Dia mundial da poesia

 (adão cruz)

Dia de enganos

Uma gaivota beijando a espuma branca das águas fundas em bailado  grandi mestri culminando as chaminés do cabo do mundo

O barco ao longe só estático no horizonte como eu aqui de olhos  fitos nas rochas

Gaivotas bailando Rossini mascagni massenet sem ponte nem  horizonte verdi wagner bizet sobre a espuma da tarde sem dia do dia sem  ponte sem horizonte para lá das rochas negras e nuas

Marcia trionfale dunas de espuma branca abraçando as  rochas do meu deserto tão perto do mar imenso tocando as nuvens por dentro de  mim

Alguém me leva nas asas da gaivota por dentro de mim em doce  intermezo de rios de sol e mar sem fim

Alguém me passeia por dentro de ti cavalcate delle  valchirie a vertigem avança em turbilhão até planar bailando sobre o coração  cravado no sol poente vermelho e quente do sangue que verti

Bruscamente o prelúdio voando dentro de mim a alma que  resta em meditazioni pelo espaço imenso tocando aqui e ali as penas das  asas que perdi

Vesti la giuba viajante da barcarola com ar  triunfante va pensiero seguro de quem se apoia nas pedras nuas da orla do  mar esquecendo o mar que navega infinito mistério

Comments


  1. Absolutamente digno para a comemoração deste dia! Parabéns, caro Adão!


  2. Reblogged this on Beto Bertagna a 24 quadros.

Deixar uma resposta

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.