A praia de Mangualde não é para parolos

A prática de ir a banhos, marítimos, começou nos arredores de Lisboa e ao longo do século passado foi-se espalhando pela nossa defunta faixa costeira. A genial ideia de fazer da areia uma churrasqueira de pele humana, entremeada com uns mergulhos no pobre Atlântico, é responsável pela maior atentado ecológico e paisagístico da nossa história. Onde havia dunas, areais, paisagem, hoje temos apartamentos, bares e consumidores compulsivos de protector solar.

Como todos os que amam o Mar, odeio as praias, tal como estão desde a década de 70. Ainda me recordo delas, local de trabalho dos pescadores da arte da xávega, da praia sem toldos, chapéus e outras barracas, mas já recordo pouco.

O citadino chega à beira-mar, vomita lixo, cospe na bandeira vermelha, e inventa mais artefactos mecânicos ou manuais para transformar o meu querido Atlântico na imitação do grande oceano que já foi, e agora não é. Fiel às regras do consumismo, a variedade humana que pulula pelas grandes cidades imita a transumância de outros rebanhos, e fica boquiaberta quando um pacato cidadão lhe explica que amar o Mar implica evitar a areias contaminadas e a repetição em tempo de descanso das horas de ponta no acesso a um suposto iodo há muito fugido, com vergonha.

São exactamente esses os parolos que agora gozam com a praia artificial de Mangualde, localidade que nem sabem onde fica, nem como passava o verão. Parolos e ignorantes porque pensam que as quarteiras deste mundo são praias naturais. Importam-se de deixar o pessoal de Mangualde, e seus mui vastos arredores, curtir como lhes apetece? Aposto que vai ser um sucesso. E é bem feita, seus palermas, chapéus de sol há muitos.

Comments

  1. joão ramos says:

    Brutal vou partilhar ainda bem que consigo nestes ultimos tempos ver escrever alguém e usar as palavras certas para definir alguns aspectos e comentários menos próprios acerca da minha terra hospitaleira.


  2. extraordinário post. vou partilhar. abraço de um mangualdense agradecido

  3. Lawrence says:

    Pois! e a poluir com uma “câmardar!


  4. Não me digam que o meu ‘arábico’ amigo gasta os seus preciosos minutos de férias aqui na ‘metropole’ a navegar pela blogosfera…

    Abraço amigo Lawrence

  5. Nuno Santos says:

    Sempre tão iluminado…

  6. xxxxx says:

    chapéus de sol há muitos e palermas também…Não era preciso tanta revolta, aconselha-se que liberte esses sentimentos sem ofender os outros.


  7. Dei com este post por acaso numa pesquisa no amigo Google.

    E não gostei muito do que li.

    Devia de apanhar ar de vez em quando. Pois tem umas ideias um bocado retrogradas e esquisitas.

    Por não gostar de praia não quer dizer que os outros sejam parolos.

    O mar continua a ser um local de trabalho.

    • RAGA says:

      VOZES DE BURROS NAO CHEGAO AO CEU…FELIZMENTE
      PESSOAL DE MANGUALDE NAO LIGUEM A COMENTARIUS DE PESSOAS RETARDADAS,FIQUEM BEM E JOZEM MUITO A VOSSA PRAIA

Deixar uma resposta

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.