Remendos públicos de combate ao desemprego

Desemprego Subsídio

Não deixa por isso de ser curioso, e até revoltante, que os partidos da esquerda venham agora em uníssono criticar a criação de emprego através de estágios, empregos subsidiados ou a aposta em formação de desempregados, só porque são uma importante componente da baixa do número de desempregados. [Duarte Marques@Expresso]

Não Duarte: revoltante é o governo anunciar o milagre do emprego quando este assenta essencialmente em estágios, empregos subsidiados ou formação de desempregados cuja variável comum é a precariedade. Revoltante é saber que estas políticas não passam de remendos que não garantem colocação no mercado de trabalho. Revoltante é ver um governo apostado em privatizar o país, em avançar com mais despedimentos na função pública e diminuir o papel do Estado na economia para depois implementar programas através dos quais financia até 80% dos salários dos desempregados contratados pelas PME’s. Revoltante é o calculismo de programas como o Reactivar, baseados em remunerações baixas e com a duração de apenas 6 meses, cujo término coincide com as Legislativas em Outubro. Revoltante é a constante manipulação dos números do desemprego com fins meramente eleitoralistas. Não confunda remendos com políticas públicas de combate ao desemprego senhor deputado. Não sei o que lhe ensinaram em Castelo de Vide mas não são a mesma coisa.

Comments

  1. Konigvs says:

    Longe de mim querer fazer “spam” (era o que havia de faltar que alguém lesse a minha verborreia) mas já que vem a propósito, digo-vos que revoltantes são situações como esta que eu presenciei no fim-de-semana passado:
    http://multi-resistente.blogspot.pt/2015/08/o-abraco-que-lhe-devia-ter-oferecido.html


  2. Revoltante é ver empresas irem embora deste país por motivos sindicais. Falo da Bombardier\Sorefame, falo da Opel, …
    Revoltante foi ver as nacionalizações eliminarem postos de trabalho. Falo da CUF, entre outras.
    Revoltante foi a reforma agrária e acabarem com a produção agrícola alentejana.
    Isto sim é revoltante.

    • joão lopes says:

      “irem embora por motivos sindicais…” e eu que pensava que as empresas se deslocalizavam(para a romenia) por motivos ecormicistas(a globalização)…nacionalizações:e edp é nacionalizada,só que agora quem manda é o PR da china…”a reforma agraria acabou com agricultura” caraças ,entao não foi o cavaco que acabou com agricultura? de qualquer forma,o DM sabe bem o que é propaganda,ola se sabe…principalmente a das redes sociais que têm por norma fazerem assassinatos da carater a coberto do anonimato.

    • Nascimento says:

      Olha o borrego covarde que assina por AS….com que então a Sorefame,a Bombardier, e a Opel sairam cá do burgo devido aos sindicatos!Uau,o que é que andas a fumar?E já agora, o Alentejo “produzia” á brava no tempo do botas.E que bem se pagava nesses tempos, não? Escarro…


      • Eu que vivi, greves de meses, a retirada das propriedades aos donos tradicionais, testemunho que essas praticas criminosas ajudaram muito a Portugal ter um aparelho de estado obsoleto que saiu do corporativismo salazarento para um coroporativismo de bloco central, e que ainda hoje mantém muito iludido a discutir esquerda /direita, como se dum lado estivessem os maus e do outro os bons. E sim para quem tenha a pachorra de desmontar a propaganda dos demagogos, não custa ir aos arquivos dos jornais e ver em que estado ficaram muitas empresas, depois de semanas de greves, diria eu irresponsáveis e algumas em que estive implicado de criminosas. Pensem com a cabeça e deixem-se de chavões tipo religiosos.


    • Revoltante é a infestação de trolls que acontece antes de cada acto eleitoral. Vocês funcionam a pilhas ou são tipo marionetas com a mão de um político qualquer no cu?

      Que motivos sindicais levaram a Bombardier/Sorefame e a Opel a sair de Portugal?

      Quantos postos de trabalho foram eliminados com as nacionalizações e já agora que raio tem isso a ver com o texto? Viu escrito em algum lado que fui a favor delas?

      Reforma agrária que acabou com a produção agrícola no Alentejo? Mas você sabe o que é o Alentejo? Sabe o que Cavaco Silva lhes fez? Quer comparar um ano de reforma agrária com o efeito devastador que os governos PSD/Cavaco Silva tiveram na agricultura e nas pescas?

      Quer comentar o texto ou o cacique só o autorizou a debitar este tipo de porcarias?

  3. Rui Moringa says:

    O comentário do AS é um não comentário ao postal.
    Toda a gente sabe porque é que as empresas (algumas) vão para outras paragens!!!
    Reforma agrária !? O que é que a reforma agrária tem a ver com o postal?! A total submissão das pessoas para poderem sobreviver (despersonalização) tem origem na reforma agrária?!
    O postal do Konigvs é real, uma realizade que classifico de desumana. Isso não imcomoda niguém. Claro que incomoda e pelo menos o autor e a pessoa amiga disso deram testemunho.
    As pessoas não são instrumentos ou coisas.
    Certas lógicas de alguns capitalistas e dos comunistas-capitalistas chineses metem nojo. Sim, nojo, é a palavra.

  4. julio says:

    O AS deve ser um revolucionário!


  5. Volto a lembrar que para quem não cria empregos (partidos, sindicatos, governo..) só pode ser fantasia ou demagogia passar a propaganda de criar empregos. Pena que os eleitores se deixem enredar nessas demagogias e não concordem que tirando o aliviar dos empecilhos ao desenvolvimento das empresas, o que o governo ou partidos dizem que vão criar empregos é banha da cobra. Pela minha parte dou-lhe, melhor não lhe dou o troco, voto noutros. Aqui os meus companheiros trolls por vezes deixam ficar mal este Aventar, onde felizmente não se pratica o retirar de comentarios que não agradam; deixem de insultar e pratiquem a defesa dos pontos de visat com argumentos vãlidos. Para quem sente muitas necessidade de ofender aconselho a praticarem frente ao espelho. Vão se divertir a bruta!!

  6. vasco mopta says:

    Vamos acabar com as polémicas e resolver isto de uma vez por todas, já que eu estou de acordo com o cartaz….vou dar as soluções para acabar com este tipo de discussões politicas :Primeira parte do cartaz :”NÃO QUEREMOS SUBSÍDIOS”….solução nº1 : eliminar de imediato todos os subsídios.
    Segunda parte do cartaz ; “QUEREMOS EMPREGO”. Estamos num país livre, portanto procurem-no ou criem-no !!!

    Estão a ver como eu satisfazia todos os descontentes que se encontravam naquela manif !!!

Deixar uma resposta

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.