Silêncios

São um sim?

Com o despedimento previsto para as nossas escolas, quer pela reorganização curricular, quer pelos TERA-agrupamentos, o que falta para um MEGA – levantamento dos Professores?

Será que foi só a incapacidade comunicativa de Maria de Lurdes?

Não entendo…

Contratados, deixem-me ver se consigo dizer isto com as letras todas:

– no próximo ano TODOS os contratados vão estar sem colocação, isto é, vão ser TODOS despedidos! Dá para perceber isto ou não?!!!!

Comments

  1. joao says:

    Os professores estão, neste momento, a reviver o seu passado e não têm tempo para mais nada.

    Basta andar aí a meter o nariz em alguns blogues sobre educação para se ver o que os está a preocupar neste momento.

    Revivem o seu exame da 4ª classe, animados pela prosa motivadora e piegas dos respectivos blogers.

    Basicamente e nomeadamente a tónica é esta, bem apropriada à época da Páscoa:

    – Eu adorei os meus exames da 4ª classe e não fiquei traumatizado. Deu-me confiança para a minha vida futura. Os miúdos gostam de desafios, de competição e temos de aproveitar isso.Lembro-me do meu dia de exame. Ia vestido a rigor e estava radiante.Passei com distinção, fui o melhor da minha escola. Recebi uma bicicleta dos meus pais, um relógio dos meus tios e um fato novo dos meus avós. A minha petiza é uma das melhores alunas da turma e quero que ela também viva este momento de excitação e mostre a todos que é a melhor no exame, tal como o pai e a mãe o foram no seu tempo.

    Não me lembro bem sobre o que era o exame. Tenha sido sobre o que tenha sido, foi muito enriquecedor na minha vida e moldou a pessoa que sou hoje.

    E quer o João Paulo que os professores abram a pestana para o quê mesmo?


  2. A inteligência do comentador é tanta que nem respondeu ao post enunciado!!! Para sujeitos destes nem com o exame da “4ª classe” lá vão … logicamente não encontra sentido no post … engano ou iliteracia disfuncional???
    Meu amigo vá-se revendo no passado … que o futuro com gente como você nem chega a ser ,,,

  3. João Paulo says:

    #1 Meu caro, de facto estou surpreendido com algum tipo de argumentação pró-exame que podemos ler num ou noutro escrito blogasférico. Assim como tudo o que vinha de Maria de Lurdes era logo visto como MAU, parece que o chega de Nuno Crato tem o carimbo contrário. Ainda estou à procura de explicações para perceber isto…

    #2 Não tenho dúvidas: isto é um voltar atrás. E há quem goste disso.

    JP

  4. maria says:

    Onde andam os contratados? Vão unir-se e fazer algum tipo de protesto? Como é que é? No meu Agrupamento os contratados NÃO SE MOSTRAM MINIMAMENTE PREOCUPADOS! – LOGO SE VÊ! PORQUÊ SOFRER POR ANTECIPAÇÃO? dizem
    ALGUNS COM FILHOS PARA SUSTENTAR!

  5. Tito Lívio Santos Mota says:

    A próxima etapa será o pagamento de propinas no ensino obrigatório.

    Começaram pelas crianças portuguesas residentes no estrangeiro que deverão, doravante pagar 120 euros de propinas por ano.
    E, ainda por cima vamos andar a chular o estado francês em matéria de salas de aula.

    Parece que não tem nada a ver?
    Tem, sim!
    Começam por quem está longe para ver se cola.
    Se colar, farão com as escolas o que fizeram com o SNS.
    Chamem-lhe propinas, taxas moderadoras, contribuição para o funcionamento… o que é certo é que será o fim da escola pública, gratuita e obrigatória.
    Tal como aqui, que farão os que não poderão pagar?

    Tito Livio Santos Mota
    ps: os gajos, se não se mexem, problema deles.

  6. Tito Lívio Santos Mota says:

    Se eu fosse mesmo muito mau, ria desta situação de miséria profissional.

    Não andaram à turra e à massa por causa da tal avaliação, como se nada mais tivesse importância?
    Não foram até ao ponto de namorar o Passos porque dizia que “tinham muita razão contra a avaliação”?
    E agora, a tal avaliação já é boa?
    Os outros problemas continuam a não existir?

    Enfim, a diante que isto torna-se desprezível.

Deixar uma resposta

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.