À espera dos bárbaros

– Que esperamos na ágora congregados?
Os bárbaros hão-de chegar hoje.
– Porquê tanta inactividade no Senado?
Porque estão lá os Senadores e não legislam?
Porque os bárbaros chegarão hoje.
Que leis irão fazer já os Senadores?
Os bárbaros quando vierem legislarão.
– Porque se levantou tão cedo o nosso imperador,
e que faz sentado à porta da cidade,
no seu trono, solene, de coroa?
Porque os bárbaros chegarão hoje.
E o imperador espera para receber
o seu chefe. Até preparou
para lhe dar um pergaminho. Aí
escreveu-lhe muitos títulos e nomes.
– Porque os nossos dois cônsules e os pretores
saíram hoje com as suas togas vermelhas, as bordadas;
porque levaram pulseiras com tantos ametistas,
e anéis com esmeraldas esplêndidas, brilhantes;
porque terão pegado hoje em báculos preciosos
com pratas e adornos de ouro extraordinariamente cinzelados?
Porque os bárbaros chegarão hoje;
e tais coisas deslumbram os bárbaros.
– E porque não vêm os valiosos oradores como sempre
para fazerem os seus discursos, dizerem das suas coisas?
Porque os bárbaros chegarão hoje;
e eles aborrecem-se com eloquências e orações políticas.
– Porque terá começado de repente este desassossego
e confusão. (Como se tornaram sérios os rostos.)
Porque se esvaziam rapidamente as ruas e as praças,
e todos regressam às suas casas muito pensativos?
Porque anoiteceu e os bárbaros não vieram.
E chegaram alguns das fronteiras,
e disseram que já não há bárbaros.
E agora que vai ser de nós sem bárbaros?
Esta gente era alguma solução.

Konstandinos Kavafis

Os Poemas ,Tradução de Joaquim Manuel Magalhães e Nikos Pratsinis, roubado à Carla Romualdo. A fotografia, embora ao que parece seja de 2007, renasceu ontem.

Comments


  1. Caro João Cardoso,
    fico-lhe muito grato por me ter apresentado este interessante poeta.
    Já ganhei o dia.

  2. José Galhoz says:

    É tão triste que não dá para encontrar palavras, sobretudo, quando também este país está à espera dos bárbaros embora sabendo, no fundo, que as soluções que trazem só servirão para resolver os problemas deles e agravar os nossos. Mais triste ainda é o cansaço e a resignação que transparece do texto – será este o estado de espírito da maioria dos gregos?


  3. Teofilo, agradeça à Carla, eu fui só ladrão.


  4. Reblogged this on A Arte da Omissao.


  5. o problema é vermos nos outros bárbaros
    que só dão para hilotas e para fazer adubo…bárbaras são as gentes que declinam até morrerrem de fome

    e os gregos têm 70% de auto-suficiência alimentar

    infelizmente exportam 40% para comprarem papaias e picanha brasuca para os macDonald’s

Deixar uma resposta

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.