Downsizing, dizem eles

É uma triste realidade aquela em que pequenos e médios empresários tentam obter, junto da banca, liquidez para salvarem as suas empresas, depois de já lhes ter sido sugado todo o património e mais algum para garantia dos financiamentos.

Mendigam apoios àqueles a quem eu, eles, e todo o povo português, avalizou os seus financiamentos externos. Pois convém lembrar que a banca portuguesa foi pedir dinheiro lá fora com o aval do Estado português, ou seja com o nosso aval. E a nenhum de nós algum banco deu de garantia o que quer que fosse pelo aval que o povo lhes deu.

Esse dinheiro que veio de fora á custa do nosso aval está a chegar a conta-gotas às empresas, atrofiando-as em termos de liquidez. E quando o empresário chega à banca, como eu já assisti, para pedir ajuda, volta-meia-volta lá vem a lógica do “downsizing”, ou seja, a diminuição da estrutura da empresa para melhorar a sua viabilidade. Que é o mesmo que dizer mandar trabalhadores para a rua para se gastar menos em salários.

Antigamente chamava-se reestruturação orgânica ou funcional. Mas como em sede de pensamento económico as escolas norte-americanas é que estão a dar, agora chama-se “downsizing”. É estrangeiro, elegante, e torna aparentemente menos desumano o instrumento do despedimento para “viabilizar” uma empresa.

Então lá começam com o discurso do “downsizing”, pois que a receita genérica é que o mal está no peso da mão-de-obra, logo há que despedir. Um conceito que atravessa toda a banca, inclusiva a detida pelo Estado – sim, a Caixa Geral de Depósitos -, que deveria promover o emprego e não o inverso.

Esquecem os bancos, que no meio dos despedimentos irá também gente que lhes deve dinheiro, por exemplo, pelo empréstimo para aquisição de casa, e que, possivelmente, dado o emagrecimento de rendimentos causado pelo despedimento, irá de deixar de pagar a prestação. Além de que é preciso dinheiro, liquidez, para despedir.

A banca parece estar vocacionada para dar liquidez em troco de despedimentos, sendo que estes consumirão, se não toda, uma boa parte da própria liquidez.

Lembro a história, não sei se verídica, que se contava que um aluno universitário norte-americano, num exame oral final, perante uma vasta audiência, defendia como solução de um caso prático, que se reportava a uma empresa em dificuldades financeiras, reduzir drasticamente ao pessoal. No fim da sua exposição de argumentos o mestre, secamente, disse-lhe “Está reprovado, ponha-se na rua!”. O aluno, envergonhado, dirigiu-se à porta até que foi interpelado pelo mestre para voltar para o seu lugar, dizendo-lhe no fim: “Isso é o que sente alguém que é despedido e que tem de voltar para casa e encarar a família”.

“Downsizing”, dizem eles.

Comments

  1. inquieto says:

    Nem mais caro Mário Teixeira. Estamos completamente anestesiados, destroçados, sem esperança e força para podermos reagir a estes sangue sugas. Vivemos de facto tempos difíceis, mas o oportunismo de uns fazem desgraçar a vida de muitos. Lá diz o célebre ditado temos de lhes dar um porco para que nos concedam um chouriço. Sabe, se talvez as pessoas começassem a fazer como os nossos avós que colocavam o dinheiro debaixo do colchão, porventura não iriam ter dinheiro para se autopremiarem comprémios chorudos. Triste país este.

Deixar uma resposta

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.