Regresso à social-democracia

350_9789722043601_por_uma_democracia_social_portuguesa-1Ontem o Diário de Notícias noticiou que Pedro Passos Coelho quer fazer regressar o PSD à social-democracia mas isto não é possível fazer-se com a tralha ” pafiana “ que quase destruiu o que Francisco Sá Carneiro fundou e construiu com muito esforço, trabalho e dedicação.

Porque se alguém pensa que esta mudança se faz com slogans está muito enganado.

É que a transformação que o PSD sofreu nos últimos anos foi muito grande e deixou profundas cicatrizes.

Em diversas situações ouvi diversos governantes e dirigentes afirmarem e defenderem absolutamente o contrário do está escrito nos princípios programáticos do Partido.

Passamos, durante estes últimos 5 anos, por uma quase negação de nós próprios.

Esta mudança obrigará a uma quase total reciclagem de ideias, de propostas, de ética politica e de pessoas.

Pedro Passos Coelho carrega uma ” cruz ” muito grande.

Passamos por momentos difíceis. Eu sei. Mas podiam-se ter feito as coisas de forma diferente. Com menos prepotência e mais diálogo, com menos insensibilidade social e mais humanismo, com protagonistas credíveis que transmitissem confiança aos portugueses.

Esta vontade de Passos Coelho que agora parece querer corrigir ” a via sacra ” trilhada nos últimos anos poderá não ser suficiente para alcançar os seus objectivos políticos e a mudança poderá ter que passar mesmo por uma nova liderança e uma nova geração.

Depois falamos!