Ladrão que acusa ladrão não deixa de ser ladrão

PS acusa Governo de colocar em causa a escola pública

Desumanizar a Escola: um projecto PS/PSD/CDS

A melhor Escola possível deve ser uma comunidade dotada de autonomia, um espaço suficientemente pequeno para que os alunos se sintam protegidos e suficientemente grande para que se sintam desafiados. Deve ser um espaço em que os alunos possam participar em várias actividades e clubes, em que possam contactar com várias artes, em que não sejam confrontados com invenções curriculares e legislativas constantes. [Read more…]

O vírus da avaliação dos professores

Imaginem que têm uma infecção. Imaginem que um médico, ou seja, um especialista na matéria, vos diz que, se a infecção não for tratada, ficarão sequelas graves no vosso organismo. Pergunto-vos, leigos que sejam: pensam que a infecção deva ser tratada o quanto antes ou preferem ficar à espera, como a nêspera?

Os professores e outros especialistas na matéria têm vindo a afirmar, há vários anos, que os modelos de avaliação docente impostos pelo poder socrático estão carregados de defeitos terríveis que dificultam artificialmente a actividade dos professores, com efeitos mediatos e imediatos na qualidade do ensino ministrado aos alunos. A que propósito, então, é que se deve ficar à espera de que esta infecção chamada ADD afecte inevitavelmente o tecido escolar? Qual é a utilidade de prolongar uma situação cujas consequências são conhecidas pelos especialistas?

a incompetência de uma ministra, a aparente sede de poder de alguns serventes e o ressabiamento de um grupo parlamentar que bombardeou a Escola Pública é que podem explicar as argumentações e as reacções delirantes contra a recente e festejada revogação. Entre outras possíveis, proponho a leitura deste texto, em que é comentada a frase alçadiana “Não se interrompe um processo a meio do ano lectivo”.

A luta dos professores e de todos aqueles que estão verdadeiramente preocupados com os problemas da Educação ainda não acabou. No que se refere à avaliação do trabalho docente, é importante que se inicie um verdadeiro debate, com tempo e rigor, de modo a criar um modelo eficaz e justo.

A escola quer-se como a sardinha

Partindo de um texto de José Matias Alves, descobri dois sites (este e este), onde se afirma que, no que se refere a escolas, o tamanho é importante: as mais pequenas são melhores. A Ministra da Educação, uma verdadeira avançada mental, deve ter lido estudos diferentes. É pena que não os divulgue. Aqui fica uma citação que não consiste, propriamente, numa defesa dos mega-agrupamentos:

The Chicago Public Schools is committed to creating and sustaining small schools as a district-wide school improvement strategy. There is almost 40 years of existing research and literature on small schools which indicates that students in small schools have higher attendance and graduation rates, fewer drop-outs, equal or better levels of academic achievement (standardized test scores, course failure rates, grade point averages), higher levels of extra-curricular participation and parent involvement, and fewer incidences of discipline and violence. The summary of research below includes data and information from this body of research, highlighting several studies for each type of measure. These studies include results from research conducted in Chicago, as well as nationally. For detailed information on these studies, please refer to the list of references included at the end of the summary.

Isabel Alçada é toda a favor da democracia, desde que não a contrariem

A ministra da educação afirmou que extinguir a disciplina de Área de Projecto e do par pedagógico na disciplina de Educação Visual e Tecnológica, bem como limitar do estudo acompanhado a alunos com dificuldades são medidas “importantes para reduzir o orçamento e tornar o ensino “mais eficiente””. Dá-se a coincidência de se descobrir a urgência de todas estas medidas apenas quando a austeridade bate à porta. É a síndroma “Dantes já era mesmo a sério, mas agora é que vai ser mesmo mais a sério”.

A mesma ministra fez, entretanto, esta descoberta espantosa: as medidas foram chumbadas por “razões políticas”. Confesso que ficaria preocupado se a revogação tivesse origem em razões religiosas ou clubísticas ou tivesse servido para chamar a atenção para a importância da homeopatia. Afinal, foi uma questão política, como são todas as que são discutidas na Assembleia da República. É natural que a senhora não esteja habituada, porque, depois de quatro anos de ditadura de maioria absoluta, temos vindo a assistir à ditadura de uma maioria relativamente absoluta. A colaboração do PSD será retomada dentro de momentos.

