A propósito do nepotismo e do “mérito”

O Manuel Antunes tem 51 anos, completou o 9º ano e assinou no mês passado um contrato com uma empresa de trabalho temporário para servir à mesa num barco de turismo a troco de um chorudo salário de setecentos e poucos euros. O filho do Antunes chama-se João, tem 22 anos, e o pai meteu uma cunha ao chefe de mesa, que meteu uma cunha à mesma empresa de trabalho temporário, que arranjou um part-time ao filho do Antunes como guia turístico, a ganhar quinhentos e tal euros líquidos. Mais gorjeta. A filha do Antunes, a Matilde, está emigrada em Inglaterra desde o ano passado e também arranjou emprego numa loja através de uma multinacional de recrutamento. Paga a comida e o quarto e põe de lado uns trocos para as visitas a Portugal na Ryanair. O primo do Manuel Antunes, o Pedro Cunha, tem 42 anos e trabalhou até ao final do ano passado num call center de uma empresa de telecomunicações. Dedicou-se ao vinho e à heroína e agora está internado num hospital público à espera da morte. A mãe do Pedro Cunha tem 76 anos, é viúva e vive num casebre alugado que paga com a reforma de quatrocentos euros, enquanto vai resistindo ao assédio dos promotores imobiliários que a visitam todas as semanas e a tentam expulsar da sua casa em Miragaia.

[Read more…]

Da institucionalização da cunha

Tema sempre actual, sobre o qual tive já a oportunidade de mandar a minha posta, e que ressurge agora sob a forma deste interessante cartaz. Do lado esquerdo, muito bem atribuído, podemos ver esse grande camarada que é Paulo Núncio, um indivíduo a quem a cunha institucional não é alheia, merecendo o lugar que ocupa no cartaz pela sua vasta experiência em áreas como a isenção e a evasão fiscal, bem como noutros regimes de excepção, sejam eles listas VIP das Finanças ou simples favores (cunhas, se preferirem) a ministros colegas de governo, que permitiram a amigos desses ministros escapar a pagamentos avultados ao fisco. No que toca a institucionalizar a cunha, Paulo Núncio tem um percurso que fala por si. [Read more…]

Cristas contra o tacho sindical

No encerramento das jornadas parlamentares do CDS-PP, Assunção Cristas anunciou que vai convocar o ministro do Trabalho e da Segurança Social ao Parlamento, para lhe pedir explicações acerca da portaria sobre a integração dos precários no Estado, que permite que os sindicatos sinalizem situações de precariedade. Segundo Cristas, estamos perante “a institucionalização da cunha pelos sindicatos“:

Hoje fomos surpreendidos com a notícia de que o Governo vai dar voz aos sindicatos para ajudar, não quero dizer selecionar, mas pelo menos para meter uma cunha.

[Read more…]

Oferta de Emprego para a Vera Pereira

Confesso que pensava já ter visto tudo, mas há sempre uma surpresa a caminho.

Então o IEFP divulga uma oferta de emprego com o nome do destinatário?

E, para melhorar a situação o IEFP comenta que foi um:

“lapso registado no procedimento” mas afirma que “a situação identificada é perfeitamente normal”

Eu, tal como a notícia de serviço público da RTP, apetece-me perguntar como é que um candidato faz para poder mudar de nome?

Comecem por visitar uma Conservatória e mudar, então, o nome para Vera Pereira. Têm é que andar depressa para ir a tempo de apanhar a oferta…

Nota (23h): parece que a coisa não é, afinal, o que parece. O diz que disse e o explica sem explicar vai já em várias versões… Até próxima informação fica a informação disponível no Jornal Público.

Ditosa pátria que tais ladrões tem

Helena Roseta contou um caso ocorrido com Miguel Relvas que tresanda a tráfico de influência. E, pasme-se, é uma farisaica arquitecta que gosta do protagonismo.

Já Domingos Nóvoa, quando denunciado por Sá Fernandes, virou a acusação contra o acusador. Percebe-se por estas reacções, sem pejo em defender um ministro mentiroso e corrupto, o que  aconteceu nos tribunais. Em Portugal corrupção é mera cunha, fazem todos, deixa-se andar, aponta-se o dedo a quem denuncia, e daqui a meia-hora estão a dizer mal da Grécia, essa sim, a pátria das poucas vergonhas.

