os aguerridos chilenos

O Morro de Arica, vergonha do Chile

Falar da República do Chile, é falar da fortaleza dos seus cidadãos, da sua força, das suas lutas pelo viver e sobreviver. A República foi fundada a 18 de Setembro de 1810, numa primeira instância. Colónia da coroa de Espanha, e com o rei Fernando VII de Borbon, sequestrado e levado para França por Napoleão Bonaparte, a população do país, especialmente a de Santiago, sentia que não tinha quem a governasse. O Governador, Mateo de Toro y Zambrano, feito Conde da Conquista pelo Rei para poder gerir as suas posses, reunia todos os requisitos para o cargo: Mateo de Toro Zambrano y Ureta (Santiago, 20 de Setembro de 1727Santiago, 26 de Fevereiro de 1811), vizconde prévio de la Descubierta, conde de la Conquista y cavaleiro de la Orden de Santiago, militar e político criollo chileno. Convocou uma reunião de notáveis para escolherem quem havia de governar a colónia, porque não havia rei. Como é evidente, os notáveis eram os senhores de posses, nobres também, como já relatei noutros ensaios, editados neste sítio de debate académico.

De facto, esse 18 de Setembro é uma metáfora por causa do rei Fernando VII, ao voltar do seu exílio em França, querer recuperar as suas colónias. Para isso, enviou um exército que os chilenos, durante quatro anos, souberam muito bem combater até há expulsão dos denominados godos, do território nacional, o que aconteceu em 1818, após a vitória, com colaboração da República Argentina (livre desde 1805), na batalha de Maipú.

Até àquela data, a maioria dos líderes independentistas teve que fugir para Mendoza, na Argentina. Formaram o Exército dos Andes, a cargo do general argentino José de San Martín, no qual participava Bernardo O’Higgins, líder das milícias chilenas. Este Exército Libertador, que inicialmente contava com 4.000 homens e 1.200 militantes da tropa de auxílio, para condução de mantimentos e munições, cruzou a

Cordilheira dos Andes e em 12 de Fevereiro de 1817 derrotou as tropas reais na Batalha de Chacabuco, dando início à Pátria Nova. O’Higgins foi nomeado Director Supremo e, em 12 de Fevereiro de 1818, primeiro aniversário da Batalha de Chacabuco, declara formalmente a independência do Chile, que se confirmaria com a vitória do exército chileno na Batalha de Maipú, em 5 de Abril do mesmo ano.

Sob o seu governo realizaram-se diversas obras de infra-estruturas, organizou-se a Esquadra Libertadora que se dirigiu até ao Peru, realizou-se a captura da cidade de Valdivia, que ainda se encontrava nas mãos dos espanhóis, por parte do almirante Thomas Cochrane e promulgam-se duas cartas fundamentais, a Constituição de 1818 e a Constituição de 1822. O’Higgins, porém, ganha a antipatia do povo devido ao seu autoritarismo, às suas tentativas de se manter no poder indefinidamente e à ordem de morte, por influência da Logia Lautarina, de Carrera e de Manuel Rodrígues. Para evitar uma guerra civil, O’Higgins renuncia, em 28 de Janeiro de 1823, e em Julho do mesmo ano exila-se no Peru, onde faleceu em 1842. Bernardo O’Higgins Riquelme (Chillán, Chile, 20 de Agosto de 1778Lima, Peru, 24 de Outubro de 1842), militar e estadista chileno, considerado o pai da pátria. Foi uma das figuras militares fundamentais da independência e o primeiro chefe de estado do Chile independente sob o título de Diretor Supremo entre 1817 e 1823, quando renunciou voluntariamente ao cargo para evitar uma guerra civil, exilando-se no Peru até à sua morte, acontecida em 1842. Anos mais tarde, o seu corpo foi enterrado no Chile, com todas as honras militares devidas a um chefe de Estado e repousa no mausoléu, construído especialmente para ele, no cemitério Geral, que ele próprio tinha criado para os homens sem fé, como ele. O seu mausoléu está no centro de campo dos mortos, perto do túmulo do outro Presidente assassinado, Salvador Allende, ateu e mação como O´Higgins. O primeiro era filho de um Advogado, o segundo, do Vice-Rei do Peru, Ambrósio O´Higgins e da dama da alta aristocracia, María Isabel Riquelme y Meza (Chillán Viejo, Región del Biobío, Chile 1758 – † Lima, Peru 21 de Abril de 1839).

