Não foi o liberalismo, diz o CAA*

CAA* (Com Amizade e Admiração)

No Blasfémias o CAA arranca com o queixume que só na cabeça de quem quer um Estado ainda maior, que já gasta 50% da riquesa nacional e nem assim consegue ajudar os dois Milhões de pobres (mais os quinhentos mil desempregados, já agora) é que pode atribuir as culpas ao liberalismo na presente crise mundial. Como a crise é mundial e começou nos US não parece que o queixume possa colar. Nos US o Estado não gasta, nem por sombras, 50% do PIB e, no entanto, foi lá que começou a hecatombe!Depois a crise é o resultado de vinte anos de desregulação deixando o mercado e “a mão ìnvisivel ” à solta! Podemos dizer que se o CAA fosse consequente chegaria à seguinte conclusão.Os que pensam que é um Estado gordo e disforme que coloca os banqueiros ladrões na ordem, são o resultado do Liberalismo que campeou nos últimos vinte anos! Esta é que é a conclusão lógica do racíocinio do blasfemo e não a que arrancou a ferros. Mas estou de acordo que o Estado em Portugal está a atingir uma dimensão que não augura nada de bom!E ainda para mais com estes políticos e empresários!

Comments


  1. Duas verdades. A falta de regulação dos mercados financeiros, entidades que, apenas por acaso, são dominadas por homens (e calha serem gananciosos), é uma das fontes desta crise. É inegável. Não se pode deixar andar à rédea solta um conjunto de fulanos com capital e sem cuidado. Dá asneira. A história está aí para o mostrar. Por outro lado, o Estado português está a engordar em demasia e também de forma desregulada.

  2. Luis Moreira says:

    Foi o liberalismo.Agora estamos a correr para a intervenção estatal dsemesurada.

Deixar uma resposta