A Tirania do Preconceito

O texto de Francisco José Viegas recordou-me como a opinião publicada é ainda mais centralizadora que o Estado.

No passado foi a relação extraconjugal de Sá Carneiro – onde andavam os meninos e as meninas da esquerda caviar por essa altura? Depois foi Cavaco Silva e as suas origens modestas. Hoje é Passos Coelho o filho de um médico de província que vive nos arrabaldes da suspirante metrópole.  Como sempre foram o António, a Maria, a Felisbela, o Fernando, o Marco, a Isabel, o Carlos, o Jorge ou o Rui nascidos no Porto, em Vila Real, Viseu, Évora, Faro ou Braga e sempre desconsiderados por essa pretensa elite pensante por não terem nascido no eixo Lisboa-Cascais nem serem filhos de distintos Republicanos da capital ou de Monárquicos do mais puro-sangue azul.

Depois são os gordos, os baixinhos, as gordas e as baixotas, os feios e as feias, as desdentadas ou os carecas. É a tirania. Qualquer coisa serve para afastar os que não pertencem à clique. Os que não se enquadram na célebre máxima das públicas virtudes/vícios privados ou que não nasceram/vivem no bairro de Alvalade, nos quelhos do Estoril, nas vielas de Cascais ou nas belas propriedades de Sintra, sem esquecer a Lapa. Nós, os bárbaros, nascidos entre os calhaus do Douro, os batatais do Minho, as tripas do Porto ou os móveis de Paços/Paredes/Rebordosa, eu sei lá que mais, servimos apenas como meros adereços, como motoristas ou criadagem. Até ao dia, um dia, destes.

Normalmente, nas horas de aperto, quando o país se afunda e o povo se farta, eles, os bárbaros, são chamados a por ordem na latrina irrespirável. Quando assim acontece, os outros, os puros, os arianos da treta, lançam mão deste tipo de atoardas mostrando a sua verdadeira natureza: por muito banho que tomem, por muito que raspem e voltem a raspar com esmero a planta do pé, não há meio da terra, essa marca indelével da nossa estirpe, desaparecer.

Foi deles, destes senhores e destas senhoras pertencentes à tirania do preconceito, que me lembrei quando vi os ataques de que foi alvo Elisabeth.

Comments

  1. Elisabeth Butterfly says:

    Concordo em tudo, meu caro Fernando. Obrigada!

  2. burns says:

    que se podia esperar desses serventuários do regime?

  3. silva says:

    A quantas empresas o governo deu apoio para o desemprego. A mulher a dias do ministério do trabalho não decide nada o caso do despedimento colectivo de 112 familias do casino estoril que com milhoes de lucros e com apoio do governo e ninguem investiga quem está por detrás desta ilegalidade que destroi 112 familias.
    Porquê tanto medo de se investigar O casino estoril quem ganha com os despedimentos ilegais neste país para enriquecer há custa dos precários.

Deixar uma resposta

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.