Portugal Low Cost

 
 
Está tudo em saldo! Elas são as lojas low cost, as padarias low cost (abertas das 6: 30 h às 22h, padinhas a 0,08 € e café a 0,40€), viagens low cost, as livrarias low cost (vi bem: livros a 0,75 €). Ganham com a crise. Ganham à custa da pobreza dos portugueses.
É o país em saldo, ao desbarato. É triste.
 

Comments

  1. Oscar says:

    Malditos portugueses que não fazem as compras na mercearia do el corte inglés. Que raio de mania de poupar o dinheiro que ganham com o seu trabalho

    • Maquiavel says:

      Poupar o quê, quando o ordenado nem dá para as despesas correntes? Nem fazendo compras só no Lidl conseguem poupar…
      Os portugueses näo não fazem as compras na mercearia do el corte inglés… porque näo podem pagar, näo é para poupar!

  2. maria celeste ramos says:

    BOA !!!!!!!!!!!!!!

  3. Maria do Céu Mota says:

    Eu fui a uma padaria low cost porque quero poupar!! Mas é mau sinal…Prolifera o comércio low cost a olhos vistos. Por que são tão baixos os preços? Os funcionários são em menor número, o serviço não é personalizado, não há louça- antes copos de plástico, etc. Eu fico contento porque pago menos, mas há muita gente que se dispensa. Não admira que o desemprego tenha chegado aos valores já conhecidos.


    • Viver numa sociedade low cost tem uma implicação a prazo: reduzidas as margens de lucro das empresas, sobra menos dinheiro para querer ou poder cumprir as obrigações sociais, nomeadamente o trabalho fora de horas dos funcionários.
      E, a juntar-se, sobra menos dinheiro para a amortização de investimentos e renovação de equipamentos e formação profissional.
      É mais barato, sai é mais caro.

  4. Maquiavel says:

    Na Alemanha inventou-se o conceito do desconto duro (“hard discount”) nos supermercados (introduzido em Portugal com o Lidl), mas *tudo* é passível de seguir o conceito, de drogarias a lojas de roupa, e assim sendo na Alemanha tudo é… “low cost”. E porque näo?

    O conceito é simplicíssimo, e as “lojas dos chineses” usam-no bem, e por isso continuam a dar dinheiro: tem-se margem de 0,1€ por produto, mas como vendem muitos, no fim o valor absoluto dos lucros é grande. A margem de lucro é mínima, mas o lucro final é alto.

    O que é irónico é o conceito do desconto duro ter sido desenvolvido num país rico (Alemanha) em tempo de vacas gordas (pois, por isso é que os alemäes säo ricos!), e só realmente ter chegado a um país pobre (Portugal) em tempo de crise…

  5. J.Pinto says:

    Malditos sejais, portugueses dum raio…

Deixar uma resposta

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.