Centenas, Milhares de Empregos nas Barragens da EDP

As barragens criam emprego!… Construída por volta de 1978, a grande barragem do “Poçinhoestá a recrutar um electricista.

 

Comments

  1. hugo says:

    E os empregos indirectos não contam?, ainda ontem na praia de Mira foi montado um estaleiro de obras…


    • Onde estão os empregos “indirectos” das grandes barragens do Douro?

      O Vale do Tua, tal como existe, dá emprego directo a 2 mil pessoas; nem o vinho nem o azeite de qualidade se extraem do Plano Nacional de Barragens, a troco de 16 mil milhões de euros dos impostos dos portugueses…


    • Contam concerteza .. como o negócio

      http://www.edp.pt/pt/investidores/informacaoprivilegiada/2010/Pages/EDPRenovaveis.aspx

      EDP Renováveis selecciona Vestas para contratar o fornecimento de aerogeradores relativos a um máximo de 2,1 GW de capacidade eólica

      ………………..

      Porque não selecionou uma empresa portuguesa??

      Porque razão as barragens são em trás os montes e os “prémio” são pagos em Lisboa?

      Porque razzão as barragens são em trás os montes e trás os montes é a zina mais pobre de toda a União europeia???

      Porque é que as barragens são em trás os montes e o estaleiro fica em MIRA???

      PORRA!!!!

      • hugo says:

        O estaleiro de Mira era piada aos empregos indirectos criados por barragens, o que lá andam a fazer é tentar evitar que o cordão dunar seja destruido, o que directamente nada terá a ver com barragens.
        No entanto, o que sei é que na escola primária me explicaram que a areia da praias provém dos inertes transportados pelos rios.

  2. Tiro ao Alvo says:

    Poçinho?
    Digam-lhes que tenham vergonha naquele foçinho!


  3. Poçinho não pertence a Braganca =)

  4. F Soares says:

    Mas queriam que AINDA estivessem a recrutar electricistas para uma barragem construida em 1978? Provavelmente será a substituição de algum reformado… Deixemo-nos de conspirações


  5. http://www.dn.pt/bolsa/emprego/interior.aspx?content_id=1599396

    Desemprego não desce apesar das novas estradas e barragens
    por Helena Fidalgo, da Lusa21 Junho 2010

    As grandes obras públicas estão a revelar-se incapazes de diminuir o desemprego em Bragança, com os inscritos nos centros de emprego a aumentarem, apesar das necessidades de mão de obra serem suficientes para absorver todos os desempregados da região.

    O distrito está transformado num estaleiro, com empreitadas em simultâneo de estradas e barragens que representam um investimento sem precedentes no Nordeste Transmontano superior a 1.500 milhões de euros, só na fase de construção.

    A criação de novos postos de trabalho tem sido apontada como a grande mais valia destas obras, que têm já no terreno um número próximo de metade dos cerca de nove mil trabalhadores previstos no pico dos trabalhos, dentro de um ano.

    Porém, a esmagadora maioria da mão de obra já recrutada é de fora da região e, desde o início das empreitadas, o número oficial de desempregados inscritos nos centros de emprego passou de menos de seis mil, no início de 2009, para 7.333 em Abril de 2010.

    O desemprego não desce principalmente pelo perfil dos desempregados. A maioria, 4266, são mulheres e mesmo entre os 3067 homens não parece haver muitos candidatos.

    “Há situações de desemprego ligado ao sector agrícola e as pessoas não têm perfil e aqueles que eventualmente podem ter perfil muitas vezes não se adaptam”, disse à Lusa o director do projecto da barragem da Baixo Sabor na EDP, Lopes dos Santos.

    ……………………..

    Afinal os estudos servem para quê ? .. ou são feitos para quê .. ou para quem???

    Só depois de prometerem o … CÉU.. e de destruirem tudo .. é que chegaram à conclusão de que .. afinal .. os transmontanos não servem???

    Onde estão os autarcas responsáveis que tudo prometeram?

    como os julgará a HISTÓRIA… ou quem sabe,, os seus familiares nais próximos!!


  6. galardoado arquitecto português Eduardo Souto Moura vai conceber a central hidroeléctrica da barragem de Foz Tua, no Nordeste Transmontano, com o desafio de harmonizar a edificação com a paisagem do Douro Património da Humanidade.

    De acordo com informação fornecida pela EDP à Agência Lusa, esta será a primeira vez nas barragens portuguesas que uma central de produção de energia terá a assinatura de um profissional de renome, contratado propositadamente para o efeito.

    Com a entrega do projeto a Souto Moura, a EDP “procura garantir a melhor integração possível na paisagem do Alto Douro Vinhateiro, conseguindo em simultâneo uma obra de arte arquitectónica de referência internacional capaz de funcionar como mais um pólo de atração para a região”.

    O arquitecto vencedor do prémio Pritzker 2011 será o responsável pela concepção do edifício a instalar junto à foz do rio Tua, no âmbito da nova barragem que a EDP está a construir a cerca de um quilómetro da confluência do rio Tua com o rio Douro, entre os concelhos de Carrazeda de Ansiães (Bragança) e Alijó (Vila Real).

    Eduardo Souto Moura vai projectar central hidroeléctrica

    http://www.dn.pt/inicio/portugal/interior.aspx?content_id=2102633&page=-1