Eleições na TVI

O segredo da TVI é simples: nada de eleições, uma câmara em cada cidadão, e já agora nada de concorrência. Ainda não dizem, mas já pensam.

Vota!


Vota!
Mas vota apoiado na memória anterior aos últimos três meses de festas, passeios, bolinhas, calendários e beijinhos.

As campanhas eleitorais são uma arma, da democracia

Faz por estes dias 40 anos que participei pela primeira vez numa campanha eleitoral. Não foi bem uma campanha eleitoral, perante a total ausência de democracia a CDE desistiu de ir às urnas, mas aproveitou-se a possibilidade para se fazerem algumas coisas, como reuniões e ter uma sede aberta, sempre deu para alguma acção contra o fascismo marcelista (abertura e primavera, o raio que vos parta, ó revisionistas).

Ainda não me cansei. Gosto de campanhas, em particular de autárquicas. É certo que a democracia que vivemos é muito relativa (o meu amigo, e vejam lá, concorrente por outra lista à mesma Assembleia de Freguesia, José Gabriel, já aqui deixou uns exemplos do jogo viciado que uma comunicação social tipo a voz do dono alimenta), mas ainda é uma democracia, os votos são contados sem chapeladas de maior e todos podemos concorrer.

Da minha opção e de como a vejo um princípio da resistência organizada que  à esquerda temos de construir, já aqui falei. Fazendo o balanço da campanha repito-me: muito positivo. Uma candidatura que recebe como o único ataque dos seus adversários ser do Bloco de Esquerda tem a vida facilitada, a verdade é como o azeite basta olhar para as listas para ver como isso é uma rematada tolice. Mesmo com o boicote do mais velho jornal diário da aldeia, no Domingo contam-se os votos e outras contas se farão. Mas aproveito para duas notas pessoais. [Read more…]

O travestismo político em António Marinho Pinto

marinho_pinto_PAGINA

Decidiu o bastonário dedicar a sua crónica no JN ao dandismo político. Alvo? o Bloco de Esquerda em geral e a candidatura independente Cidadãos por Coimbra em particular.  Traça um retrato impiedoso: “O dândi ou janota intelectual é uma pessoa que ostenta em regra um discurso intrinsecamente muito coerente.” e remata com esta descoberta brilhante: “Esse movimento ao serviço do BE mais não pretende do que criar dificuldades eleitorais à CDU e, sobretudo, impedir a eleição do socialista Manuel Machado, único candidato de esquerda com possibilidades efetivas de (re)conquistar a presidência da Câmara Municipal à direita.” Isto recorda-me o clássico ao serviço de Moscovo, e é capaz de irritar um bocado aqueles que como eu não participariam num “movimento comandado pelos dândis do BE na cidade“, nem se sentem “politicamente à deriva.”

Ora, e com toda a consideração pessoal que não deixo de ter pelo Marinho da Anop, estou em crer que algo lhe turva a memória. A memória de quem denunciou o caso dos CTT e agora vê em Manuel Machado esquerda, o mesmo Manuel Machado que não pode contar na sua equipa com Luís Vilar porque um tribunal o condenou a 4 anos de pensa suspensa e “à pena acessória de proibição do exercício de funções como titular de cargo político“, precisamente por envolvimento no caso dos CTT enquanto vereador de Manuel Machado, o homem que entregou a câmara de Coimbra ao PSD.

O António Marinho Pinto que nos primórdios do Bloco se prontificou a encabeçar a sua lista para o Parlamento Europeu (coisa de que me recordo tão perfeitamente como a sua recusa em ocupar outro lugar), e fiquemos por aqui, terá mudado de vestes mas suponho que não mudou de género. Só é pena que ande agora, feito travesti, à deriva pela amnésia conimbricense.

Braga: Perguntas e Ideias


Braga precisa urgentemente de respostas a muitas perguntas de resposta adiada, décadas a fio…

Voto branco e nulo = abstenção

A dolorosa a visão do país político que as autárquicas desvendam, as estradas de repente minadas de outdoors com engenheiros anafados a prometer mais do mesmo, a criatividade bacoca, as frases-feitas e os lugares-comuns acordizados, os discursos da obra feita em que não cabe o povo que agoniza na miséria do desemprego e da carência mais abjecta: o país real. Mas há mais mundo, cidadãos por Coimbra e outros por outros lugares, e haverá sobretudo mais País se não entregarem os pontos e forem votar. Não em branco, que não serve de nada (e nem mesmo se os milhões que se abstiveram nas últimas eleições votassem em branco), mas em alternativas ao marasmo corrupto e liberalíssimo de quem pensa a política como uma escada de ascender ao poder de subjugar todos os outros. Vão votar. A vossa abstenção não pune ninguém senão vocês próprios (sois masoquistas porventura?) e premeia os que conseguirem juntar mais votos, tanto menos necessários para serem vencedores quanto mais cidadãos se abstiverem de votar – assim funciona o sistema eleitoral.

