A doce vertigem do eufemismo agressivo

A linguagem dos políticos (e a de Cavaco Silva) é feita de pormenores saborosos para o hermeneuta cínico em que me tornei. Na esteira da “abstenção violenta” enunciada pelo jovem idoso António José Seguro, venho propor a noção de “eufemismo agressivo”, em que se enquadram os ataques que os políticos portugueses (e Cavaco Silva) fazem uns aos outros. No fundo, não chegam a ser ataques, são pequenos empurrões carregados de um mal disfarçado erotismo.

Cavaco Silva, talvez por não ser um político, é bastante desajeitado no uso do eufemismo agressivo. Na verdade, ao querer pôr fim à situação que criou, aconselhando as pessoas a ler o prefácio do seu último livro na íntegra, acusa-as implicitamente, de serem estúpidas. Depreende-se que, uma vez lido o prefácio, deixará de haver razões para a polémica existente. Se é assim, prefiro não ler.

Nas declarações de Cavaco surge, ainda, um eufemismo agressivo que um político não desdenharia utilizar: “falta de lealdade institucional”. O eufemismo – neste caso, o supérfluo – está no adjectivo: o que interessa, evidentemente, é a deslealdade, atitude feia, seja institucional ou não. Estão criadas as condições para que um político mais arrebatado chame a “cabrão institucional” a um adversário político, sem que isso possa ser considerado sequer polémico.

Também delicioso, pelo seu treino na diplomacia, é Luís Amado, que usa a habitual argumentação em defesa da paz podre, sempre em nome da “coesão nacional” e desejando “amplos consensos”, mas nada disso se compara à doçura de qualificar a acusação de Cavaco como “relativamente injusta”, apertando o lóbulo da orelha presidencial e atingindo, ao mesmo tempo, as partes baixas de Sócrates, o que demonstra conhecimentos de artes marciais.

Já Vital Moreira, que não pode sentir o filósofo parisiense em perigo, é um impotente do eufemismo e, puxando dos seus galões de constitucionalista, dispara, sanguíneo, que o primeiro-ministro pode informar o Presidente quando quiser e que não pode estar sempre a dar conta de tudo o que se passa na governação, igualando a compra de agrafos à imposição de um PEC.

Em conclusão, e diante desta opereta, poderei dizer, à maneira de Cavaco Silva (ou de um político), que a política portuguesa é uma merda institucional.

Comments

  1. marai celeste ramos says:

    Vital Moreira é um “asco”

Deixar uma resposta

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.