Municipalização: o extermínio da Educação

Está em curso uma inflexão no projecto de municipalização das escolas. Os novos documentos foram publicados pelo Paulo Guinote e o Ricardo Montes considera preocupante aquilo que já se vai sabendo.

O assunto merece uma análise mais detalhada, mas uma leitura superficial permite confirmar  que a pouca autonomia das escolas está cada vez mais próxima do extermínio absoluto, a proletarização dos professores continuará a acentuar-se, a politiquice terá as portas escancaradas para ocupar ainda mais espaço na vida das escolas e a análise dos problemas será substituída por um arremedo de empresarialês, porque vivemos num mundo em que o gestor modernaço é o novo enciclopedista.

Da parte das autarquias, é apenas uma questão de dinheiro. O próximo governo poderá ter uma cor diferente, mas não mudará nada, mesmo que tenha de fazer de conta que está contrariado. De resto, PS, PSD e CDS poderiam abrir uma loja e colocar na tabuleta “A destruir a Educação desde 2005”.

Os professores estão mais preocupados em sobreviver, o que lhes retira tempo ou vontade para combater. Por isso, continuam contra a Educação.

Comments


  1. Reblogged this on O Retiro do Sossego.


  2. http://aventar.eu/2014/08/15/quem-percebe-de-educacao-os-gestores-claro/ deste artigo em Agosto último deixei um comentário, leu-o?

    • António Fernando Nabais says:

      Li e esqueci-me de responder. Penso que os “links” em causa se referiam a um blogue cujo autor o apagou. A personagem em causa era um tal Ramiro Marques, admirador de Nuno Crato e admirado pelos meninos do insurgente e do blasfémias.

Deixar uma resposta

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.