O ministro Vítor Louçã Gaspar tem-se destacado pela educação com que se dirige aos deputados e aos jornalistas e pela forma pausada como exprime as suas ideias. Ontem vi um documentário sobre um artista português e a primeira coisa que me ocorreu foi : Este tipo é um mentiroso colossal!

Com a sua forma de falar «ao ralenti», como quem escolhe as palavras com que vai enganar os pacóvios, o ministro Vítor Gaspar já entrou para a galeria dos mentirosos da política nacional. Meia dúzia de semanas foram suficientes.
Quando se começou a falar do «desvio colossal», Vítor Gaspar inventou uma estória mirabolante sobre uma série de palavras que tinham sido ditas pelo primeiro-ministro entre desvio e colossal. Pedro Passos Coelho não o desmentiu e o Presidente da República até o citou.
Para além de se saber que o desvio colossal existe mesmo, o órgão oficial do PSD, o «Povo Livre», atribui a Pedro Passos Coelho exactamente essa expressão: «desvio colossal».
Pois, é como o título deste «post». Vai-se ver e, afinal, não havia qualquer palavra entre Vítor Gaspar e mentiroso colossal.

Comments

  1. Observador says:

    Nada, como ter sentido de humor.

    Este sujeito passou no “casting” e deve substituir o “menino Tonecas” em nova série televisiva.

    Cómica representação que a SIC-N bem aproveitou para usar como separador de programas. Neste país a brincar, poluído de ladrões muito sérios, nada como usar o humor para relaxar. Como diria José Mário Branco: “descontrai baby, descontrai baby… (FMI)”

  2. Adolfo Dias says:

    Engraçado como os mentirosos anteriores demoraram quase seis anos até serem apelidados abertamente disso mesmo mas estes em menos de um mês já são da pior espécie de politcos que alguma vez se viu.

    Isto da coerência deve ser um bicho qualquer em vias de extinção. A par com outro bicho que ultimamente prolifera em contradição com a extinção do anterior e que se chama parcialidade jornalística.

    • Ricardo Santos Pinto says:

      Compreenda que não conheça o Aventar, mas então não fale do que não sabe. Vá ler um bocadinho os arquivos e veja o que aqui ficou dito sobre José Sócrates e Teixeira dos Santos, só para falar destes dois. E passe bem.

      • Adolfo Dias says:

        O não comentar, ou fazê-lo esporadicamente, não significa que não “siga” este blog. E o que disse anteriormente reitero-o, por exactamente seguir o blog há tempo suficiente para poder afirmar o que afirmei.

        As criticas ao óbvio mentiroso só se tornaram óbvias nos tempos finais do seu 2º mandato,enquanto este governo tomou posse acerca de um mês e já leva nas orelhas como gente graúda.

        E sem falar que conhecem o senhor em causa neste post tão bem como eu, ou seja, muito mal mas mesmo assim logo que tiveram uma (má) oportunidade não se coíbem de lhe saltarem em cima, salvo seja.

        O má em parêntesis explica-se com o que escreveu o Ricardo Santos Pinto

        • Ricardo Santos Pinto says:

          Então é mesmo distracção, Adolfo. O Aventar só começou em finais de Março de 2009, por isso teria sido algo difícil atacar quem quer que fosse entre 2005 e 2009.
          Seja como for, desde essa altura que não fiz outra coisa que não fosse atacar o Governo anterior. Eu e, valha a verdade, todo o Aventar. É só ir aos Arquivos.

  3. joão says:

    Vítor Gaspar não mentiu relativamente ao “desvio…[palavras] colossal”. ele diz no fim: “esta versão é da minha inteira responsabilidade, não tenho a versão oficial que foi dita, mas esta versão agrada-me”. ele foi estúpido, mas ao menos fez a ressalva

  4. Adolfo Dias says:

    errata:

    O má em parêntesis explica-se com o que escreveu o joão

  5. Mário Patrício says:

    O que eu acho incrível é quererem colocar o “desvio colossal” do deficit publico como inteira responsabilidade do governo anterior.
    Eu, quando faço humildemente o orçamento anual da pequena cooperativa a que co-presido (a minha casa, com a minha família), tenho em conta os empréstimos que tenho.
    Não posso, não consigo por incapacidade, adivinhar, que em seis meses a taxa de juro passaria de 7.5% para perto do 16%, em pouco mais de 6 meses.
    Se tivermos em conta que o orçamento geral do estado foi preparado em Setembro, a diferença entre o expectável e o real ainda deve ser maior.
    O maior erro e mentira é dizer que o desvio colossal não era esperado. Se não era esperado temos um excelente indicador, melhor que os das agências de rating, da qualidade do actual primeiro ministro e do actual ministro das finanças.

    Quero ainda acrescentar outra coisa. Tenho acompanhado este blog à praticamente 3 anos e é admirável a pluridade de opiniões que aqui existem. Mas se agora demoramos só um mês a chamar de mentirosos as avestruzes que continuamente pomos no poleiro é porque, por causa do estado a que este país chegou, sou (ou somos) mais exigente.

    • Nightwish says:

      “Não posso, não consigo por incapacidade, adivinhar, que em seis meses a taxa de juro passaria de 7.5% para perto do 16%, em pouco mais de 6 meses.”
      Qualquer pessoa séria estaria à espera de descidas para 4% ou 5%.Infelizmente, temos pessoas sérias a mais neste pais.


  6. “EDUCADO” será sinónimo de “ALDRABÃO” ?

