Paco Bandeira e o ódio dos 40

É conhecida aquela anedota, já bem antiga, que desvenda a verdadeira razão de ser do pseudónimo Paco Bandeira. Ao que parece, o pai dele chamava-se Mário Ninha e a mãe Isabel Nassa. Se adoptasse o nome do pai ficaria Paco Ninha, se adoptasse o nome da mãe ficaria Paco Nassa. Assim, preferiu escolher Paco Bandeira.
Lembrei-me desta anedota quando veio a público, nos jornais, o julgamento do cantor por violência doméstica. A ex-mulher acusa-o de maus-tratos constantes enquanto estiveram casados e mesmo de lhe apontar uma arma à cabeça. A mesma arma que vitimou a primeira mulher de Paco Bandeira, que apareceu morta na casa do casal e que, na altura, a Polícia interpretou como tendo sido um caso de suicídio. O irmão da falecida, à luz dos novos acontecimentos, exige a reabertura do processo.
É extraordinário como a violência doméstica é uma praga transversal a toda a sociedade portuguesa e que não escolhe idades, profissões ou grupos sociais. Casos incríveis, que conheço directamente, como o de uma Juiza que é alvo de violência doméstica, ou de uma advogada de um organismo do Estado que é ameaçada e perseguida diariamente pelo marido à frente de toda a gente.
Paco Bandeira defende-se dizendo que está a ser vítima de uma campanha do «Sol» e do «Correio da Manhã» por ter denunciado o mau jornalismo no seu último disco – e eu a pensar que o seu último disco tinha sido «A ternura dos 40». Mesmo assim, reconhece que escrevia frases injuriosas contra a mulher nas paredes da casa – algo de muito normal numa relação de sã convivência, havemos de convir. Eu próprio também costumo escrever frases nas paredes de casa dirigidas à minha mulher, tipo «Sua cabra, vais morrer», mas é algo que encaro como uma situação perfeitamente normal.
Po fim, o lado assustador disto tudo: o de alguém que entra em nossas casas durante anos a fio, com uma afabilidade e simpatia desarmantes e com um sorriso constante no rosto pode ser, afinal, o maior dos crápulas no remanso do lar. E aí, não há quem possa defender as suas vítimas. Onde é que já vimos isto antes?

Comments

  1. Jorge says:

    Na melhor nódoa cai o pano!
    Enfim as gajas casam-se com verdadeiros anormais, emprenham deles e depois ai quem me acode… Vão-se foder e comam bastante porrada nesses cornos que é para aprenderem a escolher melhor os companheiros. Tungaaa

  2. maria celeste d'oliveira ramos says:

    Esta observação é mesmo de “homem” – se calhar nem mão reve para falar assim da mulher – isso defendam-se como sempre fizeam – os homens são sempre muito amigos uns dos outros – o que vale é que já há os que já “pensam” e aqui escrevem mesmo que nem todos sejam brilhantes sobretudo os “comentadores” – mas que porcaria e tal que só dois seres femininos entram nestas “conversas” – este último copmentário é brilhante – porque não traduz para brasilês ?” atingiria milhões de “leitoras” o AVENTAR anda muito poluído – talvez este comentador seja de “Bolonha” ou da Quinta da Fonte

  3. Carlos says:

    Há muita gente maravilhosa que depois tem problemas em casa. Discussões e até violência É triste mas acontece e sempre aconteceu. Pouco nada sei do que se passou em casa do Paco Bandeira, mas dá bem para ver que andam por ai diabos (ou talvez diabas?) a querer chupar-lhe o sangue. Ouve-se comentários de quem deve estar tão informados como eu (e nem estou a pensar especialmente neste blog) em que um diz mata, e a outra diz logo esfola.Era bom que que se pensasse que pode haver interesses menos claros neste tipo de linchamento e que a Justiça ainda é a forma mais imparcial de resolver o assunto…


  4. O comentário desse Jorge é mesmo para meter nojo ao nojo. Se calhar tem problemas que nem com Viagra se resolvem.

  5. Jorge says:

    – se calhar nem mão reve para falar assim da mulher – isso defendam-se como sempre fizeam –

    Não disse que o Paco Bandeira era bestial, disse que era uma besta. Mas a culpa é (foi) das mulheres que o escolheram como companheiro e pai dos filhos. Deveriam ter mais bom senso. E principalmente a segunda depois de saber o que tinha sucedido coma primeira. Já agora acrescento que nunca fui com a cara de cínico dele.

  6. Maria Helena says:

    Diz o público que a arma era a mesma com que a 1ª mulher cometeu suícídio:

    “Francisco Veredas Bandeiras comparece hoje no Tribunal de Oeiras para responder pelas acusações de violência doméstica, contra a sua ex-companheira; maus tratos, sobre uma filha menor; devassa da vida privada e posse de arma proibida”

    E depois fala-se em arma proíbida?! então ninguém apreendeu a arma nem para peritagem?! ou será que o Paco Bandalho alem de ser do PS também faz parte da Maçonaria e tem amigos na PJ?! Pois se eles até uma porcaria de uma pistola de alarme que não tenha o cano pintado de cor de laranja apreendem!!!

  7. Nuno Sá says:

    A asneira é tão grande que não merece comentário. Continuamos a acreditar e a aceitar como uma verdade tudo o que diz a comunicação social. Talvez por isso temos o País nesta situação .

Deixar uma resposta

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.