Dificultês

o texto que eu gostaria de ter escrito sobre o eduquês de Nuno Crato e as contas da Parque Escolar, por Rui Tavares.

Comments

  1. Tito Lívio Santos Mota says:

    Primeiro, devo dizer que se o Sócrates fosse julgado à moda da Islândia, teria certamente direito a atenuante com esta medida de passar a escolaridade para os 18 anos.
    E também a de ter lançado este plano para o Parque Escolar.

    Segundo, mesmo sendo algo conservador em matéria de ensino, prefiro um milhão de vezes o eduquês ao chicoespertês do Crato.

    Gato escaldado… etc.

    Perdi a conta aos “grandes revolucionários do sistema de ensino” que passaram pelos ministérios daqui e daí.

    Em geral, quem faz coisas não chega aos gritos a armar ao pingarelho.

    Começamos por aquela nódoa no tempo do Gonçalves que “para criar igualdade” acabou com o ensino técnico. Em vez de nivelar por alto, nivelou por baixo.
    Depois foi o estafermo do Oliveira Marques com o Propedêutico.
    E por aí fora.
    Alguém se lembra dos que fizeram coisas de jeito?

  2. jorge fliscorno says:

    Pela fonética do título, por momentos até pensei que se fosse falar de francês técnico.

Deixar uma resposta

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.