Sempre de olhos bem abertos, Alçada mostra-se aborrecida com a democracia, porque dá nestas maçadas de os partidos da oposição poderem realizar essa actividade surpreendente que é oporem-se. Mesmo assim, decidida, afirma-se convicta de que a reorganização curricular há-de prosseguir. Seria engraçado, em democracia, assistir à aplicação de medidas revogadas, mas uma pessoa, quando vai ao circo, está sempre à espera de ver coisas espantosas.

Um conto tradicional: a Educação é um terreno agrícola

Escolas. Directores lançam metas até 2015, mas avisam que não vão cumpri-las

 

A terra a quem não a trabalha

Era uma vez um senhor que tinha muitos terrenos. Esse senhor era conhecido por Zé, Zé Povinho para os inimigos. Como os terrenos eram muitos, o senhor Zé resolveu pedir ao engenheiro José Platão que tratasse deles. O engenheiro era um homem bem vestido e, como, por vezes, punha um ar sisudo, o senhor Zé Povinho acreditou que era um homem sério. O José Platão lá começou, então, a tratar dos terrenos. Como eram muitos, pediu a ajuda de outros amigos que também não percebiam nada de agricultura. Na Quinta da Educação, trabalhavam, há vários anos, dois caseiros que conheciam muito bem a propriedade: a Joaquina Docente e o Serafim Funcionário.

José Platão pediu, primeiro, ajuda a uma bruxa que era má e, depois, a uma fada que parecia boa. O problema era que aquela Quinta só podia dar bons frutos se as coisas fossem feitas com calma, porque os bons produtos agrícolas precisam do tempo certo, como explicaram a Joaquina e o Serafim. O José Platão queria morangos todo o ano e não queria gastar muito dinheiro. O que era preciso era que o Zé Povinho acreditasse que a terra estava a dar morangos. [Read more…]

que aborrecido…

Uma aventura na rua Sésamo (II)

Uma aventura na rua Sésamo (I)

Educação – rir para não chorar…

A SIC num momento fantástico… da Srª. Ministra da Educação

http://sic.sapo.pt/online/flash/playerSIC2009.swf?urlvideo=http://videos.sapo.pt/Q2GbO1oLAv2qi9ACa50t/mov/1&Link=http://sic.sapo.pt/online/video/informacao/noticias-pais/2010/9/ministra-da-educacao-gravou-mensagem-de-boas-vindas-ao-novo-ano-lectivo15-09-2010-0505.htm&ztag=/sicembed/info/&hash=FF3C1208-4291-4FCC-8A32-9B9AB0E99B57&embed=true&autoplay=false

Os números do sucesso educativo

Governo traça metas para sucesso educativo (TSF)

A ministra da Educação está a pedir às escolas que tracem metas para melhorarem os resultados. Os novos objectivos de aprendizagem para o sucesso começaram, na terça-feira, a ser explicados pela ministra em Braga junto de mais de 300 directores de agrupamentos de escolas.

Pela voz da ministra da educação ficamos a saber que o governo quer que a educação em Portugal tenha maior sucesso. Não se reuniu nem se dirigiu aos alunos para que estes estudem mais. Nem aos pais para que melhor acompanhem os seus filhos. Não. Pediu às escolas que estabeleçam metas. É claro como água que os números sucesso educativo melhorarão e que os alunos continuarão a saber tanto quanto hoje sabem.

A ministra ignora ou esconde?


