A verdade a que temos direito

O boneco que se vê aqui por cima, é o outrora famoso “Zé Ferrugem”, figura de banda desenhada que animava o jornal “O Diário”, afecto ao PCP. E naquela figura  – que no seu original se trata de um autocolante de colecção que guardo entre muitos outros – ali vemos a expressão clara e inequívoca da ostentação da verdade como sinal distintivo em relação à concrrência.

Ironicamente, o jornal acabria por fechar, forçando o PCP a recorrer àquilo que combatera desde o início na legislação laboral: o despedimento colectivo.

Desde os primórdios da Revolução dos Cravos, até à presente data, a propalada comunicação social livre, isenta, está ao nível da teorização da verdade.

No nosso país há muito que se esgrimem argumentos e trocam-se acusações de quem é que está vendido a quem ou a quê. E todos se arrogam livres e isentos. Tal como a verdade dificilmente é a dos outros, e raramente não é a nossa.

Falar de comunicação social é falar de canais de informação e de modelação de opinião. Quem trata do teor da informação, trata da formatação opinativa. E querer fazer isso sem qualquer orientação ou sensibilidade  filosófica, cultural ou religiosa,  é o mesmo que demandar às ciências humanas o rigor frio e neutral da matemática.

Jornais, rádios, televisões, o que for, têm e terão sempre tendências, seja por imposição dos seus accionistas seja pelas concepções e convicções de quem dirige. Competindo ao público analisar, comparar e, por fim, escolher. E quaisquer acusações entre aqueles que fazem, ou fizeram, parte da comunicação social, revelam mais ajustes de contas do que, propriamente, preocupações sinceras.

A blogoesfera desempenha já um  papel de inequívoco contra-peso. E a verdade a que temos todos direito, cumpre a nós buscá-la. Mesmo porque nem todos buscamos a mesma verdade. 

Comments

  1. Luis Moreira says:

    É bem verdade, a verdade a que temos direito, é ouvir todas e depois tomar a nossa…

  2. Pisca says:

    E mais um daqueles slogans do Ary, simples, eficaz e verdadeiro

    A Verdade a Que Temos Direito

Deixar uma resposta

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.