Copo de vinho

“Trabalhar um livro até à minúcia de uma palavra.

E depois um leitor engole tudo à pressa para saber «de que se trata».

Vale a pena requintar um vinho para se beber como o carrascão?”

(Vergílio Ferreira, Pensar)

Comments


  1. A embriaguez das palavras é mais perigosa que a ressaca dos excessos do vinho.
    A perda de lucidez doutrinal pode ser eterna.


  2. É muito bom conseguir ainda passar os olhos por coisas de Vergílio Ferreira. Às vezes falta-me a coragem para dizer que é um dos meus autores preferidos. Falta-me a coragem porque parece que o mundo é tão grande, com tanto para ler e ver e conhecer, que perder-me num livro de um português que viveu no Alentejo e que escrevia sentado numa poltrona já coçada, ler mais do que uma vez as mesmas páginas, sinto que parece, aos olhos dos evoluídos com os quais tenho de lidar, que não passo de um animal que não teve processo cognitivo.
    A modernidade cansa-me, é verdade, conseguir rir ou sorrir e guardar conceitos de Vergílio Ferreira não e gosto de vinho, o suficiente para não querer beber carrascão.

Deixar uma resposta

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.