Por SANTANA CASTILHO*

Quando exprime certezas, erra grosseiramente. Quando responde, afunda-se em equívocos. Quando analisa, não vê os factos. Catita no vestir e no pentear, eis Isabel, leve no pensar, ministra da Educação e fantasista por compulsão.
A vacuidade e a imprecisão continuada do discurso, primeiro em entrevista ao Expresso de 31 de Julho, depois a vários canais televisivos para emendar a proposta de banir os chumbos, obriga ao exercício penoso de contraditar e esclarecer. Não cabendo tudo, escolho o mais danoso. O Expresso perguntou: pondera então alterar as regras de avaliação durante o seu mandato? A ministra respondeu: pondero. O Expresso insistiu: e está disposta a lançar esse debate para acabar com os chumbos? A ministra respondeu: sem dúvida. O Expresso considerou: muitos dificilmente concordarão com o fim da retenção. A ministra respondeu: por uma questão de tradição. Quando se deu conta da leviandade da proposta e de que muitos não concordavam, a ministra veio às televisões dar o dito por não dito, socorrendo-se dos países do norte da Europa, cuja realidade ignora.
O objectivo de qualquer sistema de ensino é que todos aprendam. Mas em todos os sistemas há os que falham. A quantidade dos que falham é consequência de uma gama enorme de variáveis. Umas podem ser intervencionadas directamente pela escola e pelos professores. Outras não. Dependem dos próprios alunos. Das famílias. Da cultura vigente. Da consciência cívica dominante. Da qualidade dos sistemas políticos, da competência dos que mandam, da natureza das escolhas que são feitas e das prioridades que se estabelecem. Os métodos pedagógicos variam.
Mas nenhum sistema sério [Read more…]

Pelo fim dos chumbos

film strip - Chumbos

A notícia: «Isabel Alçada quer acabar "gradualmente" com os chumbos», no Expresso

Imagem de fundo: Hunting Pages

Santana Castilho: E se isto nunca mudar?

A partir de hoje, o Aventar tem o prazer de publicar as crónicas de Santana Castilho, que saem à estampa originalmente no Público. Os nossos agradecimentos a um professor que tanto tem feito pela Educação em Portugal.

O Conselho de Ministros aprovou novas versões do estatuto de carreira e do sistema de classificação do desempenho dos professores. Fê-lo no último dia de um concurso trapalhão, que pôs fim a uma paz podre, erigida em cima de interesses menores, parlamentares, sindicalistas e carreiristas. Ao “acordo”, que abandonou sem moral nem ética os professores que mais se expuseram para defenderem o que todos reclamavam, seguiram-se quatro meses de conversa fiada, apenas útil para os protagonistas aparecerem nas televisões e nos jornais. Nada do que seria importante se resolveu, continuando adiada, sem horizontes de solução, a refundação da escola pública, destruída por Maria de Lurdes Rodrigues.

No momento em que, tudo indica, se consumará mais uma enorme injustiça legalmente coberta, há coisas que é mister recordar e outras que importa perguntar.

Em artigo intitulado “E agora, professores?”, aqui publicado em 30/9/09, após conhecidos os resultados eleitorais, escrevi: “… com este resultado, a visão estalinista que orientou a Educação nacional não vai mudar. Vai apenas adoçar-se com protagonistas presumivelmente mais delicados… Com este resultado, os professores portugueses… ganharam, tendo perdido…  Vamos entrar em jogos complexos que se arrastarão no tempo. Ao desanuviamento antecipável não vão corresponder soluções céleres”.

Infelizmente, tive razão.

Em 28/10/09, sob a epígrafe “Uma Aventura” e referindo-me à actual ministra da Educação, acabada de nomear, também aqui escrevi: “… Numa palavra, fez o suficiente para que nenhum professor prudente acredite nela. Para início e em tão pouco tempo, pior seria difícil. Não espanta que Isabel Alçada seja ministra sem anteriormente ter sentido necessidade de dizer o que pensa do sistema educativo. Sócrates pensará por ela… [Read more…]

Professores: Em força para Lisboa, já!

