capaz de dizer mais do que isto. Já ninguém acredita, mas é continuar porque os outros levantavam ondas. Ganhem tomates, pá.

  2. sinaizdefumo says:

    A culpa não é toda do partido chupcialista e da esquerda? Também é dos outros, dos coisos? (épá como é que v. os apoda?). Caramba, já é um avanço.


  3. Certamente que haverá consequências “sinais de fumo” mas, conhecendo embora as negativas que poderei abordar se for indispensável para si, parece-me ser de fazer sobressair as positivas de que destaco

    – RECUPERAÇÃO DA INDEPENDÊNCIA NACIONAL
    – Podermos finalmente colocar ao nosso dispor os nossos recursos e a nossa POSIÇÃO ESTRATÉGICA IMPAR
    – Colocar Portugal na senda da industrialização (não poluente porque com as novas tecnologias é possível) e do progresso.

    Parece-lhe pouco ou parece-lhe que há outro caminho?
    Apresente-mo.

    • sinaizdefumo says:

      Muito obrigado sr. João Paz. Por certo não, não haverá outro caminho, haverá o seu e mais nenhum. Mas sabe como é v. aí de cima tem uma panorâmica mais abrangente da situação, eu aqui em baixo não enxergo nada.


      • “Eu aqui em baixo não enxergo nada” Deve ser do fumo “sinais de fumo” Mas para ficar só um bocadinho mais em cima (talvez lá haja menos fumo) aconselho-o a verificar os números da dívida e talvez encontre alguma pista que possa partilhar sobre onde encontrar valores desta envergadura para entregar aos bancos. Muito em particular aos bancos alemães que levam a parte de leão. Se, como parece muito mais provável, não encontrar então…

        • sinaizdefumo says:

          Sim deve ser da fumarada. Mais uma vez obrigado pela atenção que me dispensou. Quanto aos números vou ver se arranjo um tempinho para salvar a pátria mas olhe que eu é mais bolos.


  4. Irra!
    Vou voltar a deixar de o ler… a bem da minha saúde!

  5. sinaizdefumo says:

    Aquela cousa dos dedos lá em riba, ou pra baixo ou pra cima, a bem dzer está mal pensada. Lá está, isso do tudo ou nada, sim ou sopas, preto ou branco, pra mim num chega. Um médio empinado seria má ideia, mas que diabo um polegar a meia haste a modos ca qrer dzer “épá num cuncordo cum tudo mas o gaijo tamém tem a sua rzom” isso sim era boa ideia. Qando estiver co a malta do wordpress diga-les isso e diga que vai da minha parte. Assim sendo polegar pa riba qu’este poste bem vistas as coisas até é dos bôs e isto num pode ser sempre a malhar co plumitivo desanima. Li o artigo do sr. Daniel Deusdado. Que nome tão apropiado pa tão bô artigo. Leia outra vez, bote sentido, aprenda, que vossemecê em qrendo pode-le pedir meças, assim trate do olho vesgo. Co olho fechado num há problema, é a única cousa que o liga ó Camões.
    Quanto à sua situação pessoal, é admirável a maneira como a encara. Se a aceita para si não é obrigatório que ache que os outros tenham que aceitar idêntica pastilha. V. ainda tem o apoio dos pais, outros nem isso. E prontos, por hoje é tudo, despeço-me com amizade, sinaizzzz
    ps: espero que goste da ortografia, é que já num sei se adote ou num adopte o famigerado 90

    • joshua says:

      heheheheeheh Adorei o comentário.

      Não adopte.

      • sinaizdefumo says:

        :-))) Isso, num vou adopetar o 90 mas o 45 tamém não. Assim sendo lá em riba no meu oitro comentário tem um erro. Onde se lê ‘meia haste’ deverá ler-se ‘meia iaste’.

  6. nightwishpt says:

    Ora bem, o que é preciso é acreditar num orçamento salvador que nem, por exemplo, Miguel Frasquilho e António Saraiva, esses perigosos xuxalistas, acreditam pelo efeito terrível que tem retirar essa quantidade gigantesca de dinheiro da economia e que os constitucionalistas dizem que é assumidamente ilegal.
    Quem acredita em deus acredita em tudo.

Deixar uma resposta

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.