Para a história da liturgia salazarista

A 28 de Abril de 1998 um tal  Núcleo de Estudos Oliveira Salazar iniciava a recuperação da memória do ditador promovendo em Lisboa e Coimbra “missas” em sua homenagem. No caso de Coimbra a lata foi ao ponto de utilizar a Sé Velha, em tempos Praça Vermelha, no coração da Alta. Não lhes correu bem. Terão conseguido a publicidade que pretendiam, mas a manifestação política à conta da Igreja foi um fracasso. Aqui ficam duas reportagens televisivas exibidas na altura.

Além de o vídeo servir para algum pessoal descobrir que já foi mais novo, tem a utilidade de lembrar que o processo de branqueamento de Salazar foi longo, culminando no onde estamos hoje, em que a sua emulação tem sido progressivamente governamentalizada (e não me refiro só ao actual governo).

Comments

  1. Gostei says:

    Gostei de ver no vídeo aqueles jovens que conheceram bem o regime de Salazar e quem sabe se alguns foram vitimas do ditador. Gostei de ver como aqueles jovens são acerrimos defensores das liberdades democráticas.

Trackbacks

  1. […] Queriam festejar a data do seu nascimento mas o que nasceu foi uma geração que, mesmo sem o ter vivido, ainda hoje celebra a sua morte. O João José Cardoso explica o resto. […]

Deixar uma resposta

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.