Basta ler a última proposta de revisão do Estatuto da Carreira Docente que o Ministério enviou aos Sindicatos e que o Aventar divulgou em primeira mão.
Não está lá nada daquilo que em devido tempo foi acordado entre as partes. Ao invés, estão lá muitas coisas que nunca foram sequer discutidas. Com evidente prejuizo para os professores, como não podia deixar de ser. O fim dos concursos, que nunca esteve em cima da mesa, é um dos exemplos mais claros.
E não venham com a história dos portugueses que estão a passar dificuldades, da instabilidade que se vive fora da Função Pública, dos baixos salários de toda essa gente. Isso é tudo verdade, mas também é cada mais verdade dentro da classe dos professores.
Não falo por mim – trabalho à porta de casa com salário certo, nesse sentido sou um privilegiado – mas falo naqueles milhares de professores contratados que vivem longe de casa, com salários reduzidos, com despesas que fazem com que não compense trabalhar (a não ser pelo tempo de serviço), que não têm direito à ADSE (como a generalidade dos portugueses não tem), que não têm direito a atestado médico mas sim a baixa (como a generalidade dos portugueses), que ficam desempregados em cada 31 de Agosto, que vão conseguindo aqui e ali contratos de um mês e que, não raras vezes, sofrem as humilhações de pais e de alunos.
É por esses que devemos lutar. E é por esses que, a meu lado, ontem, um colega dizia numa pausa para o café: «Esta ministra é realmente diferente da outra. A outra era só trombas, esta fode-nos com um sorriso».
E é por esses que, afinal, os professores devem voltar a Lisboa. Em força, já!

Acordo – o que lá está, não está… Deveria, poderia… parte IV

(Parte I, II, III)

3- Avaliação

Sempre defendi que a questão central da nossa luta era a divisão na carreira (impossibilidade de chegar ao topo) e não a avaliação. Neste aspecto, o acordo resolve.
Entendo as dúvidas dos professores – que são também as minhas. Muito em particular no que diz respeito à avaliação.

Maria de Lurdes construiu um modelo IMPOSSÍVEL de aplicar – só isso explica o aparecimento dos SIMPLEX’s que lhe seguiram. Pois bem, este acordo, o que garante é a continuidade do SIMPLEX, mais coisa menos coisa e isso é muito mau para as escolas, e por isso, péssimo para os alunos.
Ciclos de avaliação de dois anos é um absurdo (“pelo menos duas por ano lectivo” é uma formulação infeliz que tem de ser clarificada em sede de regulamentação). Não vamos fazer mais nada na escola e isso vai condicionar as práticas e com isso prejudicar os alunos.
A introdução de uma lógica de competição na escola também não ajuda nada, a Escola, claro. Não tenhamos dúvidas – os Professores vão competir e vão tentar ter Muito Bom e Excelente. Acontece que isso seria o mesmo que o Cristiano Ronaldo competir com o Iker Cassillas (guarda-redes do Real): precisam um do outro e o trabalho de ambos é complementar. Não faz qualquer sentido que elementos da mesma equipa tenham que competir, principalmente quando o “objecto” dessa competição é o trabalho com pessoas, neste caso com crianças e jovens.
Esta mudança conceptual nas práticas docentes vai arrebentar a curto prazo e como o António Avelãs, estou convencido que mais cedo do que tarde vamos ter que mudar este sistema de avaliação.
Ao contrário do que defendem os do costume, ele não distingue, não permite identificar os melhores e não ajuda a melhorar. Um exemplo para ilustrar: “Um colega que nas férias e fins-de-semana vai à escola tratar dos jardins, que durante um ano não deu qualquer falta, foi avaliado com BOM na assiduidade. Argumento do Director: “porque sim!”.
E há ainda uma questão central: o modelo de gestão. Reparem. No pedagógico, 13 / 14 pessoas, mais de metade são nomeadas pelo Director, que é também, à luz deste acordo o responsável principal pela avaliação.
O Paulo Guinote sugere que a formulação do acordo pode implicar a revisão do 75/2008 – porque, creio, usa a palavra eleitos. Penso, salvo melhor leitura, que isto se refere à eleição dentro do próprio pedagógico.
De qualquer modo o problema central está lá – uma só pessoa ( e reitero a opinião de que neste momento a maioria são umas bestas!) fica com o poder total sobre a vida das pessoas!
Neste aspecto o acordo é péssimo, ainda que a porta para a revisão do modelo de gestão fique aberta!
Assim, entendo porque se assinou (todos até ao topo), mas não deixo de considerar como MUITO NEGATIVA a manutenção deste modelo de avaliação que vai continuar a prejudicar os alunos porque é burocrático, sem sentido e permeável a todo o tipo de burrice, como foi possível verificar num passado recente!
Nota: tenho dúvidas se o que realmente levou as pessoas para a rua não foi a carga burocrática que a avaliação trouxe. Temo, que a manter-se o modelo, o inferno vá continuar… e a Paz longe das escolas

