Israel institucionaliza a segregação

algo que de resto não surpreende. Tratou-se de uma mera oficialização do carácter fascista e racista de um dos regimes mais violentos do planeta.

“A grande invasão”

– eis como chamam os partidos políticos alemães à entrada maciça de refugiados, sírios e outros (estima-se que sejam mais de 800 000, os que entraram na Alemanha apenas em 2015), que procuram uma oportunidade de vida na Europa. É um jornalista alemão que o escreve, explicando o consenso que há entre os partidos alemães relativamente à tragédia humanitária que tem aportado nos territórios europeus.

migrantes_macedonia_agosto2015
(c) REUTERS | Ognen Teofilovski | Migrantes na fronteira da Grécia com a Macedónia

«Raramente os responsáveis políticos estiveram assim de acordo. Seja a extrema-direita, a direita, os social-democratas, os verdes ou o Die Linke, toda a gente usa a mesma palavra para designar o afluxo de refugiados – «grande invasão», «Völkerwanderung», em Alemão. (…) A expressão estimulará uma vez mais o ódio e a violência dos que não compreendem que os fluxos migratórios não emanam de Deus, antes são o resultado de más políticas, levadas a cabo durante séculos.»

Segundo a mesma fonte, «a única que ainda não usou a expressão é Angela Merkel. (…) Fiel aos seus hábitos, prefere esperar para ver como se comporta a «vox populi» antes de tomar uma decisão. Uma estratégia de uma ineficácia política absoluta, mas que a faz ganhar eleições. (…)» [Read more…]

“quanto mais heterogénea a escola for, melhor ela vai ser”

diz, e bem, David Rodrigues.

Dai-lhes um Hitler, senhor, no aniversário

Crianças judias expulsas de escola nazi

Crianças judias expulsas de escola nazi

Educai-os senhor, que eles só sabem o que ensinam é o título de uma prosa de Mário Amorim Lopes, suponho que a sua estreia no mundo do humor negro. Grosso modo é o que pensa Nuno Crato, pelo menos no Brasil.  A cena é assim:

Por causa do clima e outras cenas de cada terrinha, o Mário Amorim Lopes acha que o ensino deve ser bué de descentralizado. E autónomo. Vai daí, cada escola que trate da sua vida, diz que é uma espécie de heurística, bora lá curtir uma de experimentalismo.

O detalhe de para se escrever um programa dar um certo jeito nomear um grupo de trabalho presidido por uma autoridade científica, normalmente vinda de uma universidade, acompanhada por quem percebe de didáctica da respectiva disciplina e já agora por professores com experiência de leccionação (nem sempre é assim, mas devia ser), é o tal detalhe, vamos ao importante.

O importante é que algures na C+S de Alguidares de Baixo se juntem os três professores de uma dada disciplina e experimentem. Excelente ideia, também se devia aplicar ao sistema de saúde. Os dois médicos que trabalham no Centro de Saúde local também podiam meter o bedelho nalgumas especialidades, sei lá: um fazia umas cirurgias, o outro dedicava-se nos momentos de ócio a descobrir um novo tratamento para as cataratas, e os enfermeiros bem que podiam ficar com coisas mais simples, como as infecto-contagiosas e os cancros. Com jeito e habilidade todos juntos ainda faziam uns transplantes.

Pode correr mal? que se lixe; Alguidares de Baixo é longe, os bisavós dos putos nem sabiam ler nem escrever e foram felizes. [Read more…]