Já agora, falando de lambe-botas…


Num normalizado artigo de encher pneus em que requenta a sua expressa opinião do costume, o balsemado valentão-anti-cobardes Daniel Oliveira espuma por Passos Coelho não ter aderido ao documento glosado por David Cameron. Em boa verdade, muito daquilo que lá está escrito poderia ser suficiente para o governo português assinar de cruz, como aliás habitualmente tem feito desde há mais de trinta anos. Mas simplesmente não pode agora fazê-lo de ânimo leve. Porquê?

O sistema que pariu e tem mantido os danieisioliveiras, é precisamente aquele que hoje se encontra em apuros e sob o fogo cerrado dos mesmos eternamente irados danieisoliveiras. É o esquema do subsídio à farta para o mau cinema votado às moscas, para os grupos teatrais do rebola no chão e bate na lata, o subsídio para resmas e resmas de ilegíveis opúsculos de e para amigos, das fundações e gabinetes de comparsas, etc. O dinheiro acabou e isso parece insuportável, urgindo recorrer à chantagem para que o caudal volte ao leito a que se habituaram. Tarde demais, é impossível.

O país faliu, aderindo sem sequer poder manifestar-se em referendo, a uma Europa que lhe tirou as ferramentas capazes de garantir uma frágil mas até então segura subsistência. O articulista deverá compreender de uma vez por todas que a loucura consumista acabou e não se vislumbra qualquer tipo de data para uma “retoma” do vício. Os danieisoliveiras quiseram o Euro e puderam fazer figura de compinchas ricos com “ar de estrangeiros”, viajaram, foram aos music-hall em Londres, andaram em solidárias marchas aqui e ali, viram exposições de parafusos como arte e tostaram o lombo em resorts caribenhos (1). Acham piada ao Castro, jamais o atacam porque pareceria mal – até porque gostam de charutadas – e admiradores dos tempos em que os russos ocupavam metade da Europa e tinham apontados SS-20 a Lisboa, Porto e Setúbal – nunca organizaram uma única “manifestação popular e pacifista” contra o facto -, estes danieisoliveiras andam com gorgolejos intestinais pelos negócios que Portugal tem celebrado com os ex-camaradas do MPLA. Há uns quinze anos, arremetiam contra a UNITA, um terrível bicharão pago pela CIA, no MPLA de J.E. dos Santos encontrando o “lídimo representante” do povo angolano. O comunismo foi pelo Futungo de Belas varrido do mapa, levantaram-se as tendas dos negócios, a filha do ex-camarada desfrizou a cabeleira e por Lisboa se passeia burguesmente em compras. Aqui está mais um “inimigo de classe”, mesmo que essa classe seja precisamente a dos danieisoliveiras.

Portugal é hoje um país oportunista na cena internacional? É sem dúvida e estará por muito tempo condenado a sê-lo, mercê do desastre a que o actual regime o conduziu, destruindo a sua estrutura económica, desvairando as suas finanças, chocando no ninho trupes de vigaristas de Estado e desviando a sua segura e tradicional política externa, para uma aventura europeia sem nexo. Os danieisoliveiras odeiam a Alemanha que é precisamente quem garante alguma coerência a essa Europa que calcularam radiosamente unida e “em igualdade”. Mas será possível a possível, tratando-se de uma união entre desiguais? O espírito parasita do “viver à conta” num sistema em os convivas preguiçosamente se despiolham mutuamente, alastra então do microcosmos português onde o subsidiozinho enche algumas ávidas barrigas, para a imaginada grande política internacional dentro da U.E. Assim sendo, a “Alemanha deve pagar”, um velho refrão de outros tempos e que serviu para o que se sabe e a geração dos pais dos danieisoliveiras estrangeiros teve de suportar sob um dilúvio de bombas.

Diz agora o sempre indignadamente iracundo escriba que …“a marca do que somos, como Nação, fica para sempre. Se os outros não se lembrarem, lembrar-nos-emos nós. Não é por acaso que somos um povo com tão baixa autoestima. Há tanto tempo que, como País, não fazemos nada de que nos possamos orgulhar.”

Nisto tem razão e à gente do esquema dele o devemos: Portugal tornou-se num malcheiroso mierdero.

(1) Para nem sequer falarmos dos negligenciados casos de polícia BPN, BPP, PPP, etc, etc.

Comments

  1. Miguel says:

    Tranquilo, um pouco menos de agressividade na escrita… Antes do fim do primeiro parágrafo já tinha desistido de ler por causa disso.

  2. Nuno Castelo-Branco says:

    Miguel, diga o mesmo ao Daniel Oiveira. Cada artigo, cada farpada, cada insulto. Se uns podem, eu também posso.

  3. Nightwish says:

    Infelizmente, estamos onde estamos porque alguns ainda não se aperceberam que não são os subsídios à cultura que enterram o país e entregam as migalhas à nobreza.
    E mais não vale a pena dizer

  4. Nuno Castelo-Branco says:

    Pois é, nightwish, estamos de acordo. Isto, num país onde o património cai aos pedaços, onde não há verbas para uma decente apresentação e gestão dos museus, onde os edifícios públicos (históricos) estão em ruínas. Não são estas pedras cultura? Não se habituou ainda à completa falta de monitores que proporcionem visitas a museus? Quantos disparates já terá ouvido em comentários imbecis balbuciados por funcionários que tanto poderiam estar a trabalhar num museu como na cafetaria do mesmo?
    Note que não se trata de uma crítica aos subsídios à cultura, mas sim ao amiguismo disfarçado de…cultura.

  5. Luís says:

    O Sr. Castelo Branco explique-se p. f.: porque é que nos “maus subsídios” não incluiu os do BPN, os dos submarinos, os das PPPs, etc.?
    Recordo-lhe que para esses continua a haver dinheiro!

  6. Nuno Castelo-Branco says:

    Luís, nem sequer é preciso explicar coisa alguma. Qualquer um – menos os envolvidos nas tramóias – sabe tratarem-se de casos de polícia. Nem sequer me recordei dessa evidência, mas já agora lhe digo que o tal BPN, PPP, etc, deviam estar à cabeça no referido parágrafo. Nada de confusões!

  7. Por mim… temos que dar mais uns 10.000M€ a juro negativo à Banca Privada Portuguesa…

Deixar uma resposta

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.