Acordo – o que lá está, não está… Deveria, poderia… parte II

2- A duração das carreiras (cont. do Post I: Dimensão político-partidária)

Em Custóias, algures no fim do século passado, o meu colega Luís diz que a carreira de professor era muito curta. Chegava-se demasiado depressa (26 anos de serviço) ao topo e depois estávamos muitos anos no 10ºescalão. Se calhar ele teve razão antes do tempo.
Com a carreira de Maria de Lurdes, saltamos para mais de 30 anos, isto não considerando que o 7º escalão seria o limite porque 2/3 dos professores ficariam parados. Escrito de outro modo, 2/3 dos professores tinham o seu topo da carreira com 18 anos… mas 3 escalões abaixo do que tinham na carreira Pré-Lurdes.
Com o acordo agora alcançado, ficamos com uma carreira com 10 escalões: 9 de 4 anos e 1, o 5º, de 2 anos. A carreira, a correr “normalmente” fica com 38 anos.

Os 10 escalões da carreira docente
Muito bem a reflexão de António Avelãs (Coordenador do SPGL – o maior sindicato da FENPROF) no Circo Lusitano: [Read more…]

Acordo – o que lá está, não está… Deveria, poderia… parte I

Declaração de interesses: Car@s leitor@s, sou membro do Conselho Nacional da FENPROF, professor efectivo numa escola à porta de casa.

O Acordo entre o ME e os Sindicatos é um momento complexo, fortemente prismático porque tem um conjunto de dimensões de tal modo diversificado que não é fácil fazer a sua análise. Vou por isso procurar, durante o fim-de-semana fazer uma análise tão exaustiva quanto me for possível. Por partes, pois claro.

1. Dimensão política e partidária.
Durante a mais dura maioria absoluta da nossa democracia, uma classe, a dos professores, levantou-se e assumiu na rua, em toda a sua plenitude, o papel de líder exclusiva da oposição. Graças aos Professores, o PS perdeu a maioria. Por isto, todos perceberam a importância que temos.
Depois das eleições surgiu o acordo PS / PSD: a estratégia do PSD poderia ter sido excelente se o acordo não parecer uma vitória do PS. Ou seja, se de ontem resultar uma vitória dos professores, ganha o PSD. Se depois da espuma, resultar uma vitória do PS, então o PSD perdeu. O PC está refém do meu camarada Mário e por isso não podem dizer nada contra o acordo. O BE, estando mais livre, também não fica comprometido… Espero que não corra a dar gás a alguns movimentos só para fazer de conta…
Neste cenário, tudo concorria para um acordo. Tudo… ou nada… [Read more…]

Comparação entre Isabel Alçada e Maria de Lurdes Rodrigues (a propósito do acordo com os Sindicatos)

Do nosso leitor Joaquim Ferreira:

Excelente. Finalmente, parece que os professores encontraram uma postura de abertura da parte do Ministério da Educação. Esperemos que o acordo seja capaz, de per si, de contribuir para devolver a serenidade ao processo educativo. Que as escolas possam ter condições para desenvolver o processo educativo num clima de interajuda, de cooperação e não de individualismo, de atrito permanente.

Creio que hoje a vitória não foi nem dos Sindicatos nem do Ministério. Foi uma Vitória da Educação.

Do acordo alcançado, seguramente, não há vencedores nem vencidos. Os professores, se o acordo vai de encontro às suas aspirações, sentirão uma nova energia, uma nova dinâmica para continuar a desenvolver um trabalho em benefício de uma melhor formação das gerações de estudantes que amanhã, serão os governantes deste país. Assim, é o país que fica a ganhar com este acordo. Nenhum cante vitória. Seguramente houve cedências de parte a parte. E isso, sim, contrariamente ao que a notícia do Público que se questionava se Isabel Alçada teria falta de experiência negocial, esta minstra sabia bem o que queria! E preparou-se para levar a “bom porto” o navio que lhe foi confiado. Só os teimosos donos do Titanic insistiram em não querer ver o perigo em que se metiam e obrigaram o timoneiro (comandante) a aumentar a velocidade. para lá dos limites razoáveis suportados pelo navio.

