Fraga Iribarne

Vai na blogosfera pró-soviética um tremendo banzé a propósito da morte do fascista Fraga Iribarne. Sem sequer procurarem proceder à oportuna materialista contabilização dos anos de vida do político galaico-espanhol, parece bastante fácil colar o apetecível labéu naquele que foi ministro de Franco. Precisamente o homem que marcarva o regresso da bibliografia marxista aos escaparates das livrarias espanholas, quando em Portugal tais coisas eram clandestinas, trazidas de Paris – lá tinha de ser… – e olhadas como se Bíblias ou Mein Kamp’s se tratassem, em suma, coisas de e para deuses. Pois bem, Fraga disse ao surpreendido Caudilho, …”deixe-os ler à vontade, se conseguirem!”. Tinha razão. Em 1975 quis presidir ao primeiro governo pós-franquista, já na Nova Monarquia de João Carlos I. Não conseguiu, pois sendo uma figura cimeira do anterior regime e uma das mais contundentes línguas políticas do país, não era do agrado do monarca interessado numa transição ordeira e em contraposição com aquilo que se passara em Portugal. Tinha razão o Rei.
Morreu Fraga Iribarne, trinta e seis anos após o fim do regime instaurado no rescaldo da Guerra Civil de 1936-39. Há poucos meses, no programa matinal “Desayunos de TVE”, tive o prazer de o ouvir em amena conversa com outro homem dos anos trinta, o antigo secretário-geral do PCE, Santiago Carrillo. Que diferença abissal entre aqueles dois dirigentes políticos que se defrontaram na mais cruenta das guerras e os homenzinhos sem pingo de interesse que quotidianamente povoam os nossos luso-painéis do politiquês jornaleiro. Feitas as reparações, entregues as mútuas desculpas, Fraga e Santiago falaram de uma Espanha muito diferente daquela que existira na juventude de ambos. Uma Espanha já sem ódios de morte, uma Espanha de liberdades e de um progresso que lhes deixava o indisfarçável orgulho que é próprio dos nacionais do país vizinho.
Fraga nasceu em 1922 e viveu trinta e oito anos em regime franquista, no qual desempenhou um papel relevante. Fraga acatou a Nova Monarquia e com ela conviveu no meio de antigos adversários e declarados inimigos, percorrendo estes trinta e seis anos, como figura incontornável no jogo partidário. Jamais foi chefe do governo, Presidente como lá se usa dizer. Dele poderemos dizer que é mesmo a cara da Galiza da Zara, da Pescanova, do turismo florescente e das infra-estruturas de fazer inveja. É o que dele mais fica.

Comments

  1. Maquiavel says:

    Reza-lhe muito, pode ser que o canonizem!

  2. Zuruspa says:

    Podiam ser bem mais, mas näo tenho tempo :

    1. Em 19 de Abril de 1963, ministro da informação, integrou o conselho de ministros que poderia ter perdoado a condenação à morte do comunista Julián Grimau. Votou a favor da morte e Grimau foi executado no dia seguinte. Fraga nunca se arrependeu.

    2. Em 1975, ministro do interior, declarou que as ruas eram dele («La calle es mía!»). No ano seguinte, a polícia carregou sobre grevistas em Vitória matando cinco e ferindo centenas, e olhou sem nada fazer durante o ataque terrorista à manifestação carlista de Montejurra. Fraga nunca pediu desculpa.

Deixar uma resposta

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.