E o Ministério Público, dorme aonde?

Agradeçam ao senhor Cunha.

Parece que um organismo internacional descobriu o que o governo da República Portuguesa anda a tentar ocultar há anos: a “corrupção no sector público” como causa da crise da dívida em Portugal. Não era preciso gastar milhões em estudos, como aqueles que foram gastos na OTA e no TGV para perceber uma coisa simples, que a corrupção, seja ela do tipo clientelista (como a cunha) ou da alta finança produz efeitos bombásticos no desenvolvimento de um país.
A cunha, por exemplo, tem semeado a incompetência na administração pública que pretere o mérito pela admissão de indivíduos ligados a famílias e partidos. Não ignoremos que a maioria dos concursos públicos estão viciados: ou são feitos à medida de um certo candidato ou o próprio júri justifica com intrincáveis preciosismos a sua escolha, frequentemente um medíocre tirado das fileiras de inúteis que alimentam as Queimas universitárias. Da administração central ao governo, do cantoneiro ao primeiro ministro, faz tudo parte de uma imensa cadeia de favores mútuos que vem do passado: uns ajudam outros e todos se ajudam.
A verdadeira ética que alguns chamam republicana era acabar com a partidocracia e devolver ao cidadão o controle da política. Mas isso, claro, não convém a ninguém. Mesmo os que agora criticam o que antes aplaudiam. Quando havia dinheiro para distribuir e cunhas para agradar a todos, toda gente era pró-europeísta, votava a torto e a direito em PS e PSD. Agora, tirada a gamela, morra o Euro, morra PSD, morra o PS, abaixo os políticos e acabe-se com a corrupção.
É a cair que aprende a andar, meus amigos.

Nota 10?

Ocasionalmente aparecem umas virgens ofendidas quando rebenta um escândalo como o dos futuros magistrados, presentemente cábulas. Não se ofendam. Há anos que o país forma pessoas preguiçosas, falsas e incompetentes. Reparem como é tão fácil chegar a primeiro-ministro: o curso é um acessório, basta adquirir um cartão de partido e militar alguns anos, decorando chavões e frases feitas. Convém ter bom aspecto, mas o que conta são os amigos.

Ao longo desta III República foram colocados jotinhas, boys e toda uma plêiade de indivíduos medíocres em cargos intermédios e de topo, não pelo mérito curricular, mas apenas por terem um cartão partidário ou serem amigos, filhos, sobrinhos, netos, primos ou enteados de políticos. A função pública, do Presidente da República aos varredores de rua, está inçada de autênticos degenerados. Basta visitar as repartições de uma Câmara Municipal, dos técnicos superiores aos administrativos, tudo tem aquela aparência entre o indolente e o arrogante mas, se rasparmos um pouco o verniz, o nosso interlocutor é uma profunda nulidade, desconhecedor dos fundamentos para aquilo que trabalha, vivendo os dias como um vegetal.

Mas não duvidem que a questão do “copianço” dos futuros magistrados é um escândalo. Num país menos habituado aos compadrios isto seria motivo para despedimentos e sanções. Sobretudo para aqueles que desculpabilizaram o acto e ainda o premiaram com a nota 10. Por cá relativiza-se tudo. Por cá, a CUNHA, esse velho recurso social, é visto, por todos, como normal. Quem, como eu, várias vezes concorreu a lugares públicos, sabe a farsa que está por detrás das escolhas. Ainda há dias, num concurso para um lugar na Câmara Municipal da Maia, houve exclusões por falta de assinatura do curriculum vitae… Mas o CV é último documento que interessa numa candidatura, se o telefonema, o “toque” já não tiver sido dado. Informaram-me recentemente que existe um sistema hierárquico de “cunhas”, em que a palavra do presidente da câmara é a mais forte. Seguem-se as dos vereadores, técnicos, etc. Abençoada sociedade que assim se organiza! [Read more…]

%d bloggers like this: