Aos meus amigos Benfiquistas:

Leonel Brás

sclmOntem tive um final de noite fantástico.
Duma vez por todas, vi esclarecido o mistério do ROUBO do Eusébio para o clube da Luz.
Numa mesa de café, com mais 4 amigos, todos benfiquistas (é raro eu ser o único, mas às vezes acontece; ontem, fiquei feliz), veio o tema do campeonato deste ano ser ou não disputado de forma legal.
Às tantas, foi questionada a guerra SCP/SLB e veio logo o tema Eusébio. É claro que dois dos meus amigos, ferrenhos benfiquistas, refutaram logo e disseram que ele veio sempre apontado ao SLB.
Pois bem, um dos outros dois, Homem dos seus setenta e tal, serenamente voltou-se para um deles, e disse.
– Meu amigo Mor****, sabe bem que isso NÃO é verdade!
Afinei logo as orelhas, claro.
Continuou: essa ‘estória’ vivia-a eu na PRIMEIRA pessoa, como o amigo sabe! Custa-me, mas o Eusébio era do SCLM, onde JOGAVA COMIGO! Foi indicado pelo SCLM para o SCP e paga a sua viagem. X, tratou de tudo (por sinal, um familiar do mesmo contador). O que aconteceu a seguir, foi que o Eusébio foi levado ao indivíduo da Agencia de Viagens, meu amigo, para se encarregar da viagem até Lisboa.
O problema foi que esse indivíduo era um grande espertalhão, e doente benfiquista. Ligou imediatamente para Portugal, e tratou de tudo. E disse-lho ao Eusébio “agora vais comigo, não para onde te mandaram, mas para o Benfica! Já tratei de tudo”.
Acompanhou-o no avião e viagem… o resto, já toda a gente o sabe.
Questionei-o sobre a personalidade do Eusébio, na altura. Resposta: “um pobre simplório e coitado, ainda mais do que todos nós”, portanto incapaz de fazer fosse o que fosse por vontade própria.
Isto foi-me contado NA PRIMEIRA PESSOA, ontem, 06/05/2015, a uma mesa de café em Coimbra, por um ferrenho benfiquista, antigo jogador, e colega do Eusébio no SCLM, (e que o acompanhou ainda depois no continente), acompanhado por mais três, não foi, Amigo Pinheiro?
Pedi autorização para uma noite destas o filmar a contar a ‘estória’, o que concordou.

Portanto, duma vez por todas, fiquei esclarecido: ROUBADO por um benfiquista, para o Benfica.

Podem divulgar esta ‘estória’ à vontade, sob minha palavra!

Comments

  1. Konigvs says:

    Quem conhece um pouco da história do futebol português, conhece muito bem a disputa entre os grandes de Lisboa por aquele que se viria a transformar no melhor jogador português de sempre.
    Eu só não estou a ver é, como é que se pode rotular de “roubo” uma jogada de antecipação. Roubar é tirar à força o que é de outrem, e o Eusébio nunca foi jogador do Sporting. Jogadores que à última hora acabam por ir parar a clubes para não estavam inicialmente destinados acontece todos os dias. É a vida, fala-se de Eusébio porque foi o jogador que se sabe, se não tivesse feito a carreira que fez ninguém falava no assunto.
    Roubo, foi o que o Sporting fez nos casos de Paulo Sousa e Pacheco. Jogadores dos quadros do Benfica, que foram aliciados (tal como aliciaram o João Pinto mas Jorge de Brito ainda foi a tempo) e, alegando salários em atraso passaram a jogar de verde e branco.
    Algum tempo depois, os ladrões foram condenados em tribunal e o Sporting teve de pagar uma quantia avultada de indemnização pela ousadia que cometeu.

  2. Nightwish says:

    É uma história que já não é novidade para quem a quer conhecer…


  3. Pois! O Jorge de Brito do BIP. “Negócios” eram com ele; morreu mas deixou escola. Por causa dessa escola andamos quase todos a pagar. O Jorge de Brito”…

  4. Leonel Bras says:

    Caro konigvs,
    Segundo o “léxico: dicionário de português online”, ao termo roubar também podem ser atribuídos os seguintes sinónimos:
    “5. Encantar, maravilhar ou seduzir;

    7. Alcançar ou obter de modo célere e clandestino;”

    O Eusébio PERTENCEU ao SCP, uma vez que aceitou o seu ingresso nesse clube de livre e espontânea vontade (sob palavra, como afirmou o narrador – modo habitual de acerto de contrato nessa época).