A Ministra da Educação e os Sindicatos deram provas de compreender muito bem o que é negociar. Porque, quando o destino é o abismo, o melhor forma de avançar é “dar um passo atrás”. [Read more…]

A derradeira derrota de Maria de Lurdes Rodrigues

A professora Isabel Alçada conseguiu em 2 meses de mandato o que a socióloga da treta Maria de Lurdes Rodrigues não conseguiu em mais de 4 anos. Ao ver o acordo de hoje entre o Ministério e os Sindicatos, a antiga Ministra da Educação devia corar de vergonha e perceber quão má foi a sua passagem pela 5 de Outubro. Para os alunos, para os professores, para a Escola Pública.
Maria de Lurdes Rodrigues está morta e enterrada. Pacificadas as escolas, vamos resolver o que verdadeiramente interessa: os problemas do ensino em Portugal.

Acordo!

Está confirmado. Há acordo entre o ME e a FENPROFfree_287718
Acordo ME/FENPROF!

Isabel Alçada na SIC confirma o acordo e valoriza o processo de aproximação entre os Professores e o ME.

ministra

Ana Malhoa é inexperiente

Aqui há uns tempos dei por mim a pensar o que teria levado o PS a apostar em Isabel Alçada para Ministra. Ainda hoje tenho alguma dificuldade em perceber.
Quando vi a capa do último “trabalho” de Ana Malhoa, percebi – “Tu podes vencer”. Percebi não porque a artista apareça com igual número de peças de vestuário, isto, se comparado com a srª Ministra, pois claro, mas porque a Artista mudou a imagem, mudou o som, mudou tudo… para que tudo fique na mesma!

ana4

Com o lema “Tu podes vencer” a srª Ministra avança para a 5 de Outubro e na primeira casca de banana do assessor de comunicação eis que ela se manda ao tapete, coisa rara no caso da artista que se costuma, creio, mandar para cima de outras coisas.
Confuso? Nem por isso.
– “Tu podes vencer!”, disse Sócrates a Alçada. Ana Malhoa aproveitou e na véspera do último dia de negociações vem dizer que 83% dos professores foi avaliado com BOM!
São declarações infelizes que seguem o que a anterior Ministra fez, num triste dia de Outubro em que veio a público denunciar as faltas de professores. É óbvio que a culpa é do assessor – tivesse a Ana Malhoa o assessor de imagem da Isabel Alcada e tudo estaria melhor. Veja-se as mais recentes fotos da inexperiente artista de Rio Tinto.
Sim… está tudo ao contrário, mas eu sou BOM!
Sou tão bom que volto aos bons daqui a uns posts. Até já.

Literatura e negociações, uma ministra a brincar com coisas sérias

O Ministério da Educação apresentou a sua proposta negocial. Na minha primeira leitura do papelucho o esssencial, as quotas para progressão na carreira continuam, agora em 3 escalões, os titulares mudam de nome, uma reinação completa.

Se o assunto não fosse sério diria que a nova ministra confunde literatura para adolescentes com estatuto da carreira docente.

Como é sério digo que quem brinca com o fogo também se queima.

Nada de surpresas, é um ministério do governo de Sócrates, o homem que não aprende, insiste, insiste, insiste. Até que a bilha se parta.

 

Boston Legal

Curriculum de Valter Lemos

 

 

Curriculum de Isabel Alçada

 

 

Sobre estes Mestrados feitos em Boston, ver  aqui.

Educação: a equipa está pronta

Vamos a jogo com Isabel Alçada e:

 

– Secretário de Estado Adjunto e da Educação: Alexandre Ventura;

– Secretário de Estado da Educação: João Mata.

 

Duas notas para começar:

 

– sinto-me incomodado por ver  Valter Lemos no Emprego e na formação Profissional. Um homem que fez o que fez na educação não merecia continuar.