  7. Observador says:

    Meus caros:

    O PR foi eleito à 1ª volta, como pediu e garantindo assim a confiança dos mercados (segundo a sua intelegência e grande conhecimento de ecónomia);

    No último aumento de impostos do governo Sócrates, este mesmo PR, referiu em público haver limites para este aumentos;

    O PSD, ganhou as eleições com a promessa de não subir mais os impostos;

    O ministro das finanças, dá conferências para justificar o inqualificavel, no melhor estilo das “Lições do Tonecas”;

    O maior investimento nas pescas e agricultura anunciado, foi no dispensar a gravata – ao menos podiam arregaçar as mangas,

    E então? ainda acham que o tempo é pouco para avaliar esta tribo?

    Vão lá gozar o Camões!…


  8. bancarrota iminente..por mais que queiram disfarçar a gestão criminosa da máfia com experiência na maçonaria:

    Dívida directo do Estado atinge 99,8% do PIB de 2010!

    http://mentesdespertas.blogspot.com/2011/07/bancarrota-corrupcao-ps-socrates.html
    E andam à solta os criminosos que nos levaram à iminente bancarrota!

  9. Nelson Pires says:

    Há uma gravação que prova que Passos Coelho nunca usou essa expressão. As imagens passaram na RTP1.
    Disse Passos Coelho: ‎”Para mim não foi uma surpresa, mas há muitas pessoas que ficaram surpreendidas com o desvio que encontraram face àquilo que foi criado como expectativa pelo Governo anterior. O trabalho que o Governo vai ter de fazer para recuperar o desvio que existe quanto às metas orçamentais que estavam previstas é colossal, é realmente muito, muito grande”.

  10. E o burro sou eu... says:

    Agora, gostaria de saber quem é o mentiroso e que é o burro!

    Ricardo, vê aqui (http://sicnoticias.sapo.pt/pais/article708047.ece), mete as orelhas de burro e vai para o canto da sala.

    • Ricardo Santos Pinto says:

      O mentiroso é Vítor Louçã Gaspar, que mente constantemente. Não mentiu desta vez, mas já mentiu depois disso. O burro é Miguel Frasquilho e o redactor do «Povo Livre», que disseram que Pedro Passos Coelho disse aquela frase. O cobarde és tu, E o burro sou eu, porque não consegues assumir uma opinião com o nome verdadeiro.

  11. A.R. says:

    Ó Ricardo Santos Pinto… já vinha a calhar um pedido de desculpas, não?
    Afinal o homem até disse a verdade…. ou continua a achar que não?

    Compreende-se que depois de seis anos em que praticamente só saíam “verdades” ensaiadas, custe acreditar numa afirmação tão ingénua…
    Mas vá lá… agora já se pode dizer abertamente que “fulano É mentiroso”… Antes haveria pudor em aplicar tal adjectivo … por mais óbvia que a sua pertinência fosse…

    Ainda bem… é bom sinal para o país.

  12. Ricardo Santos Pinto says:

    Ó A. R., se isso é sobre mim, tens andado desatento, pá. Chamei mentiroso ao Sócrates centenas de vezes e até cheguei a ser acusado de ser rasca e trauliteiro por atacá-lo tanto. Mais do que aquilo que eu o ataquei, só mesmo as vezes que ele mentiu. http://aventar.eu/2010/11/04/socrates-ja-mentiu-14-802-375-vezes-desde-que-foi-eleito/
    Quanto ao pedido de desculpas, publicarei ainda hoje um não-pedido de desculpas a Vítor Louçã Gaspar.


  13. Tristeza!!!


  14. Será que Passos Coelho só se referiu ao Desvio Colossal numa conversa? E tê-lo-há feito sempre da mesma forma? Será que o ministro Gaspar a ouviu num momento e o redactor do Povo Livre a ouviu noutro discurso (e o ministro ignora, ou tira partido disso)? Será que o Povo Livre quis colocar mais ênfase na expressão e suprimiu o que estava intercalado (a propaganda vive desse expediente ficcional, do “ajeitar” do discurso – tal como a imprensa e a blogosfera) ? Mas onde é que está a falta flagrante do ministro? Mentiu acerca do balanço de uma situação crítica, desvalorizando-a? Mas isso tem alguma comparação com as faltas cometidas pelos responsáveis pela situação a que chegámos? Parece-me que se discutem minudências e não o importante. Não julgo que o episódio chegue, ou sirva, para ajuizar da honestidade intelectual do ministro. Dêem tempo, o tempo de chegar às acções e à coerência, ou incoerência, com o discurso, depois podem arriar forte e feio. Ou há alguma ânsia encapotada como acusa um dos comentadores?! É que parece.
    Digo isto convicto que chegaremos à altura em que vai haver matéria suficiente para atirar pedras ao governo e aos ministros – embora não o deseje. Porém, atirar por tão pouco é desacreditar o acto crítico. Guarde as energias para coisas mais sérias. É a minha opinião.

  15. anita says:

    De onde saiu este monstro da mentira?, gaspar do caralho, já devias estar longe daqui pois só fazes asneiras para o povo. Essa história de salvar portugal é tudo treta, pois ele e os outros como o caralho do coelho, estão a olhar por eles, políticos da merda, e nós continuamos a sofrer;
    até onde isto vai parar?

Trackbacks


  1. […] hoje no Parlamento. O ministro das Finanças, Vítor Louçã Gaspar, respondeu à deputada do PS, Sónia Fertuzinhos, e conseguiu dizer o seu nome correctamente, […]


  2. […] Passos Coelho não utilizou a expressão «desvio colossal» e Vítor Louçã Gaspar não mentiu quando veio com aquela estória das palavrinhas entre desvio e colossal. Se fosse menos teatral nos seus discursos, talvez eu tivesse acreditado nele. Errei e peço […]

Deixar uma resposta

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.