33218

Poderiam ser as medidas de combate ao desemprego em Gaia – uma por cada um dos desempregados que a Gestão de LFM piropoajudou a consolidar e, nisso, Gaia continua na FRENTE.

Mas, ao pensar no candidato forte à Junta de Campanhã, confirmo a apetência forte para resolverem problemas de desemprego. Aliás, quase conseguia resolver um problema semelhante a um vereador de matosinhos, não fosse terem aparecido umas trapalhadas pelo meio.

E assim continua a democracia a norte.

Votos brancos e nulos

logo_autarquicas2013

«Ainda que o número de votos em branco ou nulos seja maioritário, a eleição é válida.» Pois é. Se não andas a dormir, não durmas na forma.

Um Vídeo de Campanha


Bem feito, muito bem feito.
Célia Pessegueiro é candidata à Ponta do Sol (e eu nem sei onde fica!).

A reboque…

BTEkdcHIcAAb7CO

(fotografia de Pedro Rocha)

O Movimento que lava mais branco

Logotipo

O denominado Movimento “Revolução” Branca é coisa que cheira a esturro. A ver se nos entendemos: neste momento não há candidaturas autárquicas, as eleições ainda agora foram marcadas e nem uma lista foi entregue nos tribunais.

Depois de o serem há um prazo para reclamações, e pelo menos um partido já avisou que reclamará contra todas as candidaturas encabeçadas por gente que pensa a política autárquica como uma profissão. Daí haverá recurso para o Tribunal Constitucional, que terá um prazo breve para se pronunciar. Espero que o faça de acordo com o óbvio e os princípios básicos do republicanismo.

Entretanto temos folclore. Uns juízes decidem sobre o que não existe a partir de queixas de quem não se candidatando não tem nada que meter o bedelho no assunto e sobre intenções de candidatura sem qualquer valor formal. Em democracia é assim, quem discorda vai a votos, tanto mais que existe a possibilidade de candidaturas autárquicas independentes (muito dificultadas, mas existe).

O dito Movimento “Revolução” Branca que se  candidate, ou então ficamos pelo discurso salazarista anti-partidos. Convém lembrar que o Estado Novo também foi produto de uma Revolução Nacional, que lavou bem branco as responsabilidades da direita no afogar da República. E basta ver o vídeo de apresentação para perceber que isto é mais do mesmo. Nem o Carl Orff e o seu execrável homicídio da Carmina Burana falham.

O Uso de Crianças nas Campanhas

Eleitorais: sou contra.

Estacionamento à la Mesquita Machado

É fartar vilanagem em Braga!

Sondagens? deve ser gozo

O JN encomendou umas sondagens autárquicas, e logo à Eurosondagem. A piada está em que várias delas têm candidatos fictícios. Era bom lembrar que no Porto, Aveiro e Lisboa o PSD aguarda uma decisão do Tribunal Constitucional sobre a sua fraude republicana. De resto o choradinho vai-se preparando: os bons resultados em sondagens de Menezes e Ribau (olha que dois) servirão para desculpabilizar a derrota que o seu partido vai sofrer em toda a linha.

A Eurosondagem bem pode atribuir 33% a Menezes. O Tribunal Cível do Porto muito justamente deu-lhe zero.

Limite de mandatos, República e bom senso

Calimero

Um princípio republicano que me é particularmente caro resume-se nisto: a política é um serviço, não é uma profissão. Também porque o leninismo (em circunstâncias históricas que até o admitiam) criou a figura do revolucionário profissional, e a manteve, muitos países acabaram em monarquias norte-coreanas.

Entre nós mais que uma profissão transformou-se numa carreira, com jota-iniciação e passagem a sénior deputado ou autarca, com a agravante de nos partidos do arco se ir rodando pelo poder empresarial, que não busca nos políticos talentos mas mero tráfico de influências.

O anedótico episódio dos presidentes de câmara que querem mudar de concelho porque lhes limitaram os mandatos chega a ser caricato. É certo que o mal vem detrás, não faz qualquer sentido o típico pára-quedismo que admite aterragens em concelhos onde nunca se viveu, aproveitando normalmente famas mediáticas.

Mais um tribunal acaba de mandar Luís Filipe Menezes ganhar a vida noutro lado (que diabo, o homem até é médico, não fica desempregado), e a falta de clarificação da AR promete enriquecer o luso-anedotário; dificilmente o assunto será resolvido a tempo de, na altura da legalização das candidaturas e no curto prazo em que cada juiz as valida, haver jurisprudência nacional. [Read more…]