A credibilidade deste governo atingiu o zero, mas da escala de kelvin

Subsídios serão repostos ao ritmo de 25% por ano a partir de 2015

Isto corresponde à n-ésima variante sobre o mesmo tema das calendas gregas. Tenho vergonha deste país que carrega parte da população com o fardo de pagar uma muito maior parcela da escandalosa nacionalização do BPN e do miserável buraco da Madeira. Ainda para mais com o enorme desplante de permitir à nobreza da função pública, a administração de topo, ter regimes de isenção destes cortes (já vai em 14!). Os erros foram cometidos por uns poucos, poucos estes que foram eleitos por muitos, e vai ser pago por uns poucos também.

Quando havia o escudo estes buracos também aconteceram muitas vezes. Mas, então, a desvalorização da moeda era o machado que a todos cortava o poder de compra por igual. Lembro-me, por exemplo, de haver depósitos a prazo que pagavam 18% ao ano, tal era a inflação. Agora, que esse algodão de limpar nódoas da má governação se foi, sobra-nos a sabedoria de Mazarin.

E não sou funcionário público.

Comments

  1. Jorge Anyous says:

    Na minha opinião este governo ultra liberal colocou na sua agenda tudo aquilo que sem crise nunca conseguiria implementar e foi tomando o pulso aos portugueses.
    Como não foi havendo endurecimento das posições de quem ia sabendo que estava a ser roubado, mais avanços no tempo dos cortes.De dois anos passámos para três quatro cinco etc.
    O limite já não é a falta de pudor é mesmo a falta de vergonha na cara.
    E o que fazem os portugueses ?Assobiam para o ar.E fazem de contas que ainda não é nada com eles.até quando ?O povo português não é um povo de brandos costumes é mesmo um povo que ultraja e renega os seus antepassados que fizeram um império espada.
    Sem contemplações só temos o que fazemos por merecer.

  2. patriotaeliberal says:

    Isto para reporem os roubos parece os antigos planos quinquenais da ex-URSS.

    É uma enorme coincidência que tudo o que seja alguma reposição a nível de salários e subsídios perdidos apontar para o ano mágico de 2015.

    Mas o que é que haverá em 2015?

    Hum?

    Pois, eleições!

    A isto chamo eu de hipócrita propaganda a todos os níveis.

    Então é assim: tiram-nos o que nos é devido para, de acordo com a agenda política e eleitoral, nos reporem às mijinhas, sem juros de mora.

    O pessoal, agradecido, ainda é capaz de voltar a confiar e tunga, dá-lhes uma outra oportunidade.

    Logo a seguir, tornam a retirar….porque blá blá blá….

  3. patriotaeliberal says:

    Esqueci-me: para fazerem esta reposição antes das eleições será preciso mais uma “ajuda” do FMI e do BCE.

    O blá blá blá para cortarem novamente qualquer reposição que possa vir a acontecer será derivado do: os cidadãos terão de fazer mais um esforço para se conseguir pagar este novo pacote da troika.

    Este círculo vicioso começa a tornar-se mesmo monótono. Tão monótono que anestesia, caramba!

  4. Maquiavel says:

    A ti anestesia, a mim faz ferver o sangue!

  5. Jorge Anyous says:

    A mim também!

  6. Ah, ainda acreditam no pai natal, os subsidiios, podemos dizer-lhes adeus, para sempre.
    Não havendo moeda para desvalorizar è o trabalho que tem ser desvalorizado, segundo dizem entre 20 a 30% portando digam adeus, o que iremos ter em 2015 são as migalhas, o isco para as eleições.

  7. Fernando says:

    E nao ha culpados! Viva a democracia!

  8. maria celeste ramos says:

    Jorje Anonymus-Tanta conversa inútil e quem fala tanto que diga-sugira-afirme, o que entender como certo, para não estar para aí a dizer que os portugueses têm o que merecem !! ?? Você como faz ?? diga – exemplifique – só dá bocas, ou sabe algo que valha a penas ler e fazer ??? ou não é português ?? Ou é filho de banqueiro ?? ou é um super-reformado ?? ou é apenas agitador mental ?? ou é o seu recreio preferido ?? vá seja solidário – ou escreve para o DN ??? se tem a solução diga que eu farei e já

Deixar uma resposta

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.