Sem Internet no Alentejo e na Vida – Uf!

Vida serena, a de Ribeira das Vinhas, minha aldeia adoptiva. Tem cerca de quatro dezenas de casas dispersas. Nem sempre habitadas. Parte da população é flutuante. Os residentes fixos, ao todo, não excedem três dezenas e meia, com poucas crianças. Vivem na companhia de galinhas, patos, perus, coelhos, ovelhas e o porco; sim, o pobre porco condenado à matança no ritual da festança anual – Ah! E os inevitáveis cães. Amanham a terra e praticam a agricultura de subsistência.

Alfacinha de gema, sinto-me filho daquela aldeia alentejana. Hoje não tem sequer um estabelecimento aberto. O último a encerrar foi ‘a venda’ do senhor ‘Maneli’. Não escapou ao furacão feroz e omnipresente das superfícies modernas, na cidade mais próxima. Com o fecho da loja, evaporaram-se os fins de tarde regados a tinto ou cerveja, acompanhados de torresmos caseiros, azeitonas e do casqueiro alentejano; e ainda de farpas e queixumes contra políticos, esquecidos daquela gente. Excepto em tempos de campanha eleitoral, claro.

O espírito de aldeão transformou-se em deleite do meu dia-a-dia alentejano, embora tenha de percorrer 3 km, até Galveias, para tomar um café. É um hábito mais, cumprido sem sacrifício, diga-se. Dois dedos de conversa no café e, de regresso a casa, repito uma das praxes diárias. Acciono o portátil, acedo à Internet. Só que naquela malfadada tarde, e de súbito, a ‘net’ despejou-me ou despejou-se do computador. Verifico o ‘modem’ e confirmo a existência do sinal, via ADSL. “Bom, a merda do computador pifou!”, desabafo de mim para mim. Desfalcado de meios de sobrevivência de cibernauta, fiquei destroçado e em ebulição. Tive vontade de destruir tudo à minha volta. Ímpeto passageiro.

Antes, lera e ouvira críticas ao vício do uso excessivo do computador, nomeadamente da navegação via Internet. Sempre imaginei haver um certo exagero dos críticos. Porém, a manifestação e o sofrimento agudos do vício são sentidos nos momentos precisos, de indisponibilidade do objecto ou de algo que o satisfaz. A falta do computador desmascarou o vício.

No Alentejo, ou melhor na vida, é-me impossível viver sem computador, Internet e tudo o que se associa este meu pequeno mundo informático, telemático ou o que lhe queiram chamar. Estive impedido de aventar, o que me perturbou.

Um maldito vírus contaminou o IE8. Mesmo com o Kaspersky instalado. Como insinua um amigo meu, extremamente desconfiado: “Se calhar é por isso mesmo”. “Sei lá!”, exclamo eu.

Deixar uma resposta

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.