O processo de chinização em curso

Primeiro a EDP, já a seguir a REN, o BCP, Sines e muito mais.

Agora a concertada amarelice do costume da UGT repondo as condições laborais dos anos 60, mais ditadura menos ditadura, tudo em nome da luta de classes e assegurando que o horizonte é vermelho, venceremos a crise que não passa de um tigre de papel que será derrotado com muita austeridade, ousemos lutar e ousemos vencer.

Para quem foi maoísta na adolescência era mesmo o que me faltava, entrar-me o Império do Meio por Portugal adentro. Não me tivesse passado a fé no livrinho vermelho num instante e tivesse a tolice durado até hoje, amanhã ia-me filiar no PSD.

Comments

  1. marai celeste ramos says:

    Então que poderia eu dizer que tenho há mais ou menos 10 anos pelo menos 5 lojas xinas na minha rua e nem sei contar as do bairro, incluindo restaurantes não sabendo eu se vivo ainda em lisboa-portuguesa já que muito do comércio tradicional (incluindo mercearias) faliram sobretudo a partir de 2008 ?? Serve-me de treino

  2. mortalha says:

    preocupa-me tanto isso como os proprietários ingleses que invadiram o douro, ou os alemães do algarve, ou as americanos nas lajes ou os interesses angolanos nos grandes grupos económicos “portugueses”. sempre fomos um povo multicultural, faz parte da nossa identidade. a História serve exactamente para ajudar a analisar e superar estes medos e temos 800 anos dela…

Deixar uma resposta

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.