    Portanto, reafirmo o que ouvi directamente e na primeira pessoa de quem viveu a ‘estória’:
    “O Eusébio FOI ROUBADO ao Sporting!”

    É claro que poderemos acrescentar outros, do género:
    “era um homem sem palavra”… e por aí fora!!!

    Nota: Não quero faltar ao respeito a ninguém, muito menos ao visado.
    Como português que sou, agradeço-lhe o facto de ter levado Portugal ao mundo!
    Como jogador, agradeço-lhe os momentos inesquecíveis que nos proporcionou!
    Como homem… que Deus lhe perdoe!

    Leonel Brás

  5. João Soares says:

    ” Ladrão que rouba a ladrão tem 100 anos de perdão”.
    É assim a ladroagem da capital.

  6. N.T. says:

    O Eusébio não aceitou coisa nenhuma porque era menor. Independentemente de como as coisas se tenham passado, os tutores do Eusébio só meteram a assinatura num papel. O que conta no post vai de encontro ao que sempre foi público e até ao que Eusébio contava. Os detalhes podem ser diferentes mas tal é irrelevante. Todas as versões apontam ao mesmo: esteve tudo tratado para vir para o Sporting mas no último momento o Benfica antecipou-se, deu mais dinheiro e redigiu um contrato.

  7. Konigvs says:

    Como referi, acho que é óbvio que a escolha, foi dos seus protetores, e não dele mesmo. Tal como foi o protetor do Bruma (que é feito dele a propósito?) que quis que ele rescindisse com o Sporting e fosse para a Turquia.
    Houve uma jogada de antecipação do Benfica em relação ao Sporting e o resto é o que se sabe. Tal como acontece ainda hoje – basta ver o que a imprensa tem dito sobre Hassan do Nacional que estava apalavrado com o Sporting mas o Benfica terá dado um prémio de assinatura ao jogador e terá conseguido assim desviá-lo do rival. E veja-se os quantos jogadores ao longo dos anos o FC Porto desviou do Benfica: Jardel, James e Falcão por exemplo. Foram então “roubados” ao Benfica? Claro que não. Simplesmente Pinto da Costa ou teve maior influência junto dos jogadores ou teve outros argumento$$$ que o Benfica não tinha.
    E roubar pode ter muitas interpretações metafóricas, mas o roubar que interessa aqui para o caso, é aquele que pode ser punido em tribunal, por apropriação indevida de um bem de terceiros e não foi de todo o caso de Eusébio.
    Sobre a pessoa que ele era, acho que não é preciso dizer-se nada, basta observar o que os seus adversários (portugueses e estrangeiros) sempre disseram dele. Quem é verdadeiramente grande é sempre humilde, por isso ele chegou onde chegou e fez amigos em toda a parte. Infelizmente vivemos hoje tempos em que a humildade é defeito e a arrogância, a vaidade e falta de palavra é que são valorizadas.
    Pinto da Costa, ardiloso como sempre, quis levá-lo para o FCP e fazer dele uma bandeira, ciente que iria necessariamente desestabilizar o rival. Eusébio que era desprezado pelo Benfica (tal como foi por exemplo Vitor Batista e que acabou como se sabe) acabou por dar uma nega a Pinto da Costa porque teve mais respeito pelo seu clube do coração que o seu clube tinha por si. Mas não foi por isso que deixou de ter boas relações com o presidente portista, que como se sabe sempre o elogiou publicamente como pessoa, apesar de defenderem interesses diferentes.
    No Benfica, acabaram ainda a tempo, e bem, por fazer dele um embaixador do clube e ao mesmo tempo embaixador de Portugal, pois onde quer que fosse, toda a gente sabia que estava na presença do mítico Pantera Negra.


  8. Entendo que o contador da estórinha puxe a brasa à sua sardinha, ainda que chega uma petinga.
    Mas a sorte do Eusébio e do futebol português foi ter ido para um clube, que à época era um colosso mundial, ao contrário do clube de Alvalade.
    Se tivesse vestido a camisola listada de verde e branco, teria sido só mais um e jamais iria, merecidamente, para o Panteão Nacional!

Deixar uma resposta

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.