POEMAS DO SER E NÃO SER

A razão

 

A razão

tamanho de todos os céus

no silêncio de sonho-menino

os olhos cheios de serenas manhãs

na frouxa luz do fim da tarde.

A razão

palavra que se prende

por entre as folhas dos álamos

a doce margem de um regato

no sobressalto do pensamento.

A razão

saber se o tempo vai se o tempo vem

no calendário do sonho

não dar contas ao tempo

de um tempo que se não tem.

A razão

semente branca da vida

no fruto maduro da tarde

a esperança dos olhos frios

na quente ilusão de outro dia.

A razão

três lágrimas vertidas

na corrente do alto rio

um redemoinho de pedra e água

brincando à beira do abismo.

A razão

coração bem apertado

nos braços da solidão

a felicidade cantada

sem voz nova na garganta.

A razão

a firmeza do vento

no rio que não volta atrás

…ou a leveza do luar

nas margens da sombra.

A razão

coração cravado na erva

espantalho de emoções

longos braços de palha

entrelaçados de ilusões.

 

                              (adão cruz)

(adão cruz)

Deixar uma resposta