Organizar a República, não foi tarefa fácil, como não o foi também para Salvador Allende, mais de cento e cinquenta anos depois. O´Higgins organizou uma República livre, com eleições para o Parlamento bicameral de Deputados e Senadores, eleitos por sufrágio universal. Allende quis organizar uma República Socialista, materialista histórica e triunfou, contudo, esse triunfo custou-lhe a vida e todo o país retrocedeu para os tempos de O´Higgins, com polícia secreta e assassinatos como, anos antes, o de Castiço, homem bem amado pelo seu empenhamento na libertação do Chile, Manuel Javier Rodríguez Erdoíza (Santiago, 24 de Febrero de 1785Tiltil, 26 de Mayo de 1818) foi um patriota que realizou inumeráveis acções em prol da independência do Chile, como, advogado, político, guerrilheiro e militar chileno, é considerado como um dos principais gestores e participantes do processo da independência do Chile. Membro da aristocracia, pôs-se ao lado do povo e com ele vivia, como Allende mais tarde. E, como Allende também, o Director Supremo o mandou assassinar na aldeia de Til-Til, durante a noite. Esse outro Director Supremo que mataria Allende, era da mesma calanha traidora dos ditadores que desejam governar sós. Assim foi, o Pai da Pátria, teve o bom senso de se auto-exilar, evitando a guerra civil na nova República, enquanto ao outro tiveram de lhe tirar o poder de ditador, sendo julgado e falecendo réu da Corte de Apelo, aos 91 anos.

Mas, e o povo? A palavra povo significa multidão de gente; a plebe; gente ínfima. Mas, é essa gente ínfima que tem ganho as batalhas mais duras e conhecidas por todo o mundo. Como o caso dos mineiros, de que temos falado imenso, com tristeza e felicidade e que teve a virtude de converter um Presidente da República, de uma pantomima de Presidente, para um ser humano sério, ao pé do povo desde o primeiro dia da catástrofe até ao 13 de Outubro, quando o último mineiro foi resgatado. Os tempos mudam: dois libertadores fracassaram, um gigolô, triunfa. É evidente que com a colaboração da NASA e de dezenas de técnicos de outros países que trabalharam pelo Chile e o que parecia uma morte certa de trinta e três pessoas, passou a ser um acto heróico internacional.

Em 1880, os mineiros foram os aguerridos soldados que souberam entrar no Peru e na Bolívia, que tinham declarado guerra ao Chile pela ambição de se apoderarem das minas de nitrato que, nesses tempos, servia para fabrico de armamento tão necessário nas guerras da Europa.

A nossa República tinha duas ideias: primeiro, que o seu território não fosse invadido; segundo, que o nitrato não fosse usado para matar pessoas. O nitrato, denominado caliche em chileno castiço, servia para adubo e outras aplicações. O nitrato de sódio é um composto químico de fórmula NaNO3, cristalino inodoro e incolor, semelhante ao nitrato de potássio, inclusive no comportamento químico. Solúvel em água, álcool e amônia líquida.

O nitrato de potássio, usado na produção de fertilizantes e de explosivos, mas também na produção de algumas carnes enlatadas para preservar a cor, encontra-se nos (maiores) depósitos naturais do Chile, Peru, Argentina e Bolívia. No Chile também lhe chamam salitre.

Motivo da declaração de guerra, que o Chile ia perdendo, em 1880, não fossem esses aguerridos e valentes chilenos que entraram em território inimigo escalando a imensa rocha do Morro de Arica.

O morro de Arica Coordenadas: 18°28′49″S 70°19′25″O / -18.48028, -70.32361 é um cerro costeiro, que tem 130 m de altitude, emprazado ao sul do espaço urbano de Arica, na Región de Arica y Parinacota, no norte do Chile. É um dos maiores referentes turísticos da cidade. Foi declarado Monumento Nacional no dia 6 de Outubro de 1971. Aí se pode visitar o Museo Histórico y de Armas de Arica, ladeado de três fortes.