Mas, é com ENORME alegria que vejo

Maria de Lurdes, Valter Lemos e Jorge Pedreira fora do ME. Até nunca MAIS!

 

– o PS já só conseguiu ir buscar gente de dentro do próprio ME. Palpita-me que é mau sinal, mas vamos dar tempo…

Isabel Alçada e as verdades elementares

O Prof. santana Castilho, com quem muito frequentemente estou em desacordo, vem hoje no Público, com algumas verdades incómodas.

 

Mas antes, despacha a ministra com uns mimos que não lembram o diabo. Não sabe escrever, concordâncias e tal, isto dirigido a quem foi a Presidente do Plano Nacional de Leitura. Depois nem sequer lhe concede o benefício da dúvida, a ministra nos últimos três dias só disse baboseiras de si mesma e do governo anterior.

 

Não se conhece uma ideia de Isabel Alçada para a Educação, Sócrates pensará por ela, cínica, sublinhou a sua muita confiança no novo governo (palavra escrita.) Melosa e sorridente…

 

Mas o melhor estava reservado para os professores: "para suspender tacticamente um modelo de desempenho que já não existe, reforçaremos estrategicamente um poder que se instala sob a nossa ingenuidade"

 

E o Mário "alucinado" com aquele ar de vencedor…

Isabel Alçada – a mentira começa no próprio nome

 

Começa mal, a nova Ministra da Educação Isabel «Alçada».

Primeiro, mentiu descaradamente sobre o convite para o Governo – obviamente que não foi feito na véspera, mas sim muitos meses antes. Ana Maria Magalhães, colega de escrita, confirma-o explicitamente quando refere que aceleraram a escrita do último livro da colecção «Uma Aventura», dada a perspectiva de ela poder vir a ser Ministra.

Depois, vem a mentira do nome. Como já li por aí, deve ser a primeira vez que um Ministro é conhecido pelo pseudónimo e não pelo nome verdadeiro. Neste caso, Maria Isabel Girão de Melo Veiga Vilar. Claro que dá jeito em termos comerciais, não é?

Pelo menos, não mente no «curriculum», como fazia a outra. Foi professora do 2.º ciclo e assume-o sem vergonha. Sempre achei que fazia falta no Ministério da Educação alguém que soubesse como realmente funcionam as escolas portuguesas.

 

 

 

Considerações breves sobre o novo Governo

Basicamente, o novo Governo é mais do mesmo. Teixeira dos Santos, Pedro Silva Pereira, Augusto Santos Silva, Vieira da Silva, Luis Amado, Rui Pereira, Ana Jorge e Mariano Gago continuam. Jorge Lacão, João Tiago Silveira e Alberto Martins já faziam parte do sistema. Isabel Alçada há muito que estava sob a alçada do PS. O resto são minudências sem qualquer força política – irão apagar-se perante a força do primeiro-ministro.

No meio disto tudo, estou curioso para ver o desempenho de Santos Silva na Defesa – para quem gosta tanto de malhar, vai ser engraçado a tropa pô-lo em sentido. E também vou gostar de ver Isabe Alçada, que vai ter os seus principais problemas resolvidos logo que a Oposição acabar com a divisão do Estatuto da Carreira Docente e com o actual modelo de avaliação de professores. Quanto à ministra Pássaro, mais valia chamar-se Betão, porque tem sido esse o papel do Ministério do Ambiente – a glorificação do betão.

Ministros não contam – quero saber é de política

Não me interessa saber quem é a nova Ministra e estou ainda menos interessado em saber o que vai acontecer à velha. Ministra, pois claro.

Quero saber é se o Estatuto vai ou não ao ar.

Quanto à avaliação continuo a achar que andar com ela a fazer de bandeira é um erro.

Ministra só há uma, o fim do estatuto e mais nenhuma!

Isabel Alçada: Um «post» óbvio

 

 Será que Isabel Alçada já estava a pensar neste dia quando escreveu «Uma Aventura na Casa Assombrada»?

E qual será a alma penada que vai assombrar aquela casa de má fama a partir do dia de hoje?