Três factos bizarros do fim-de-semana

Primeiro acto: O Presidente da República Portuguesa pede “imaginação” à União Europeia para encontrar formas de emprestar dinheiro a Portugal. Quem é, afinal, que precisa de ajuda?

Segundo acto: Acrítico, acéfalo, vazio, o Congresso do PS foi um longo comício e um espaço de veneração ao líder. Terminou com o líder a dizer que, como chefe do Governo, aceita negociar o empréstimo. Era de esperar outra coisa?

Terceiro acto: Depois de clamar desprezo pela forma de fazer política dos partidos, Fernando Nobre aceita entrar nas listas de um partido político ‘do sistema’. Mais um caso de ‘o que ontem era verdade, hoje é mentira’?

Comments


  1. Caro José Freitas,

    … Antes de se saber que era… já se sabia que Fernando Nobre era incoerente, porque ninguém chega oas lugares de decisão e poder, sem ser incoerente; sem ter que hipptecar, aqui ou ali, algumas das suas ideias.

    Admito que de pouco servem as boas intenções,snãse estiver por dentro do “sistema”. Será isso que Fernado Nobre estará a pensar e a fazer: tentar entrar para poder expor as suas ideias e concretizar, pelo menos, algumas?…

    A experiência deixa-me dúvidas, mas aconselha-me que conceda o benefício da dúvida.

    nota: já toda a gente percebeu que, fora dos partidos, ninguém consegue fazer-se ouvir. São eles que detêm o monopólio das ideias e da oratória… e, mais ainda, todas as chaves dos acessos. A questão é: como contornar isso, sem ser incoerente?…

Deixar uma resposta

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.