Nesse morro desenvolveu-se a Batalla de Arica, a 7 de Junio de 1880; um sangrento facto dentro do marco da Guerra del Pacífico. O morro foi tomado sem máquinas da NASA, que não existia, mas sim por mais de cem soldados aguerridos que fizeram fugir, uma vez no cume da rocha, os peruanos e os bolivianos. Facto entendido como uma vergonha para a história de alguns países de América Latina e para a procura da paz e da calma, entre os povos, com imensa fraternidade, raramente se historiografia, excepto como está narrado em mais de dois livros, de uma colecção de cinco: Adiós al Séptimo de Línea, escrito primeiro como guião para a rádio, e por sugestão de amigos, passou a ser livro em 1995, Editora Zig-Zag. Esta ligação que ofereço ao leitor, é para saber do que trata o livro http://www.dflibros.cl/adios-al-septimo-de-linea.html do guionista, dramaturgo e escritor chileno Jorge Inostroza Cuevas (1919 em Iquique, Chile,- 5 de Enero de 1975 en Santiago de Chile). Este escritor e guionista chileno teve a audácia de pesquisar em arquivos, contra a vontade dos membros das Forças Armadas. Sim, os chilenos eram aguerridos, sim, os chilenos eram valentes, sim, os chilenos tinham força de vontade, e finalmente, sim, os chilenos tinham imensa coragem. Mas os peruanos e bolivianos também. É isso o que desgosta os nossos irmãos do Continente que começam guerras que nunca são ganhas. Não é orgulho, não é arrogância, mas sim, a inexistência do medo dos chilenos. Mal chegaram ao cimo do morro, mataram e liquidaram o batalhão peruano que guardava a rocha. Ébrios de triunfalismo, de aguardente e de adrenalina pelo esforço de subirem com as suas baionetas esse rochedo de 130 metros de altitude, não perdoaram ninguém. Foi uma batalha ganha como guerra, mas uma vergonha a atitude dos aguerridos chilenos. La Batalla de Arica, también conocida como el Asalto y Toma del Morro de Arica, enfrentó a la República Peruana contra la República de Chile en el sur del Perú y se llevó a cabo en la ciudad de Arica en Junio de 1880.

La historiografía peruana considera la batalla a todos los enfrentamientos ocurridos desde el 27 de Mayo hasta el 7 de Junio de 1880.

Posteriormente a este sucesso chileno, desenrolaram-se as Conferencias de Arica, com o objectivo de se elaborar um tratado que pusesse fim à guerra, simultaneamente parte desde Arica a expedición Lynch para o norte do Perú com o fim de destruir as haciendas azucareras, que após a perca do salitre de Tarapacá constituíam a principal fonte de ingressos do Peru, e pedir contribuições de guerra aos fazendeiros peruanos As conferências de paz acabaram por se realizar a bordo da fragata estadounidense Lackawanna, sob a tutela do governo dos Estados Unidos da América, a 22 de Octubre de 1880. O fracasso destas negociações incentivou a continuação da guerra, que, finalmente, terminou em 1885, com um Ptaricio Lynch a elevar-se ao cargo de Virei do Peru! Arica, antes peruana, passou a ser mais uma província do Chile, como Antofagasta, antes da República da Bolívia.

Eis porque denomino os chilenos de aguerridos. São bondosos e acolhedores, mas quando entram em conflito, são de uma ferocidade que ninguém consegue aguentar. Não é em vão que ao longo dos Séculos XIX e XX, se tenham declarado duas guerras civis: uma com a morte do Presidente da República José Manuel Balmaceda Fernández (Hacienda Bucalemu; 19 de Julio de 1840Santiago19 de Septiembre de 1891), Presidente de Chile entre 1886 y 1891. Inició su gobierno con un ambicioso plan de obras públicas y con el ideal político de unir a los liberales en un solo gran partido. Pero pronto inició un enfrentamiento con el congreso por la pugna entre presidencialismo y parlamentarismo, que se transformó en una Guerra Civil en 1891, tras aprobar Balmaceda el presupuesto de la nación sin la firma del Congreso. Derrotadas sus fuerzas en las Batallas de Concón y Placilla, se suicidó el 19 de septiembre de 1891 en la legación argentina. Fonte: http://www.eumed.net/cursecon/textos/Frank/1.G.3.htm, bem como Encina-Castedo, Historia de Chile, pp. 25-26.

Sim senhor, os chilenos são aguerridos, andam sempre a lutar e orgulham-se de sempre ganharem batalhas e escaramuças. Se não fosse pelo indómito sentimento de serem aguerridos, nada disto teria acontecido. Os chilenos são denominados os Ingleses de América do Sul. Mas, aí, se pisam um pé ou os resultados das gestões não são do seu agrado: a belicosidade acorda de imediato. Foi esse sentimento que permitiu aos mineiros sobreviverem soterrados 70 dias e saírem a cantar e a dançar!

Orgulho-me do meu povo, mas não consigo perdoar a sua extrema belicosidade…é insana…

15 de Outubro de 2010

Deixar uma resposta