O regresso dos vómitos do Lemos

Valter Lemos escreveu na Gazeta do Interior sobre a greve dos professores. Queixa-se do que aconteceu em 2005:

A razão dessa greve foi o protesto contra a decisão do governo sobre a “ocupação plena dos tempos escolares”, que ficou conhecida como as “aulas de substituição”.

Considerando essa reivindicação irrelevante (e só por si até seria, com a curiosidade de apenas afectar os professores com mais de 50 anos de idade, para além de ser uma barbaridade pedagógica que até Nuno Crato quase deixou cair). [Read more…]

Valter “Areia para os olhos” Lemos: o desempregado é uma espécie em vias de extinção

Valter Lemos doutorou-se, recentemente, em biologia virtual, com uma tese sobre o desempregado, uma espécie em vias de extinção, de acordo com as conclusões a que chegou após um estudo aturado, sob a orientação de Maria de Lurdes Rodrigues, que, como se sabe, fez desaparecer o insucesso escolar meia hora depois de ter chegado ao Ministério da Educação, em 2005. Segundo o estudioso “há muita gente a falar de desempregados, sem saberem, na realidade, o que é um desempregado.”

Socorrendo-se de uma imagem zoológica, Valter Lemos afirmou que também é usual os leigos confundirem um jaguar com um leopardo. “Para se ser desempregado” explicou “não é suficiente não ter emprego. Esse raciocínio é de um simplismo próprio dos ignorantes. Só se pode ser considerado desempregado após a sujeição a uma bateria de testes psicotécnicos, o preenchimento de trinta e três impressos e conseguir dar duzentos toques numa bola de futebol sem a deixar cair. É por isso que Portugal tem os melhores desempregados do mundo, poucos mas bons.”

Quanto a projectos para o futuro, Valter Lemos continuará a dar formação no âmbito da odontologia, com uma acção intitulada “Mentir com quantos dentes tem na boca: a importância dos incisivos.” Também no campo da criação animal, dará, proximamente, uma conferência: “A verdade sobre o desemprego: no dia em que as galinhas tiverem dentes.”

A importância do Latim

Eles conhecem os deuses gregos e falam latim

A sociedade e a escola portuguesas têm vindo a esquecer a importância das Humanidades, o que tem contribuído para sonegar à grande maioria dos jovens um conhecimento mínimo acerca das raízes da cultura portuguesa, com tudo o que isso implica de elementos da cultura europeia, o que, por sua vez, historicamente, os obrigaria a olhar para Atenas, Roma, Jerusalém e Meca, para não tornarmos esta lista extenuante.

A propósito deste problema, seria importante referir, entre outras causas, a desvalorização da Literatura no Secundário ou da História no Básico e no Secundário. O que esta notícia vem lembrar é a importância do ensino precoce do Latim, que, nos últimos anos, tem passado de Língua aparentemente morta a disciplina em estado efectivamente comatoso.

Reler esta notícia de 2008 serve para confirmar que a Educação em Portugal tem estado entregue a inimigos do saber e do conhecimento. A propósito da diminuição de alunos a aprender Latim, dizia, então, em dialecto educonomês, Valter Lemos: “Temos professores para ensinar Latim, mas não há procura. O problema existe nas línguas clássicas no geral e até em algumas línguas modernas. Tem a ver com as expectativas e os interesses das famílias.” Não seria, então, de sujeitar a escolha do currículo a uma sondagem às famílias?

As práticas das escolas referidas na notícia merecem-me os maiores elogios e não deveriam estar dependentes de nenhuma espécie de autonomia: o ensino do Latim deveria ser obrigatório.

Valter Lemos: o circo é o pão

Valter Lemos, folgazão emérito e cultor do pensamento positivo, congratula-se com a estabilização dos números do desemprego. A constante boa disposição manifestada pelo Secretário de Estado do Emprego valeu-lhe convites para comentar a situação na Líbia, tendo o incurável pândego garantido que a mortandade é má, mas tem tendência a não aumentar, “especialmente porque, quantos mais morrem menos há para morrer.” acrescentou.

Ana Jorge, a Ministra da Saúde, também terá pedido ao jovial governante que passe pelas enfermarias dos politraumatizados a fim de os animar com as suas larachas e o chistoso político não se fez de rogado, tentando demonstrar-lhes que tiveram muita sorte em não partir a falangeta que lhes sobrou dos acidentes de mota. Infelizmente, um doente mal-humorado, tentou morder o prazenteiro e incompreendido estadista: “Só não lhe dei uma cabeçada porque tive um traumatismo craniano.”

O bem-disposto penamacorense ainda chegou a pedir ao Primeiro-Ministro que lhe fosse fornecido um nariz vermelho, mas José Sócrates ter-lhe-á dito que Mário Lino tinha ficado com o último.

O desemprego, afinal, não cresceu

Seria péssimo jornalismo ser um jornalista a evidenciar uma verdade tão absoluta que nunca poderia ser uma notícia. Para isso, existe a Ministra do Patronato do Trabalho. Se a senhora continuar nesta senda de honestidade ainda se arrisca a reconhecer que o governo, afinal, só tem conseguido acentuar a tendência para aumentar o desemprego. Corre, ainda, o risco de ver o Câmara Corporativa realçar o seu duvidoso passado de sindicalista, do mesmo modo que o Governador do Banco de Portugal passa a antigo chefe de gabinete de João de Deus Pinheiro mal emite alguma opinião incómoda para a rósea governação.

Talvez por ser rósea a governação é que Valter Lemos veja cor-de-rosa onde a coisa está preta: o impagável secretário de estado manifesta um quase regozijo ao descobrir que o desemprego cresce muito, sim, mas devagarinho, o que deve servir imenso de consolo para os que se vão desempregando.

Uma vez que a estupidez desperta em mim o mais acentuado espírito competitivo, proponho que se passe a afirmar que não foi o desemprego que cresceu: foi o emprego que encolheu. E mais esta, para ajudar Sócrates, quando for, finalmente, confrontado com a recessão técnica (outro conceito que faz muita diferença aos que vivem com cada vez mais dificuldades): bastará afirmar que, se é certo que o país saiu da crise, a verdade é que a crise não tinha saído do país.

Uma boa razão para votar Alegre

Valter Lemos, o ex-vereador que chumbou por faltas, não gosta de Manuel Alegre.

“Não apoio Manuel Alegre e não considero que a candidatura cumpra as condições adequadas para a Presidência”

afirma o teórico da campanha de privatização do ensino público encabeçada por Maria de Lurdes Rodrigues.

Manuel Alegre recebeu desta forma um inesperado apoio: muitos professores passam a encarar a sua candidatura de outra forma, até porque o inimigo do meu inimigo se meu amigo não tem de ser, pelo menos meu inimigo não é.

Boston Legal

Curriculum de Valter Lemos

 

 

Curriculum de Isabel Alçada

 

 

Sobre estes Mestrados feitos em Boston, ver  aqui.